Início > Sem categoria > Não somos conduzidos, conduzimos

Não somos conduzidos, conduzimos

Tá na Constituição. Mas o juiz e a PM não sabiam

Sabem de uma coisa? Hoje eu fui na marcha da maconha e usei tóxicos. Usei mesmo! Eu e uma cambada que descia a Consolação. Ficamos com os olhos vermelhinhos, tossindo pra caramba. Como a gente descolou a parada? Ora, com a Polícia Militar de São Paulo, com quem mais? O tóxico, no caso, chama-se Clorobenzilidenemalononitrila, o gás CS, mais conhecido como gás lacrimogênio. É considerado uma “arma branca” pelas forças de segurança, e toda tropa de choque que se preza porta um belo estoque quando vai às ruas.

Hoje tive a involuntária chance de tragar o gás em quatro oportunidades. A primeira foi na frente de um abandonado cinema Belas Artes. Uma bomba de efeito moral estourou bem ao meu lado, e meu ouvido zuniu pelo resto do dia. Corri, e tive a sabedoria de não olhar para trás quando escutei os tiros de escopetas com balas de borracha. Elas não matam, mas cegam facilmente quem as toma nos olhos. Estava seguindo em frente pelo canteiro do meio da Consolação, entre os desavisados cidadãos que esperavam um ônibus no ponto do corredor. Foi ali que o gás chegou primeiro em meus olhos e narinas. Bem como nas mucosas de crianças, jovens, adultos e idosos de ambos os sexos que esperavam uma condução apenas.

A última inalada, e mais intensa, foi entre as esquinas da Consolação com Sergipe e Maria Antônia. Eu já não estava mais no miolo da manifestação, mas seguia pelo outro lado da rua, tirando fotos da tropa de choque e me juntando ao coro de manifestantes que, já meio dispersos, apontavam suas palavras contra a polícia. Foi quando duas bombas foram atiradas na pista oposta, sentido Paulista, onde não havia marcha, nem manifestantes em grande número. Apenas automóveis engarrafados, pedestres atravessando a rua e o comércio aberto. Segui em frente, protegendo minhas vias com um lenço verde (distribuído aos montes no começo da marcha como mordaça pela censura, tornou-se máscara).

Vi dezenas de pessoas levando a mão ao rosto, vi senhoras correndo com dificuldade para fugir da fumaça, um pasteleiro sufocado, encurralado pelo gás dentro de seu trailler. Queima, quimicamente falando. A pior coisa que já respirei. Ainda pior do que o gás de pimenta que sorvi ano passado, na marcha da maconha de 2010, no Parque do Ibirapuera. Com o gás lacrimogênio, a pele e os olhos sentem uma agressão corrosiva, intolerável. Prendi a respiração e corri em frente. Tentando alcançar o resto do pessoal. Eu precisava estar lá para ver o desfecho.

A foto é mais ou menos, mas mostra o momento em que o gás lacrimogênio foi atirado entre cidadãos desavisados

A Consolação foi intoxicada porque a “lei” não tolera outra fumaça. Aliás, a “lei” não tolera quem fale sobre a tal fumaça sem condená-la. Pelo entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo, em uma decisão tomada menos de 24hs antes da realização da Marcha, é ilegal dizer que maconha não deveria ser ilegal. Proibido, o evento se concentrou no MASP, levantou cartazes e cantos, e acordou com o Capitão Benedito Del Vecchio, comandante da 1a companhia do 7o batalhão da PM, a realização da marcha pela liberdade de expressão, condenando a censura sofrida.

A interpretação do Tenente ao texto do TJ, foi a seguinte: qualquer um que leve cartaz, camiseta, material ou slogans que incluam a palavras maconha, ou legalização, ou qualquer referência que induza à maconha, serão punidos. Cobriu-se a maioria dos cartazes com faixas ou tinta preta, e a polícia disse que apenas iria escoltar a marcha – e seria esse o saldo do dia.

E quando o assunto é proibido?

Eu arrisco dizer que havia duas mil pessoas marchando pela Paulista. A causa não era mais a legalização da maconha, exatamente. Era um protesto pelo direito de pedir a legalização da maconha. Uma planta de inequívocas propriedades medicinais, industriais e e dona de uma amistosa psicoatividade. Eis todo o problema. Psicoatividade. Que, para mim, mostra o que está por trás dessa tarde de sábado: consciência. E o que fazer para alterá-la. Aos fatos:

Análises médicas do gás lacrimogênio indicam que ele causa danos graves ao fígado e ao coração. Também é indutor de anomalias genéticas em células mamárias (aka câncer de mama). Quando metabolizado, o gás CS deixa traços de cianureto no corpo humano… coisas assim. Fatos que duvido que conste nas cartilhas de formação de um PM como o Cap. Del Vecchio (no mesmo sábado, 93 novos soldados ganharam seus espadins, gaba-se o único tweet do dia do @pmesp). Ou nos calhamaços dos exmos. juízes do TJ. Duvido que a toxidade do gás lacrimogênio conste no repertório do médico Geraldo Alckmin, hoje governador de São Paulo. Mas foi essa a substância que a Força sobre seu comando atirou, em pleno sábado de sol, em gente indefesa, pelas costas, por discordar de uma lei – ou que apenas circulavam por São Paulo na hora errada.

Tá aqui sua democracia. ass: Cap. Del Vecchio. (fonte AE)

A troco de que? O parecer do desembargador Teodomiro Mendes é claro: “o evento que se quer coibir não trata de um debate de ideias, apenas, mas de uma manifestação de uso público coletivo de maconha, presentes indícios de práticas delitivas no ato questionado, especialmente porque, por fim, favorecem a fomentação do tráfico ilícito de drogas (crime equiparado aos hediondos)”.

Sim, eu vi gente acendendo baseados na marcha. Imediatamente reprimidos pelos próprios participantes que, em grupo, falavam que “não era a hora”. Toda a argumentação que vi na Marcha é em torno de um debate de ideias que, invariavelmente, aponta para a extinção do tráfico (“equiparado aos crimes hediondos”) através do cultivo legal de canabis (equiparado à jardinagem).

Sim, eu vi gente sendo presa na marcha. Ninguém por porte de drogas. Apenas por distribuir um jornal, e debater ideias, chamado “O Anti-proibicionista”, feito pelo coletivo DAR. A polícia não deu satisfações aos jornalistas que questionavam o motivo da prisão. Tive uma escopeta (com balas de borracha, suponho) apontada para mim quando tentei me aproximar para fotografar um dos membros do coletivo indo em cana.

Marchei até o fim, e peguei um táxi para o 78 DP na Rua Estados Unidos, para tentar entrevistar o delegado e os presos na marcha. Saber qual era, enfim, o B.O. Cheguei no primeiro grupo de pessoas, e não pude, nem como repórter, falar com o delegado ou os presos. Foi de lá que mandei meu primeiro de muitos tweets do dia, e vi chegar mais tropa de choque, um helicóptero, e vi a rua Estados Unidos ser fechada para impedir a chegada dos manifestantes mais resolutos que subiram e desceram de novo a Augusta para pedir a soltura dos dois que ainda restavam presos no 78. E foi quando entendi que aquela não era mais uma marcha da maconha. Não era sequer uma marcha pela liberdade de expressão. Era um explícito enfrentamento da consciência coletiva consigo mesma.

PMs da ROCAM sem idenficação para esculachar sem maiores problemas

Consciência era o tema de hoje, eu preveni. E o que fazer para alterá-la.

Nossa extrema e recente capacidade de obter informação e conexões redimiu os libertários. Temos a rede, os argumentos, a vontade de união. Mas como em um pesadelo Junguiano, esse despertar gera seu exato oposto… a sedimentação de preconceitos e discriminações que infla os intolerantes, os donos da verdade, os demagogos. As balas não eram contra nós, eram contra nossos argumentos, contra nossa capacidade de demonstrar que o mundo que a ignorância oferece é pior do que o da tolerância. Com o twitter na mão, vi meus breves relatos sendo retransmitidos e espalhados para muitos milhares de pessoas em segundos. Assim como tantos por ali, meu telefone era só um uma sinapse de um cérebro maior, coletivo.

Não, essa briga não é pela maconha. Assim como a luta por direitos LGBT, das mulheres, dos negros… nada disso é apologia de raça, sexo ou formas de amor. São gritos por tolerância, respeito, igualdade de direitos. E uma luta da consciência por mais consciência. E pela transformação dela em grupo, em rede, em sociedade.

Repórter da Globo cobre a marcha atrás do Choque. Deu na lamentável matéria do JN

Consciência! Eu insisto. E especulo aqui, com pouco medo de errar: PMs, juízes, governadores, legisladores… devem saber tanto sobre o males do gás lacrimogênio quanto sobre os da maconha. Nada. E não serei eu o infinitésimo mártir a enumerar fatos científicos e culturais sobre a planta que provam, sem controvérsia, que ela pode conviver entre nós como uma verdadeira aliada, em vez de uma falsa ameaça. Ameaça que se tornou violentamente real com a proibição. É um mercado bilionário que flui diretamente para os cofres do crime organizado e da inevitável corrupção policial. É a base da renda da enorme malha criminosa. Tudo por causa de uma planta quase sempre benigna.

Consciência… e me lembro das pessoas não envolvidas com a marcha que viram a brutalidade da polícia, respiraram um gás trocentas vezes mais tóxico do que a mais vil das maconhas de bocada, e não se indignaram com a PM. Mas conosco, os maconheiros, os vagabundos que financiam o tráfico de drogas. “Porque vocês não vão trabalhar?”, me sugeriram no twitter enquanto eu reportava abusos da polícia. Não tiveram a chance, a boa-vontade (ou a inteligência?) de pensar um pouco além do que lhes oferece o mais ignóbil jornalismo televisivo. Não sabem que ex-coronéis da PM comandam 25 das 31 subprefeituras de São Paulo (http://tinyurl.com/3f4k9fk) . Não entenderam o significa ser governado por gente que confunde Ordem com Justiça. Não entenderam, ou concordam, também pensam dessa forma. Ainda assim, fazem parte do mesmo cérebro coletivo em que pia meu twitter.

Hoje, sentimos na pele o que é viver no meio de um nó cego de ignorância, ideias preconcebidas e uma sórdida conveniência comercial e política. Eis a receita invariável da qual a direira (a extrema direita, eu quero dizer) se alimenta. E provo o que digo com uma uma cena, a mais importante de todo o evento para mim.

Durante a concentração no MASP, a maioria ainda nem havia chegado, uma turma de uns 20 neonazistas, facistas, ultra-nacionalitas, se colocou em fila para protestar contra a marcha. Diziam defender a família, o Brasil, o nacional-socialismo. A polícia não os molestou. Ao contrário, fez um cordão para os manter isolados das centenas de manifestantes que foram chegando. Quando as primeiras bombas voaram, o pequeno grupo nazi aplaudiu. Eu vi. Eu e muita gente viu. E você também pode ver se procurar na rede. Facistas batendo palmas para a polícia que reprimia com extrema violência um protesto pedindo liberdade de expressão.

Neo-nazistas, ultra nacionalistas, contra a marcha. Protegidos pela polícia, aplaudiram a violência

Essa é uma cena triste? Não ainda. Ela é um sintoma, apenas, dessa bipolaridade social que estamos vivendo. E a cena diz mais sobre quem não estava lá do que sobre a PM, os nazis, ou os maconheiros. Sobre as centenas de milhares de pessoas que sabiam da marcha, e preferiram não ir, por preguiça, por medo de ridículo, por medo da polícia ou por puro descaso. Sobre os incontáveis artistas e figuras públicas que adoram um baseado, mas se escondem na hora do debate. Um silêncio que dá força às balas de borracha, às liminares de última hora, a uma política cínica sobre drogas no país. Um silêncio que abafa o eco da bombas de gás e dá mais voz aos desinformadores de plantão.

Eu saí indignado da marcha. Mas não saí triste. O protesto durou mais de seis horas. Andamos metade da Paulista, descemos toda a Consolação, voltamos até os jardins, sob porrada e abusos, para soltar nossos companheiros. Temos que nos orgulhar. A marcha de São Paulo nunca mais será a mesma. Mas viramos mais do que uma página na luta pela legalização e regulação do mercado de maconha no Brasil. Ficou evidente, em fotos, vídeos, relatos, cicatrizes e saudações integralistas que nossa democracia é tudo, menos madura.

E se isso não é motivo para lotar a Paulista no sábado que vem, então, lamento informar, mas os facistas terão muitos motivos para aplaudir a PM de São Paulo. Na esquina da Augusta com a Estados Unidos foi decidido que um novo protesto, contra a violência policial, será feito no MASP, às 14hs do dia 28. É hora de mostrar para o governo Alckmin o significado do lema da bandeira da nossa cidade: Non ducor, duco. Em latim: não sou conduzido, conduzo.

Os mais resistentes esperaram sentados a libertação dos dois presos no 78 DP. Ali, combinamos nova manifestação para sábado que vem

Por isso, eu dedico esse texto a todos que fumam maconha e que não foram hoje à Marcha da Maconha. Peço, humildemente, que antes de enrolar o próximo baseado dêem uma olhada na sua erva. Tente imaginar por quais mãos ela passou. Para quem esse dinheiro foi. Pense em quantas pessoas morrem todo dia por conta desse mercado criminoso que a lei criou. E pense também nas duas mil (?) pessoas que foram às ruas por você. Para que sua maconha seja limpa, em carma e substância. E não se culpe pela ausência de hoje, digo isso com sinceridade. Apenas acenda o baseado, fume, e prometa a si mesmo que na próxima marcha você vai. E que vai levar gente consigo. E que vai fazer o impossível para aparecer sábado que vem, no MASP, às 14hs, para protestar na rua contra a violência do Estado de São Paulo. Eu vou.

__________________________

Um breve comentário: há tempos que minha relação com a maconha anda em crise. Não tenho mais tanto prazer quando fumo um baseado. Ao longo dos anos os efeitos foram mudando em mim. Hoje posso ficar ansioso, confuso, anti-social, durmo pior… Raramente fumo, pois com frequência me arrependo. Mas semana passada ganhei uma pequena belota de uma maconha caseira, cultivada por um amigo do interior. Hoje, ao chegar da marcha, tomei um banho, vi a repercussão no twitter, e enrolei a erva. Perfumada, verde, saborosa. Fumei. Há anos não me sentia tão amigo da maconha. Sentei, chapado, para escrever meu relato, e meu desabafo. Com uma florzinha solta, colhida por amigo, eu a maconha fizemos as pazes. Vou dormir bem.

CategoriasSem categoria
  1. roberta bencini
    9 de junho de 2013 às 3:25

    Obrigada, Bruno…também dormirei bem nesta noite…sem culpa!

  2. val
    3 de março de 2013 às 11:45

    nos quem temos que criar todos estes merdas de corruptos e traficantes nossas costas com esta midia de circos e bostas hitler mussolini sssul sssamp free

  3. val
    3 de março de 2013 às 11:43

    hitler sempre

  4. jrg
    21 de junho de 2012 às 18:02

    Ae Daniela, Quen falou em herois contrutores de bomba atomica, já na noia é. Pelo seus pensamentos expostos, eu sei que vc vai ser na vida: UMA ZÉ NIGUEM, UMA BOSTA, UM MONTE DE MERDA, igual aquilo que sai e entra pela sua boca.

    • Rogerio
      27 de outubro de 2012 às 17:34

      Daniela,

      Dá pra ver que o que o palavreado que sai da sua boca é da mesma (baixa) qualidade do que entra nela. E eu não preciso falar o que é, basta ler. São vocês, usuários, os responsáveis pelo tráfico, pelos assassinatos, pelas mortes, pelo caos. Se não tivesse usuário, não teria traficante.

      • Marcos
        27 de outubro de 2012 às 22:49

        Usuário tinha que ser punido igual traficante. Igual antigamente. Pra não ficar essa merda que está hoje! Não canso de dizer, certas coisas os direitos humanos não deviam se envolver. Tem que ter repressão sim! Pergunta para o pai de cada um desses filhos da puta se eles acham que os filhinhos deles estão fazendo a coisa certa? A não ser que o pai seja o bandido mór. Sem vergonhas, cachorros, perturbadores da paz, insolentes, repressão? Preconceito? Tudo isso para essa cambada de palhaços!!

      • roberta bencini
        9 de junho de 2013 às 3:30

        ai, ai lugar comum de gente retrógrada e imbecil!

  5. DANIELA
    2 de fevereiro de 2012 às 20:58

    chama nóis de louco porque usamos maconha mais chamam de héroi quem contruiu a bomba atomica.
    Vamos botar fumaça pro ar (8
    fumo mesmo não tenho vergonha de dizer pq eu sou uma pessoa digna meo não fazo merdas não pá trabalho, estudo e quero ser alguém na vida como a maioria das pessoas .
    algumas pessoas chegam perto de mim e dizem que sou o lixo da sociedade a para né tanta gente tirando a vida dos outros , fazendo corupção tirando dinheiro de pessoas que não tem oque comer e eu que só a errada a pelo amor de DEUS né meo .
    Abra essa mente CARALHO meo uma erva natural nunca poderá te prejudicar (8
    porque quando foram pra liberar a bebida o cigarro vocês não falaram . e Hoje em dia é isso que tá destruindo o mundo FILHINHO DE PAPAI que se acha o dono do mundo matando gente e nem preço o filho da puta vai .
    Se fose os filhinhos de papai que tivesem fumando duvido que essa porra já não tava liberada mais não né a maioria é de classe baixa . Dai você vem falar né ótario dai diz que é vagabundo , bandido e blábláblá .
    só quero te dizer uma coisa respeita pra ser respeitado meo .
    É NÓIS MESMO FAMILIA PQ FÁMILIA NÃO TEM NADA A VER COM SANGUE . NA RUA É NÓIS NÓIS VAI EMCOMODAR ATÉ VOCÊS LEGALIZAR é iso ae .
    agora vc que fica ae falando mal de tudo que a vida ta uma merda e blábláblá levanta e corre atrás dos seus objetivos pq ninguém vai fazer isso por você para de ficar criticando meu abre a mente e veja como ta o mundo valeu não é por causa de um baseado que o mundo vai acabar .
    FALADOR AQUI PASSA MAL RAPAZ (8 LEGALIZA BRASIL PAZ BRASIL

  6. marcos
    26 de dezembro de 2011 às 0:31

    OS POLICIAIS NÃO SAEM POR AI ASSALTANDO E MATANDO PARA SUSTENTAR O VICIO DO GÁS LACRIMOGÊNIO, NEM FICAM COMPLETAMENTE DOIDOS, E SEM AUTODOMÍNIO PRATICANDO LATROCÍNIOS SOB O EFEITO DE GÁS LACRIMOGÊNIO, A SOCIEDADE LIMPA, HONESTA E TRABALHADORA, JAMAIS VAI APOIAR SAFADOS MACONHEIROS, LIXO HUMANO COMO VOCES, EU APOIO A POLÍCIA, NADA DE DROGAS, MACONHA É CAUSADORA DE MUITOS MALES NA SOCIEDADE, E TODOS SABEM DISSO.

  7. jrg
    17 de novembro de 2011 às 17:57

    Rafaela,
    “Todo homem tem o direito de pensar o que quiser…….” mas não FAZER o que quiser, para isso é que existem as LEIS, onde uma sociedade digna têm de cumprir. Já pensou se uma pessoa idiota (assim como aquela minoria da USP) quiser fazer o que bem entender e resolver estuprar uma mulher porque “ele é livre para fazer o que quiser”, a sociedade terá de aceitar? Lógico que não. Porque isso é fora da lei. Como vc mesmo disse a lei é para todos, então tem de ser cumprida. Fumar maconha é lei não permite então que se cumpram as leis. Não é porque vc é maconheira, agitadora e terrorista que as leis vão mudar para contentar uma classe que deveria se preocupar em trabalhar, estudar, criar sua família e não querer mudar o mundo em causa própria.
    Quando vc fala “Nunca vi um maconheiro atropelar e matar uma família, por outro lado muita gente bebe e sai por ai fazendo merda”, vc também está comparando maconheiro com bêbado, não é? Quantos maconheiros matam amigos, pais, avos para conseguir dinheiro para comprar maconha e outras drogas (se vc nunca ouviu falar é porque estava muito chapada). Se o mundo já está uma merda como está com várias “drogas” liberadas (bebida, cigarro e etc) vcs querem piorar mais ainda liberando mais drogas, pense nisso e mude de vida. Pense com sua própria cabeça sem se deixar levar pela multidão do mundinho que vc vive. Pois é o que parece quando fala “É tão inútil nadar contra a corrente….já dia o ditado …”se não pode com eles, junte-se a eles”. Essa palavras que vc usa: direitos constitucionais, ideais, liberdade, passeata, pensamento e etc, vc não sabe nem metade dos significados dessas palavras, pois são palavras usuais de qualquer agitadorzinho. MACONHA, NÃO…!!!!!!

    • Danilo
      17 de novembro de 2011 às 18:26

      Concordo tambem 100%, faco suas as minhas palavras. Alias, veja neste texto ridiculo que esse BRUNO maconheiro escreveu, logo em baixo da primeira foto tem escrito:

      “Tá na Constituição. Mas o juiz e a PM não sabiam”

      Todos aqui nesta thread que sao a favor da legalidade da maconha, sao maconheirinhos de quinta que tem entre 15 e 25 anos, infelizmente alguns “adultos em idade” tambem fazem parte desta gente, mas na maioria sao adolescentes que estao revoltados com a vida e acham que o mundo pode ser mudado para o bem deles. Culpa de todo um sistema de veiculacao de informacao e principalmente um sistema politico onde eles todos estao sempre correndo atras dos seus interesses.

      Veja a lei do Ficha limpa, veja tantas outras leis que foram aprovadas sem o consentimento da populacao, entao para esses adolescentes ai em baixo, porque nao aprovar mais uma lei egoista? Se eles podem a gente tambem pode.

      Eh isso ai.

      Abs,

      MACONHEIROS: “MAIS” UM CANCER DA SOCIEDADE!

    • DANIELA
      2 de fevereiro de 2012 às 21:11

      Nunca vi um maconheiro atropelar e matar uma família, por outro lado muita gente bebe e sai por ai fazendo merda”, vc também está comparando maconheiro com bêbado, não é? Quantos maconheiros matam amigos, pais, avos para conseguir dinheiro para comprar maconha e outras drogas (se vc nunca ouviu falar é porque estava muito chapada).

      R: nóis não tá pedindo pra liberar todas as brogas só a maconha meo sei que as outras drogas tem fazido estrago na sociedade isso todo mundo ta vendo . nunca ouvir falar que maconheiro matou alguém para fumar isso nunca meo na real . mais já ouvi sobre as outras drogas , eles falam que a maconha é o começo começa pala maconha e depois vai para aas outras drogas para meo só vai quem tem cabeça fraca na real . porque a maioria são bem grandes e sabem oque tão fazendo sabe o que é mal e bem . não importa se vocês vão legalizar ou não quem fuma nunca vai parar de fumar . a violencia vai continuar pq é só nóis que ta fazendo a merda né . porra o mundo ta uma merda e vc não faiz nada para isso mudar meo . aki na minha cidade não tem uma ala de lazer não tem muita coisa pra gente fazer . porque eles não gastam o dinheiro que ele ganham pra fazer coisa pra nóis ne não botam tudo no bolso e vem dizer que nóis é bandido . bandido é eles que fazem um monte de coisas e ainda a sociedade apoia . isso ae sociedade vocês tão certo nóis somos errado né valeu . PAZ BRASIL … MACONHA SIM !!

  8. Rafaela
    9 de novembro de 2011 às 20:34

    …Todo homem tem direito
    de pensar o que quiser
    Todo homem tem direito
    de amar a quem quiser
    Todo homem tem direito
    de viver como quiser…R.S

    Estamos em tempos tao modernos, tanta tecnologia, informaçao, redes socias e o escambao a quatro, passamos nossas vidas nos limitando de fazer o que gostamos, pensamos e sentimos.
    Guardando tanta hipocrisia, tanto lixo, em nossos coraçoes.
    Deixamos de fazer o que nos faz bem, para agradar a sociedade.
    Vivemos seguindo regras.
    Nunca vi um maconheiro atropelar e matar uma familia, por outro lado muita gente bebe e sai por ai fazendo merda.
    Que o trafico de drogas gera muito lucro todo mundo sabe, mas tem tanta coisa que todo mundo sabe e faz vista grossa.
    São uns comparando o alcool e a maconha, outros comparando outras drogas com a maconha, e outros simplesmente querendo fumar maconha.
    São tantos projetos de lei parados no tempo, tantos projetos de lei idiotas, tantos idiotas fazendo projeto de lei.
    O Brasil tem tanta coisa pra se envergonhar, nao seria da liberaçao da maconha …
    As pessoas precisam ser mais esclarecidas, saber realmente os ”efeitos” da maconha, e nao sair por ai inventando o s efeitos que faz.
    É tão inutil nadar contra a corrente….já dia o ditado …”se nao pode com eles, junte-se a eles”
    O direito de reuniao é um direito constitucional, se voce nao quer a liberaçao nada mais justo que faça a sua passeata também, cada um com seu pensamento, com seus ideal.
    O mundo precisa de paz!
    E nao de cretinos ignorantes falando que gostariam de ser policial só para bater em pessoas, estas que apenas querem usufruir de seus direitos!
    Cada um fuma o que quer, bebe o que quer, come o que quer….cada um é cada um somos iguais perante a lei, mas diferentes em ideais.

    • Elmar
      12 de novembro de 2011 às 14:11

      Perfeito. Mulheres inteligentes, definitivamente, têm um quê a mais!

  9. Danilo
    7 de novembro de 2011 às 15:43

    Concordo 100%… Os proprios maconheiros sao rejeitados dentro do campus. Os estudantes de BEM mesmo dizem que esses idiotas nao representam os alunos do Campus, somente a eles mesmos. Alguem ai escutou a CBN esta manha? Na CHARGE do jornal da CBN, adorei o que falaram: “BASEADO no que vimos na televisao nesses ultimos dias, parece que os estudantes da USP nao gostam de democracia nem da PM, eles lutam pelo direito de fumar maconha no Campus sem a intervencao da Policia”.

    Denovo, pra mim policia tambem eh corrupta, mas nao eh por isso que vai virar festa e a gente tendo que conviver com maconheiro esfumacando aquela porcaria na sua cara e na de seus filhos rindo da sua cara ainda.

    Porrada nesses sem vergonha! O pior ser humano eh aquele que ao inves de tratar de corrigir seus ERROS tenta justifica-los.

    E neste pais onde a corrupcao governa, eu me sinto no direito sim de falar o que eu quero onde eu quiser, pra mim maconheiro tem que ser punido se pego fumando em lugares publicos, homossexuais nao tem que casar na IGREJA nem tampouco terem de ser amparados pelas mesmas leis que pessoas HETEROSSEXUAIS, e pra finalizar, estuprador tinha que ser punido com morte!

    • jrg
      7 de novembro de 2011 às 16:05

      Mandou muito bem, Danilo…….é isso ai. Absss

  10. jrg
    7 de novembro de 2011 às 15:16

    Como já escrevi ai nos comentários. A maioria do povo brasileiro não tem cabeça ainda para esse tipo de liberdade. Ainda confundem liberdade com libertinagem. Tai um exemplo é essa cambada de vagabundos, maconheiros que invadiram o prédio de reitoria da USP para “lutar pelos seus direitos” de fumar maconha a vontade, sem que a policia incomodem. Por essas e outras é que esse país está desse jeito. Essa que é considerada uma das melhores universidade do brasil, tem que conviver com esse povinho desocupado e sem objetivo. A USP é um lugar de estudo e não um lugar de anarquista, que querem só agitar baderna, sem uma causa justa (a não ser liberar a maconha no campus). Ae maconherada porque não vão fazer passeata contar a corrupção que é um cancer para o Brasil. A é fumar maconha deve ser mais legal………..A policia tem que tirar esses vagabundos na porrada e faze-los pagar pelos denos causados no campus, pois a USP é um Patrimônio Público. Contribuimos atraves de impostos para esses babacas estudarem. Teem de ser JUBILADOS da USP.

  11. Antônio
    20 de junho de 2011 às 2:57

    Encarem uma verdade que vcs nunca quiseram ver, proibicionistas. Existem drogas leves, a exemplo da maconha e drogas pesadas, a exemplo da cocaína. Jogando o maconheiro para o traficante, estará o jogando a quem o aliciará ao uso destas drogas pesadas. Proibicionistas e traficantes estão do mesmo lado na destruição de vidas e famílias.

  12. Antônio
    20 de junho de 2011 às 2:36

    Sabem, existem inúmeros países onde a repressão penaliza os traficantes com a morte. E mesmo assim, continuamente, dia após dia e com mais e mais investimento na repressão, o consumo aumenta. É uma guerra de enxugar gelo. E o que se busca é exatamente uma alternativa a esta estratégia falida. Uma legislação não deve se restringir apenas a ter uma base moral. Isto é muito pouco. Ela tem que ser, também, inteligente. O que buscamos é uma legislação alternativa, inteligente, que mostre muito mais eficácia e adaptada ao nosso contexto, assim como as que temos na Espanha e em Portugal. Se não der 100% certo, que façamos como a Holanda, que agora está aparando as arestas da lei. Mas , mesmo com esta lei ainda não 100% que há na Holanda, a política de drogas deles melhorou muito em relação ao proibicionismo utópico. Pelo menos para os cidadãos de lá, que se vêem a cada dia em menor contato com as ditas Drogas pesadas. Como exemplo, a redução pela metade de cidadãos Holandeses dependentes de heroína.

  13. juliano
    19 de junho de 2011 às 20:20

    Durante várias décadas, a publicidade proibicionista vigorou. Até hoje vigora. Publicidade esta, vale ressaltar, financiada pela indústria do alcool, pela indústria farmacêutica, pela indústria tabagista e pelo dinheiro público. Todos estes, incluindo políticos e juízes corrompidos por chefões do tráfico, saem lucrando de algum modo com a probibição/demonização da maconha. Não digo que a propaganda tenha sido de toda ruim. É necessário conscientizar as pessoas dos riscos inerentes às drogas. Porém, deve ser dito, a publicidade foi mentirosa em alguns pontos, gerando preconceito e desinformação. Infelizmente, como tal publicidade atingiu diversas gerações desde a infância, estas mentiras evoluiram como uma bola de neve em toda a sociedade, ficando enraizadas nos corações e mentes principalmente das pessoas com tendências conservadoras, às quais fogem de qualquer discussão de valores arraigados como o diabo foge da cruz. As mentiras pregadas pela propaganda falaciosa seguem abaixo:

    1-Não diferenciaram drogas pesadas de drogas leves. Colocaram a maconha como sendo tão nociva quanto outras drogas ilícitas, quando na verdade ela é MUITO menos nociva até mesmo do drogas lícitas, tais quais o Alcool e o Cigarro;

    2-Justificam a proibição da maconha com uma demagoga proteção à saúde, quando na verdade ela foi proibida por motivos econômicos e racistas;

    3-Não dizem, para efeito de redução de danos, que a pessoa pode a usar de diferentes meios, desde a ingestão misturada em receitas culinárias, passando pela vaporização e pílulas, até o fumo (carburação) propriamente dito;

    4-Associaram a Cannabis à violência de comportamento, quando na verdade ela é tida como uma droga que leva o sujeito a um estado de serenidade, diferentemente do Alcool;

    5-Esconderam, também, que os efeitos sobre a memória instantânea só ocorrem enquanto vc está sob efeito da erva;

    6-Disseram que a maconha é a porta de entrada para as outras drogas. Isto é uma mentira explícita. Quem oferece as demais drogas ao usuário é justamente o traficante, que não respeita nenhuma regulamentação legal e que hoje em dia possui monopólio no comércio da maconha;

    Então, jrg, não é difícil ver nas suas palavras certo reflexo do que sempre pregou tal propaganda proibicionista às vezes tão falaciosa.

    Quanto à questão do tráfico, gosto de recorrer à época em que os E.U.A proíbiram bebidas alcólicas(Lei Seca). Neste tempo, como havia grande lucro no tráfico de bebidas alcoolicas, surgiram Gangsters sanguinários e criminosos como Al Capone. Hoje, com a proibição da maconha, há traficantes sanguinários e perigosos, de forma análoga ao que ocorreu nos E.U.A na época da lei seca. Pois, se regularem/legalizarem, o tráfico de maconha, que é a droga mais usada no Brasil e no mundo, não será um mercado tão rentável quanto é hoje para os traficantes, já que eles terão grande concorrência. Não será mais um monopólio, onde o comerciante/traficante não respeita nenhum dispositivo legal. E isto influenciará, diretamente, na qualidade da maconha vendida, que atualmente é misturada com sabe-se lá o quê. É válido dizer que existe a possibilidade da lei contemplar o cultivo para auto-sustento, cultivo este que, hoje em dia, é feito por muitos usuários de forma clandestina, com iluminação artificial. Fora que, em tal situação de uma legalização/regulamentação, a maioria esmagadora de usuários não tem contato direto com o traficante, que é quem poderia oferecer drogas realmente pesadas ao consumidor. Haverá mercado paralelo, ilegal? Sim, haverá, mas será diferente do tráfico que temos hoje na questão da violência. Na pior das hipóteses, será como o contrabando de cigarros e de CDs piratas. E isto, vale dizer, é mais fácil de controlar com o bom uso da política de impostos a ser empregada pelo governo. Então, reflita bem e não demonize tanto uma planta. Busque conhecer mais sobre ela e toda a polêmica que a envolve antes de demonizá-la. Seguem alguns links sobre o relatório da OMS(Organização Mundial da Saúde) a respeito da cannabis e outro exclusivamente a respeito da própria:

    h ttp://news.bbc.co.uk/2/hi/science/nature/58013.stm

    h ttp://www.midiaindependente.org/pt/red/2003/11/267313.shtml

    h ttp://super.abril.com.br/saude/tras-cortina-fumaca-437467.shtml (ano de 1998)

    h ttp://super.abril.com.br/superarquivo/2002/conteudo_120586.shtml (ano 2002)

    Lembrando que maior parte destas matérias são de editorais de linhas mais independentes, com menos alcance ao público e, por isto, menos foco de interesses nefastos de entidades que possam ter interesse no assunto.

    P.S.: Torturra, apaga os comentários anteriores a este, que o texto possuía imprecisões.

    • jrg
      22 de junho de 2011 às 11:43

      Caro Juliano, nem tudo que se escreve temos que acreditar. Devemos ler e muito absorver o contexto e filtrar, raciocinar em cima das informações, ponderar o que é boa informação ou só sensacionalismo do momento. No seu comentário vc comprou a idéia citada nos links. Temos que pensar que aqui é Brasil, não Europa. Aqui o governo é incompetente, o povo é ignorante e a corrupção está em toda parte, não daria certo. Alcool acaba com seu fígado, intestino, cigarro acaba com seu pulmão e maconha acaba com seu cérebro podendo levar a uma insanidade sem o controle de seua atos, podendo ocasionar violência, crimes e etc. O alcool faz também? Sim faz, mas só quando o indivíduo está embreagado. Os danos mentais da maconha não. Estude mais a respeito. O mais interessante é que as pessoas usam dos mais variado subterfúgios para defender o seu vício.

      • Danilo
        22 de junho de 2011 às 15:30

        Concordo em quase tudo o que disse, com excecao de que o alcool nao causa danos a saude, somente o individuo esta bebado. Esta mais do que provado, que assim como a maconha, o alcool gera disturbios mentais se utilizado em excesso, causando ao individuo sequelas cerebrais irreparaveis, fora o dano por overdose. Mas de fato, aqui nao eh Europa, nao temos a mesma mentalidade, nao daria certo, e outra, se querem saber, acho que a Europa se equivoca liberando a maconha, os resultados sao ficticios, querem tamber eh virar as costas para um problema de sociedade que se resolve legalizando a substancia.

      • Natasha
        22 de junho de 2011 às 17:52

        O álcool só faz mal enquanto o indivíduo está embriagado?! Vc já ouviu falar de cirrose? Demência alcóolica? Síndrome de Korsakoff? De gente perdendo o fígado devido ao uso contínuo da bebida?

      • contemplador
        2 de agosto de 2011 às 0:57

        Melhor comprar as idéias de cientistas que estudaram durante décadas a natureza farmacológica da planta e seus efeitos sobre o organismo do que comprar as idéias dos políticos que simplesmente a proibiram e a demonizaram através das propagandas proibicionistas também durante décadas…. Tudo por interesses nefastos. Mas quem diz isto não sou eu, mas historiadores, cientistas políticos e juristas. Também não é muito bom comprar a idéia do pastor da sua igreja. Bom… aqui cabe esclarecer um ponto em que pastores e políticos são muito parecidos: a política do terror aliada ao paternalismo, com um discurso extremamente demagogo. Proibe-se uma coisa, reafirmando o quão nefasta e destruidora é ela, mesmo que ela não seja. Assim, o que era para ser visto como uma forma de controle, uma castração de direitos e do usufruto das liberdades individuais, começa a ser visto como necessário. Deste modo os absurdos são revestidos com uma túnica de “proteção às criancinhas e à família” e são aprovados pela população que não quer questionar, quer apenas obedecer… É criado artificialmente um grande problema e te vendem uma solução. Estude mais sobre o assunto. Verá que esta discussão não é “coisa do momento”. E verá que não são um ou dois neuroscientistas que apoiam a causa, mas dezenas de milhares de estudiosos no decorrer dos anos e em diversos campos, inclusive nos vários campos das ciências humanas. No mais, a natureza já legalizou. Existem algumas discussões que são tão óbvias que sequer deveriam estar sendo discutidas. Mas, ao mesmo tempo, existem pessoas que são tão acomodadas em sua visão restrita que sequer são capazes de perceber obviedades. Então, caro amigo, a única coisa que te aconselho é que o Sr. acorde pra vida. Está um tanto quanto óbvio que o Sr sequer se deu ao trabalho de ter como base de referência qualquer estudo que tenha o mínimo de solidez plausível. Deve estar baseado no que as pessoas da sua igreja fala ou no que os panfletos das propagandas proibicionista tanto espalham. E se acha o bem informado… Infelizmente, num sistema social, a ignorância dos néscios trespassa a fronteira do dano pessoal…

  14. juliano
    19 de junho de 2011 às 20:06

    Durante várias décadas, a publicidade proibicionista vigorou. Até hoje vigora. Publicidade esta, vale ressaltar, financiada pela indústria do alcool, pela indústria farmacêutica, pela indústria tabagista e pelo dinheiro público. Todos estes, incluindo políticos e juízes corrompidos por chefões do tráfico, saem lucrando de algum modo com a probibição/demonização da maconha. Não digo que a propaganda tenha sido de toda ruim. É necessário conscientizar as pessoas dos riscos inerentes às drogas. Porém, deve ser dito, a publicidade foi mentirosa em alguns pontos, gerando preconceito e desinformação. Infelizmente, como tal publicidade atingiu diversas gerações desde a infância, estas mentiras evoluiram como uma bola de neve em toda a sociedade, ficando enraizadas nos corações e mentes principalmente das pessoas com tendências conservadoras, às quais fogem de qualquer discussão de valores arraigados como o diabo foge da cruz. As mentiras pregadas pela propaganda falaciosa seguem abaixo:

    1-Não diferenciaram drogas pesadas de drogas leves. Colocaram a maconha como sendo tão nociva quanto outras drogas ilícitas, quando na verdade ela é MUITO menos nociva até mesmo do drogas lícitas, tais quais o Alcool e o Cigarro;

    2-Justificam a proibição da maconha com uma demagoga proteção à saúde, quando na verdade ela foi proibida por motivos econômicos e racistas;

    3-Não dizem, para efeito de redução de danos, que a pessoa pode a usar de diferentes meios, desde a ingestão misturada em receitas culinárias, passando pela vaporização e pílulas, até o fumo (carburação) propriamente dito;

    4-Associaram a Cannabis à violência de comportamento, quando na verdade ela é tida como uma droga que leva o sujeito a um estado de serenidade, diferentemente do Alcool;

    5-Esconderam, também, que os efeitos sobre a memória instantânea só ocorrem enquanto vc está sob efeito da erva;

    6-Disseram que a maconha é a porta de entrada para as outras drogas. Isto é uma mentira explícita. Quem oferece as demais drogas ao usuário é justamente o traficante, que não respeita nenhuma regulamentação legal e que hoje em dia possui monopólio no comércio da maconha;

    Então, jrg, não é difícil ver nas suas palavras certo reflexo do que sempre pregou tal propaganda proibicionista às vezes tão falaciosa.

    Quanto à questão do tráfico, gosto de recorrer à época em que os E.U.A proíbiram bebidas alcólicas(Lei Seca). Neste tempo, como havia grande lucro no tráfico de bebidas alcoolicas, surgiram Gangsters sanguinários e criminosos como Al Capone. Hoje, com a proibição da maconha, há traficantes sanguinários e perigosos, de forma análoga ao que ocorreu nos E.U.A na época da lei seca. Pois, se regularem/legalizarem, o tráfico de maconha, que é a droga mais usada no Brasil e no mundo, não será um mercado tão rentável quanto é hoje para os traficantes, já que eles terão grande concorrência. Não será mais um monopólio, onde o comerciante/traficante não respeita nenhum dispositivo legal. E isto influenciará, diretamente, na qualidade da maconha vendida, que atualmente é misturada com sabe-se lá o quê. É válido dizer que existe a possibilidade da lei contemplar o cultivo para auto-sustento, cultivo este que, hoje em dia, é feito por muitos usuários de forma clandestina, com iluminação artificial. Fora que, em tal situação de uma legalização/regulamentação, a maioria esmagadora de usuários não tem contato direto com o traficante, que é quem poderia oferecer drogas realmente pesadas ao consumidor. Haverá mercado paralelo, ilegal? Sim, haverá, mas será diferente do tráfico que temos hoje na questão da violência. Na pior das hipóteses, será como o contrabando de cigarros e de CDs piratas. E isto, vale dizer, é mais fácil de controlar com o bom uso de políticas de impostos a serem empregada pelo governo. Então, reflita bem e não demonize tanto uma planta. Busque conhecer mais sobre ela e toda a polêmica que a envolve antes de demonizá-la. Seguem dois links sobre o relatório da OMS(Organização Mundial da Saúde) a respeito da cannabis:

    h ttp://news.bbc.co.uk/2/hi/science/nature/58013.stm

    h ttp://www.midiaindependente.org/pt/red/2003/11/267313.shtml

    h ttp://super.abril.com.br/saude/tras-cortina-fumaca-437467.shtml (ano de 1998)

    h ttp://super.abril.com.br/superarquivo/2002/conteudo_120586.shtml (ano 2002)

    Lembrando que maior parte destas matérias são de editorais de linhas mais independentes, com menos alcance ao público e, por isto, menos foco de interesses nefastos de entidades que possam ter interesse no assunto.

  15. jrg
    16 de junho de 2011 às 17:45

    Parabéns a manifestação foi autorizada pelos nossos politicos de merda. Agora poderão fazer passeatas a vontade, soltar a fumação da maconha na cara dos policiais, só para provocar e mostrar que “ganhamos a batalha, vcs não podem encostar na gente”, que ridiculo. Porque não se faz uma passeata para a liberação da cocaina, crack, LSD e etc, afinal como muitos postaram iria diminuir com o tráfico de drogas e também seria uma liberdade de expressão. Se fumar maconha, hoje, é contar a lei então vamos radicalizar, vamos fazer passeatas para que outro crime como o estupro seja liberado, pois como tem pessoas com essa necessidade e temos que respeitar a opinião alheia, vamos fazer passeata contra outo crime, afinal de contas seria exercer a liberdade de expressão. É uma total inversão de valores. Temos que acordar, enchergar mais alem, os restantes dos brasileiro (a grande maioria) não são como as pessoas com uma certa educação e cultura que postam aqui. Com a liberação da maconha, na minha opinião, pode haver maiores delitos por marginais drogado que usam desse artifício para obter coragem e muitas vezes acabam cometendo crimes por estarem “muito doido”, o tráfico irá continuar (um mercado negro paralelo), não haverá fiscalização (o governo não consegue fiscalizar nem a gasolina nos posto, vai querer fiscalizar a maconha), irá surgir uma maconha incorporadas por drogas que viciam mais (para o deleite dos traficantes/comerciantes). Como já disse o povo brasileiro não tem educação, cultura e nem preparo para tal liberdade. Liberar a maconha como medicamento extraindo seu princípio ativo tudo bem. Agora para ficar doidão e para muitos fazem merda por ai, sou contra! Como já disse a mairia dos brasileiro não tem esse discernimento vai ser uma zona. E quem tem a pseudo preocupação que com a liberação da maconha diminuiria o dinheiro para o narcotráfico, então tome uma atitude, pare de fumar maconha agora!!!

    • Cherry Candy
      16 de junho de 2011 às 19:27

      O mais engraçado de tudo é q nunca vi ninguém fazendo merda estando chapado de maconha… se vc perguntar pra alguém q use com certeza vai ouvir q ela dá sensação de relaxamento e não de euforia, diferente de drogas como crack, cocaína, ecstasy, etc…
      Ps.: Ñ sou usuária, antes q me pergunte.

      • Danilo
        17 de junho de 2011 às 2:59

        Claro que voce nao viu, tava maconhado. Legal, a marcha foi autorizada, 1 a 0 para vocês maconheiros, agora vou te contar o porquê o governo está começando a entrar nesta onda, como você disse, nunca viu nada errado sendo feito por alguem que estava maconhado (por estar maconhado). Entao eu te digo: o governo quer tratar a maconha como uma questao de saude publica, e para isso eles tem que reconhecer de alguma forma que existem “doentes ” como você e tantos outros que fumam esta “droga”. E com isso estabelecer uma política de combate a proliferação do uso deste entorpecente.

        Não é que vocês ganharam a briga não, vagabundos, ela está só começando.

        Daqui ha alguns anos, quando a minha ong for visitar dependentes quimicos em clinicas de recuoeracao, eu vou adorar dar assistencia a voces, bando de drogados!!!!!

        Denovo, merecem PORRADA!!!

        • jrg
          17 de junho de 2011 às 17:24

          É isso ai Danilo, tem gente que não pensa grande, no global, se tem a visão do seu umbigo, achando que todo o mundo age igual a ele.

      • jrg
        17 de junho de 2011 às 17:33

        Que bom que vc não é usuária espero que continue assim. Como já falei o mundo é bem maior que a visão que temos do nosso umbigo. Tenho contatos com vários oficiais da PM principalmente da ROTA, onde eles comentam que a grande maioria dos delitos e crimes, o bandido estrava drogado com cocaina, crack e também MACONHA. Cometer um crime drogado muitas vezes não é para estar “pilhado”, euforico, mas sim para ter corage para comete-lo estando fora da realidade com sua percepção alterada.

  16. Debatedor
    13 de junho de 2011 às 11:59

    E como debater se mesmo dizer que vc é a favor pode acabar sendo interpretado como crime¹ de apologia? Esta legislação é muito ditatorial. Regime absolutamente totalitário.

    ¹Crime a menos que vc seja uma personalidade pública como o FHC. Afinal, nesta condição sua voz tem bem menos alcance ao público e vc deve ter bem menos influência sobre as demais pessoas…¬¬

  17. Aquele que brilha
    6 de junho de 2011 às 0:30

    Verdade que não acabaria com o tráfico. Mas certo que, devido à diminuição do preço em decorrência da concorrência com o plantio caseiro/coperativo/comercial, iria diminuir substancialmente a rentabilidade para toda a rede de criminosos do tráfico. Então fica a questão: será que eles fariam tudo que fazem para ganhar muito menos? E mais: maconha não é como cigarro, onde muitas pessoas conseguem(e algumas até precisam) facilmente fumar maços por dia…Ou seja, o cultivo caseiro é razoavelmente viável, diferentemente do tabaco.

  18. Tarja Verde
    5 de junho de 2011 às 17:37

    Atitudes como a do vereador baiano que assumiu usar maconha há décadas é que são importantes. Parece pouco. Sei. Mas isto é a história de um maconheiro saindo do armário. Esconder, em alguns casos, é o mesmo que assumir que está fazendo algo ruim, do qual deve se envergonhar. Devemos ter orgulho disto. E acredito que, quantos mais de nós assumirmos para as pessoas próximas de nós que fumamos e amamos a erva, menos ela será demonizada e mais comum ela se tornará ao cotidiano de todos. É como o esclarecimento da verdade. É mostrar à sociedade que a maconha é uma realidade mais comum e menos nociva do que ela imagina. Assim a idéia se torna mais aceita. Vejam bem, não estou dizendo pra vc mostrar a sua plantação par alguém que possa te denunciar. Tampouco falo que é pra vc falar pro fofoqueiro do seu serviço que vc adora uma macoinha. Digo, isto sim, que é para falarmos para nossos pais, irmãos, esposas, flhos e amigos que fumamos. Inclusive fumarmos com eles podendo ver o ato(de longe, para não os “incomodarmos” com a fumaça). Temos que ajudar as pessoas no exercício da tolerância. E quem mais disposto a exercitá-la em relação a nós do que aqueles que supostamente nos amam? E, se demostrarem interesse, por que não compartilhar com eles um pouco desta paz e alegria? Claro, é preciso saber lidar com eventuais perdas. Sempre lembrando que “quem não estiver preparado para perder o irrelevante, não estará apto para conquistar o fundamental”. E também cabe o adendo de que, se vc perder alguns destes laços pelo simples preconceito que os demais alimentam em relação à erva, é hora de vc questionar se estas relações eram tão relevantes assim para ambas as partes… Também temos muito material de qualidade na internet que respalda e embasa nossas decisões. Podemos mostrá-los às pessoas próximas a nós. Amar também é educar. E isto é válido, principalmente, pra quem já tem sua autonomia financeira. Na verdade, para aqueles que não querem viver de hipocrisia, é quase uma obrigação de consciência. Que seja decretado o dia internacional do orgulho maconheiro. Que criemos termos legais como “tendências ervoafetivas” e afins. No mais, paz, amor e alegria a todos nós.

    Quem quiser copiar o texto acima em qualquer site que seja, sinta-se à vontade. Sequer é preciso colocar como citação. Ficaria até muito feliz de o ver em algum outro lugar.

  19. Elmar Fonseca
    5 de junho de 2011 às 13:16

    Sabem, não gosto do FHC, mas reconheço a importância dele neste momento para esta causa. Porém, muita gente descredita a opinião dele devido a fatores políticos e ao fato do seu governo ter sido consideravelmente questionável(por muitos, não por todos). Pois bem, então aí vai a opinião pública de outra figura pública de peso a respeito da questão: http://www.youtube.com/watch?v=MqJnG-syr1U&feature=related

    • Danilo
      5 de junho de 2011 às 23:59

      Eh SOMENTE POR IDIOTAS COMO VOCE que o FHC diz que eh a favor da maconha, para ganhar um publico grande de adeptos a ele. Isso ai, vota nele e em todos os outros politicos que dizem que sao maconheiros iguais a voces!

      Usar o voto com sabedoria ajuda as vezes, portanto voce em quem eh a favor da maconha! Faz um favor vai… Coloca o hino nacional no seu ipod falso da Santa Ifigenia e tenta decorar, depois disso venha falar de politica!

      • Elmar Fonseca
        6 de junho de 2011 às 0:40

        Se todo aquele que não concorda contigo é “idiota”, significa então que estou discutindo com um dono da verdade. E uma discussão com um dono da verdade é uma discussão perdida. Portanto, recolho-me à minha insignificância e me absterei de discutir com uma pessoa tão “esclarecida” como vc.

        P.S.: Acho que todos nós aqui sabemos que vc é apenas um TROLL querendo atenção.

        • Danilo
          6 de junho de 2011 às 23:45

          Ueh, ja virou bagunca mesmo! Nao? Falar de liberacao da maconha para mim agora eh piada, quando inicialmente vi este forum aqui, fiquei enijecido moralmente e muito decepcionado com tamanha insignificancia e podridao que um ser humano pode chegar! Mas agora, vi que voces nao sabem o que estao fazendo/falando/querendo, e nem tampouco vou mudar a cabeca de voces, mas como ja disse, a democracia tambem permite que eu me expresse, e eu me expresso dizendo:

          “HEY, MACONHEIROS, VAO TOMAR NO &%$!”

          Se eu fosse policial (se eu fosse… rs) metia bala de borracha mesmo era na boca de cada um, pra ver o quanto doi usar a boca para fins indevidos, como por exemplo, clamar a desordem, clamar a trangressao da lei, e…

          FUMAR DROGA!

          • Cherry Candy
            7 de junho de 2011 às 18:23

            Daniel, é justamente por causa de pessoas como vc que o mundo ñ vai pra frente. Acham que tudo tem que ser resolvido na base da violência.
            E realmente sinto um alívio imenso por vc ñ ser policial, pois são justamente esses que descem a porrada nas pessoas que são os primeiros a fraquejar quando aparece alguém querendo enfiar míseros R$500,00 no bolso deles.
            E usando as suas próprias palavras: “muito decepcionada com tamanha insignificancia e podridao que um ser humano pode chegar!” Pois quando ñ tem argumentos passa para agressão verbal.

            • Danilo
              8 de junho de 2011 às 17:36

              Pra comecar a falar comigo aprenda a ler e veja que meu nome nao eh este que voce digitou.

              Falta de argumentos, cansei de tece-los aqui, vi que o que voces merecem eh PAU mesmo! Nao tem jeito, a sociedade confunde liberdade de expressao com impunidade, sao coisas totalmente diferentes querido. Leia a lei, voces transgrediram a lei, e por isso a policia interveio e desceu o cacete em voces! TAH CERTO!! Como eu disse e nao cansarei de dizer, abrir espaco para a discussao da liberacao da maconha implica em manifestar-se a favor a dela, que eh crime, e ponto! Entao o errado aqui, ate que a lei mude, SAO VOCES!

              Ah, voce tambem eh maconheiro?

              • Natasha Avital
                8 de junho de 2011 às 20:13

                Ao jogar suas bombas de efeito moral em cima dos manifestantes que não estavam ”praticando crimes” e em cima da população inocente que simplesmente estava na rua naquele momento, a polícia cometeu crime de lesão corporal. Até que a lei mude, Danilo, quem está errada É A POLÍCIA! Os policiais que vc tanto está defendendo, aos olhos da lei, são bandidos. Se vc tivesse um mínimo de coerência, estaria defendendo que eles respondam pelo que fizeram (e, talvez, até levem porrada de outros policiais, já que vc acha que é isso que tem que acontecer com qualquer um que desrespeita a lei). Ou vc apoia bandidos desde que eles concordem com vc?

                • Danilo
                  8 de junho de 2011 às 20:33

                  Eu nao sou a favor da policia, se quer saber tambem acho que sao bandidos e facilitadores do tráfico, mas isto é assunto para outro fórum, outra discussão. O que importa é que naquele dia eles cumpriram com a missão que lhes foi dada: reestabelecer a ordem. A polícia nao cometeu nenhum crime, quem cometeu foram os manifestantes, e portanto a culpa de os policiais terem machucado os inocentes é total sua que apóia esse movimento e de quem estava lá naquele dia. Portanto Mais um motivo pra provar que vocês não sabem nem o que estão causando a si mesmos, menos ainda à sociedade.

                  Repoto: quer fumar maconha, vá fazer isso na sua casa, ou em algum lugar onde todos aceitem isso. Se fumar maconha do meu lado quando a minha filha estiver comigo, vai ter nóia peidando maconha por ai.

                  • Natasha
                    9 de junho de 2011 às 20:52

                    É….pq, pra ”reestabelecer a ordem”, precisava jogar bomba de gás lacrimogênio pro lado onde nem manifestante tinha né?

                    E vou repetir, bem devagarinho, com as menores palavras possíveis, pq eu sei que vc é lento: Eu……..não…….fumo…..maconha. Deu pra entender agora?

                    • Cherry Candy
                      10 de junho de 2011 às 12:32

                      Danilinho querido, o nome é o de menos, o que importa é o contexto. E afirmo mais uma vez que nem você sabe o que diz… só bate na mesma tecla. Outra coisa, se vc tivesse lido os posts abaixo, teria visto q eu respondi à sua pergunta dizendo que EU NÃO FUMO MACONHA, mas nada me impede de defender quem quer consumir, afinal, alcool e tabaco são muito mais nocivos que maconha, fora outras drogas que vc encontra facilmente na farmácia que quando misturadas ao alcool dão efeitos alucinógenos, E PRA SABER EU NÃO PRECISO USAR, já esclarecendo antes que vc queira procurar cabelo em ovo.
                      Outro motivo pelo qual eu digo que vc se contradiz é pq não leu o texto do Bruno direito, se tivesse lido, teria visto que os próprios manifestantes estavam alertando o pessoal pra não fumar ali. A marcha era pacífica, não tem justificativa o que a polícia fez, fora que outras pessoas que estavam fora da marcha foram envolvidas.
                      Ah… já que vc ñ quer que sua filha veja alguém fumando maconha, cubra os olhos dela qdo passar ao lado de um bar, pois lá terão pessoas bebendo alcool e fumando cigarro, q por sinal tbm é droga. Eu espero do fundo do meu coração que sua filha quando crescer continue vivendo nesse mundinho cor de rosa que vc pinta pra ela.
                      Natasha, não adianta discutir com cabeça dura. Deixa ele batendo na mesma tecla. Parece um papagaio que só sabe repetir a mesma coisa e se contradiz o tempo todo. Se vc olhar um pouco mais abaixo, ele diz que não é extremista, porém é a favor da violência, se isso não é ser extremo, então eu não sei oq é. Outra coisa, aposto que ele era um daqueles carecas metidos a nazistinhas que estavam lá pregando a falsa moral deles, aliás tão falsa qto uma nota de R$3,00.
                      Aliás, vou parar de responder esse aí, afinal gente sem argumento sempre apela para violência e a agressão verbal.

  20. Guilherme Daldin
    1 de junho de 2011 às 17:05

    Texto fantástico. Bom se a imprensa se nivelasse em uma prosa como a sua, não só “ideológicamente”, mas em questão de escrita mesmo. Quanto a legalização, porra sem palavras… É hora de ir pra cima, nazista nenhum, policial nenhum, presidente nenhum, é mais forte que a mopbilização popular. Basta vencermos a demagogia, mas pra isso é preciso vencer os entraves morais dos próprios simpatizantes da causa e a imaturidade de muitos que abrem a boca para defender a legalização. Parabéns, bom texto. ótima visão e força à todos nós!

  21. Androcles
    30 de maio de 2011 às 18:16

    Hey, eu sou um dos covardes q deixou o pais anos atras porque achei q não existiam pessoas q se quer entendiam o que democracia significava, mais fico feliz Qnd leio algo como o que vc escreveu, pois isso me faz ter esperança no q diz respeito ao Brasil me faz perceber q nem todos brasileiros são fantoches!!!

  22. Danilo
    30 de maio de 2011 às 15:08

    Isso sim eh justica… hahahahahahahahahahaahahahahahahahahahahahahhaha

  23. Saviano Abreu
    29 de maio de 2011 às 22:39

    Bom saber que ainda existem jornalistas como vc no Brasil. Estou cada dia mais assustado com as coisas que andam acontecendo no nosso país..

  24. NAO INTERESSA FATO!
    29 de maio de 2011 às 20:09

    QUANTO RETARDADO JUNTO

  25. 28 de maio de 2011 às 2:37

    Primeiramente quero parabenizá-lo pelo texto.
    Eu não fumo maconha, nunca fumei e não tenho curiosidade de experimentar. Também nunca fumei cigarro “convencional” e não bebo bebidas alcóolicas. Opções minhas, eu tenho uma linha de raciocínio que me leva a tomar essas decisões. A questão é que todos tem direito de chegar as suas próprias conclusões e consequentes atitudes. Cada um tem o potencial de pensar por si mesmo.Alguns possivelmente não possuem condições suficientes para desenvolver uma linha de raciocínio de forma mais relevante (não que a minha seja, mas estou satisfeito com meu jeito de pensar, mesmo que,claro,queira sempre ir aperfeiçoando-o). Não os uso, porque acho que certas experiências ou sensações não acrescentariam nada para mim,acho que usar algo apenas por uma sensação de prazer momentâneo, ou relaxamento, assim como uma terapia, ou remédio,ou por mero vínculo social, cria uma dependência( não estou dizendo vício, mas algo que seu corpo se “acostuma”, seu corpo se adapta a querer isso).Não estou condenando, afinal também temos escolhas por prazer em comidas, hobbies, manias, sexo.. etc. Enfim, em minha concepção, é algo leviano, ou até meio chato, fumar pra ficar chapado, beber pra ficar bêbado, fumar por uma postura ou vínculo social. Isso é o que EU acho.
    Mas como disse Volaire “Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las.”
    Ou seja, não gosto muito da ideia de usar substâncias não essenciais para sensações, prazer “extra” sensorial. Mas ainda sim acho que cada um tem seus pensamentos, e que sabe o que querpra si, se quer essas sensações por exemplo. Cada um é livre pra tomar a atitude que quiser. Mas estamos em sociedade, e cada ser é individual, e merece ter sua própria vontade, logo estamos livres pra fazer o que quiser, desde que nãoviole o direito de outro ser o tê-lo.
    Então se um grupo de indivíduos, faz uma marcha pra reivindicar algo, eles tem total direito de expressão. Não é uma apologia a violência ou ao racismo ou ao preconceito, logo não está ferindo o direito individual dos outros. Apologia as drogas? Acho que não. É uma manifestação pelo direito de usar maconha e não uma propaganda de que você deve fumá-la.
    A atitude da Polícia, ou melhor, de quem os mandou, é rídicula! Eles contiveram a marcha como se fosse um exército inimigo. Não tinha necessidade alguma daquilo.
    Disseram que sempre quem esta desarmado que “perde”,isso é verdade, mas e se tivesse armados? E se tivessem a “lei” a favor da reação? Reagiriam? E tornariam sempre nesse círculo de ódio e violência? Cada um sempre vai olhar seu lado, sempre vai se cegar na sua visão. É preciso ir além. Mas é fácil falar, alguém me diria. Realmente é. Porque é difícil mudar alguma coisaonde um regime, um sistema com poder já está instituído. Não há recursos legais pra você bater de frente com eles, afinal, eles fazem a lei. E se a Lei é o que tomamos como “certo” como mudar isso sem ser taxado como ruim, errado? E eles agem assim com uma mera passeata? Não era nenhuma revolução armada.O que o sistema quer que façamos pra reividicar um direito nosso? Se pacificamente, se de modo a expor uma opinão eles reprimem dessa forma sem abrir espaço para uma discução.

    Eu defendo aliberdade de expressão.

    E se alcóol, cigarro, remédios são liberados, que possem efeitos no corpo e em alguns casos na mente de forma tão mais nociva, porque então proibir o uso da maconha? É claro que tem algum interesse deles nisso, afinal se não dessem tanta importância, não iriam reprimir a marcha tão severamente como foi.Esse fato só foi uma demontração de algo maior, não tem nada a ver com maconha ou outra coisa, tem a ver com o sistema e jogo de interesses de quem possui o poder. E nós, como “operários”, como “ferramentas” movemos esse sistema “involuntariamente”, somos os alicerces, mas se não fizermos isso, como vamos sobreviver?

    Essa é aponta do iceberg, algo de uma questão mais profunda.
    Acho que em vez de ilegalizar essas substâncias, devia-se voltar-se na educação de qualidade, quando digo de qualidade, nãosomente aperfeiçoar, equipamentos, capacitar professores…claro isso também, mas rever o modo de aprendizado, não aquele sistema “fordista” enlatado em matérias separadas, assuntos, avaliado com provas e trabalhos., um modo que incentive um pensamento crítico,um modo aplicado das coisas, um modoque dê repertório, dê qualidade de aprendizado, que ai, com certeza maconha ou qualquer outra substância, seja alcool, cigarro, nãoserá um problema,porque cada pessoa vai estar preparada para pensar e saber se vai fazer uso disso ou não, e se decidir usar, vai saber ponderar e administrar os momentos certos para consumir, a quantidade, a frequência. É preciso formar, é preciso dispor educação de qualidade para que a formação dos cidadões seja digna de fazer suas escolhas de forma que não prejudique a si mesmo e aos outros.
    Claro, não é fácil, e idealizado demais, mas podemos fazer um esforço pra tentar mudar, pra tentar progredir, porque oq ue parece é que quanto mais tempo se fica nisso, mais dificil de mudar.

  26. gsus
    26 de maio de 2011 às 20:37

    Acho que na proxima marcha deveriamos simplismente marchar, todos de verde, om uma fita na boca e as maos amarradas, para simbolizar o que de real acontece nesse pais, sem ter possiveis argumentos contra!

  27. 26 de maio de 2011 às 20:27

    Ótimo texto! Faz com que possamos refletir sobre nossos direitos e responsabilidades, e pra que rumo foi parar o proibicionismo radical e sem bases científicas… Cada dia mais estamos prejudicando noso cidadãos quem nada tem haver com tudo isso… Maconha é muito mais do que um simples droga proibida, tem muito haver com a violência e corrupção desse país, que move uma economia paralela com o tráfico, ouvimos todos os dias noticias sobre apreenções e prisões mais não nos damos conta que todos problemas devem ser resolvidos pela raiz da questão. Quem são os verdadeiros beneficiados com a proibição? Quem são os verdadeiros bandidos? Até que ponto devemos tolerar as leis que regem nossas vidas!! Não podemos nos calar! Não podemos desistir! Reflitam também sobre o seu futuro, e o quanto isso poderá fazer diferença algum dia…

  28. Knox
    26 de maio de 2011 às 19:45

    Moro em Toronto e aqui (antes de comecar no Brasil) rola a Marcha em Marco (sem acentos, desculpem) ha alguns anos.
    Posso dizer que eh um evento totalmente pacifico e inclusive as pessoas fumam na rua, na frente da policia, que por sua vez naum faz nada, naum ha motivo pra fazer algo.
    Portanto penso que o problema eh cultural, naum politico ou juridico. Sim, mudar a lei eh um passo, mas muito maior seria mudar a consciencia das pessoas pra faze-las entender que naum ha nada demais em usar e muito menos em protestar. Isso vai ser dificil de ocorrer no Brasil.
    Detalhe ano passado houve um preso, adivinha?Tava bebado fazendo baderna na rua, rs. Bebida eh legalizada!Absurdo!

  29. Indignada!
    26 de maio de 2011 às 15:07

    A próxima marcha deveria ser feita com máscaras.

    OU

    Poderiam haver cartazes e gritos de “Trocamos a Maconha pelo Gás Lacrimogênio!”

    Quero só ver a repercussão disso!

    Voltamos à ditadura! Aliás, nunca saimos dela!
    Absurdooooooooo

  30. Ricardo Lanza
    26 de maio de 2011 às 15:00

    Excelente texto!

  31. Thiago
    26 de maio de 2011 às 12:53

    São essas pessoas os responsáveis por interpretar nossa constituição…dispensa comentários:

    Desembargador que proibiu Marcha da Maconha em SP foi condenado por agressão
    Teodomiro Mendez foi condenado por espancar um empreiteiro e um servente no interior da delegacia de polícia de Campos do Jordão

    Ricardo Galhardo, iG São Paulo | 23/05/2011 16:28

    O desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo Teodomiro Mendez, que na última sexta-feira proibiu a Marcha da Maconha alegando que a manifestação era uma desculpa para o uso público de drogas, foi condenado a quatro meses e 20 dias de prisão, em 1999, por ter espancado o empreiteiro Walter Francisco da Silva e o servente Benedito da Silva Filho no interior da delegacia de polícia de Campos do Jordão, em 1993.

  32. Paulo Jose
    26 de maio de 2011 às 12:26

    postei seu texto na comunidade do libertarios.
    http://www.facebook.com/sejaliber

  33. Rafa Energia
    26 de maio de 2011 às 2:33

    Resistência… Resistência… Nós, Recifenses, desejamos Resistências aos guerreiros paulistanos.

  34. Elmar Fonseca
    26 de maio de 2011 às 0:33

    Não querendo dar IBOPE, mas tenho certeza que certa pessoa aqui nesses comentários era um daqueles skinheads/ultra-nacionalistas/amantes de Hitler/neo-nazistas/evangélicos ou seja lá o que for que estavavam aplaudindo a Polícia. Aquele tipo de gente que não gosta de negros, gays e/ou nordestinos. Incapaz de tolerar o que considera diferente do padrão de conduta e aparência que sempre imbuíram como o “correto” em sua mente desde criança. E, pra aliviar tamanha frustração e ódio internos, querem destruir(inclusive através de covarde assassínio) tudo aquilo que consideram diferente. Afinal, acham-se mais do que no direito de proprietários da vida alheia por se considerarem “seres superiores”. Inclusive, são capazes de negarem suas próprias idiossincrasias para viverem e se alimentarem de mentiras utópicas que pregam determinada conduta/aparência como modelos a serem seguidos. Inclusive, adoram IMPOR este modelo aos demais. O maior prazer está nesta imposição. Oprimir é a palavra chave. Muitos, diga-se de passagem, vivem hipocritamente. Amam a hipocrisia. São o que se pode chamar de estátuas de bronze com os pés de barro. As suas bases não podem suportar a imagem que desejam passar. Afinal, é impossível que exista um modelo único de ser-humano qdo cada um de nós nasce com tantas particularidades irresistíveis. E, no fim das contas, imagem só imagem é. Na verdade, boa parte de vcs não passam de uns enrustidos. Inseguros por não se bastarem em sua própria natureza e, assim, precisarem de conceitos imbecis e falhos que os façam se sentir melhores. Conceitos estes que os prendem a uma miserável condição de conflito interno de impossível resolução. Sim, é isto o que vcs são: um poço de contradições cuja principal função é incomodar aqueles que apenas querem seguir suas próprias vidas em paz interior e com as demais pessoas.

    • Danilo
      30 de maio de 2011 às 15:00

      Seguinte o maconheiro! Sabe o unico problema da democracia que voce tanto defende??? Que nao soh voce, mas EU tambem tenho o direito de me expressar! ahhaha E enquanto a lei disser que EU estou certo, VOCE esta errado! Portanto maconheiro, se eu pudesse, mandava prender todos voces! hahahah Bando de desocupados!

      Soh para voce saber, sou contra a uniao de homossexuais, sou contra o extremismo (seja ele de qualquer natureza), sou contra a rede Globo, acho que a rede Globo na verdade nao passa de uma rede de televisao formadora de GAYS e LESBICAS, NAO SOU evangelico, nao tenho religiao nenhuma.

      A minha diferenca para voce: Eu estou dentro da lei! VOCE NAO! Portanto! Nao interessa, pode fazer quantas manifestacoes quiserem, podem se reunir ate na frente do predio da ONU! A Policia VAI SIM meter o cacete em voces! E eu vou assistir de pertinho, mais pertinho do que voces imaginam, gargalhando, demais! hahahha Sabe aquelas gargalhadas bem pomposas, entao, pior que elas ainda. E depois vou vir aqui neste blog ver os relatos dos MACONHEIROS que querem fumar em paz o seu cachimbinho! hahahahha COMEDIAS!!! TEM QUE LEVAR PAU MESMO!

      • Cherry Candy
        1 de junho de 2011 às 14:19

        Vc é um tremendo contra-censo isso sim! Você se contradiz o tempo todo! Como uma pessoa que diz NÃO ser extremista usa as seguintes frases:
        “E enquanto a lei disser que EU estou certo, VOCE esta errado! Portanto maconheiro, se eu pudesse, mandava prender todos voces!”
        e “TEM QUE LEVAR PAU MESMO!”
        Se isso é ser contra qualquer forma de extremismo, bom então eu não sei oq vc é…
        Se vc acha ser Gay e Lésbica extremismo, então ser hetero tbm é. Afinal ambos gostam de uma único gênero. No caso de gays homens, lésbicas mulheres e heteros o sexo oposto. Das duas uma, vc é bissexual enrustido ou assexuado! Ah é… ser assexuado acho q pra vc tbm é extremismo, de uma outra forma mas é, afinal ñ faz sexo.
        De td q vc falou, a única coisa q concordo EM PARTES é sobre a rede Globo, oq ñ é novidade pra mta gente, já que eles sempre pintam a história como bem entendem.
        Mas honey… presta atenção no que vc mesmo diz… é melhor vc assumir que é extremista do que dizer que ñ é e se contradizer com suas próprias palavras.

        • Danilo
          1 de junho de 2011 às 14:29

          Voce tambem eh maconheiro?

          • Cherry Candy
            6 de junho de 2011 às 14:06

            Pelo que andei vendo aqui nos posts, você nem mereceria resposta, mas como minha educação é diferente da sua, vou responder.
            Não, baby, não fumo maconha. Algum problema com isso também? Afinal você parece ser do tipo que adora procurar cabelo em ovo e chifre em cavalo.

  35. victor
    25 de maio de 2011 às 23:00

    ”Brasileiros pós ditadura
    Ainda se encontram em estado de coma semi profundo
    E um dos sintomas mais visíveis é a falta de percepção
    Acariciam um lobo
    Achando que é o seu animal de estimação
    Não consegue diferenciar
    Banqueiros de bancários
    Mega traficantes de meros funcionários
    E assim permanecem estagnados
    Quando não regredindo enquanto o comando delta
    Tem cada vez mais motivos pra permanecer sorrindo” – Planet hemp

  36. Leandro da Mata
    25 de maio de 2011 às 22:16

  37. 25 de maio de 2011 às 19:36

    muito bom texto, na real, nem precisava disso tudo, os videos mostram tudo.

  38. 25 de maio de 2011 às 15:18

    Excelente texto. Infelizmente o Brasil ainda tem muito que aprender. É realmente uma tristeza que este tipo de coisa aconteça ATÉ hoje e com conivência de parcela da população.
    EStou a espera de dias mais dígnos nesse país.

  39. Cherry Candy
    25 de maio de 2011 às 14:18

    Ótimo texto!
    Essa foi ótima! Neonazis sendo escoltados pela polícia! Por isso q aquele lá q foi a julgamento na semana passada pegou 24 anos de prisão em regime aberto! A polícia ñ funciona!
    Qto à maconha… o governo ñ qr que legalize pq eles ganham com o tráfico, por debaixo dos panos, mas ganham. Não creio q a legalização vá fazer com q haja uso abusivo, afinal, vamos concordar q comprar maconha hj é tão fácil qto ir à um açougue comprar carne ou um menor comprar alcool e cigarro. É uma questão de escolha. Ñ sou usuária, já dei alguns poucos tapas nesses 27 anos de vida, apenas para socializar, mas ñ curti, ñ senti nada do q todo mundo fala, creio q em mim ñ faz efeito, apenas me deixou com um pigarro terrível na garganta, mas oq qro dizer é q usa qm quer, qm ñ quer ñ usa. Talvez se fizesse algum efeito, poderia até usar ou ñ.
    A marcha pela Liberdade é uma ótima idéia. Eu só espero q a polícia ñ transforme um ato pacífico numa guerra, senão será um sinal claro e extremamente assustador, de que estamos voltando aos tempos da ditadura.
    Mas, só por segurança, vai algumas dicas do q levar num protesto ou passeata:
    Garrafa de água
    Bandana, lenço, pano (qualquer coisa q possa ser molhada e colocada na boca no caso de haver gás lacrimogênio).
    Evite tênis e sapatos abertos, de preferência para botas e coturnos, pois se acidentamente vc pisar numa bomba de efeito moral ou de gás, sua sola vai ficar para trás e vai acabar ficando com o pé bem machucado.
    Contra balas de borracha ñ tem mto oq fazer, é correr e tentar encontrar algum lugar pra se proteger.
    Agora fico pensando se usarem Spray de Pimenta… a solução seria óculos de natação?
    Bom, esse ultimo item ficou engraçado, mas na época q eu andava com punks foi uma coisa q aprendi com eles. Felizmente nunca precisei usar e ñ sei se realmente funciona, mas na dúvida melhor levar.
    Infelizmente ñ poderei comparecer à esta marcha, compromissos pessais. Mas torço pra q ela seja pacífica. Minha única preocupação é os neonazis irem lá para manisfestarem sua “liberdade de expressão” em prol do nacional-socialismo.
    Bruno… tu escreve mto bem! O povo pode até ignorar atitudes como a sua e achar q poucas pessoas ñ vão mudar nada, mas é graças à algumas minorias q a maioria tem vários direitos hj. Precisamos de mais pessoas no mundo como vc!
    Bjos!!!!!!!

  40. Sniffer
    25 de maio de 2011 às 13:33

    Para lutar contra esse tipo de situações é estritamente necessário agir DENTRO DA LEI. Não estou discutindo aqui se a lei é bonitinha e fofinha OU NÃO. A pergunta que se faz é: o que fazer quando o instrumento de legalidade age dentro da ilegalidade? O que eu posso fazer? O que você pode fazer? Agir dentro da legalidade, ou seja, da Justiça. Lembrando mais uma vez que Justiça é só um nome que se dá pra coisa, não quer dizer que ela seja realmente justa.

    O que quero dizer é que a decisão do STJSP dizia claramente: proibido mencionar a palavra maconha, do contrário será considerado apologia. É justo? Não. É burro? Nossa! Mas nada disso importa, o que importa é que a determinação do STJSP dizia claramente “proibido usar a palavra maconha” e é dentro disso, e estritamente dentro disso, que se deve agir para estar DENTRO DA LEI, seja a lei justa ou não. Essa seria a única maneira de ter razão (dentro da lei) diante do ocorrido.

    Mais uma vez, não estou discutindo o mérito da lei ser justa ou não.

    Por exemplo, há alguns dias bombeiros foram presos porque faziam greve. Pôxa, isso revolta, não é? Mas existe um regulamento interno dos militares dizendo que eles não podem fazer greve. É justo? Não é. Concordo com isso? De forma alguma! Mas as regras são essas e são claras. A gente considera injusto eles terem sido presos, se sente indignado e o escambau, mas tudo ocorreu dentro da legalidade. Fazer greve não mudará o regulamento, mas apenas fará com que o regulamento seja legalmente aplicado.

    Quanto à ação da polícia na marcha da maconha que depois não era mais da maconha mas pela liberdade expressão (me poupem! a quem estão querendo enganar???) não há justificativas legais para aquilo, digo, para o EXCESSO cometido por uma polícia completamente despreparada, mas há justificativas legais para o ‘leitmotiv’ (proibido usar a palavra maconha).

    É triste, revolta, etc., mas a realidade é essa. Ela não é bonita, não é fofinha e não tem grinaldas de flores sobre a cabeça. A gente não pode agir pensando como gostaria que a realidade fosse, mas sim como a realidade É. E dentro disso agir para alcançar o que gostaríamos que a realidade fosse.

    Se deixarmos a indignação falar mais alto que a razão, a batalha já está perdida. Se indignar não é lutar. Lutar, no meu ver, é outra coisa, é usar essa indignação e canalizá-la de uma maneira muito esperta. “Converter” uma marcha da maconha em marcha pela liberdade de expressão, convenhamos, mas não acho que seja uma coisa muito esperta, mais me parece que seja viver no mundo dos duendes, considerando-se como as coisas REALMENTE funcionam nesse país. HELLLOOOOWWWW, né? Os manifestantes realmente achavam que não iriam tomar pau da polícia? Talvez eles realmente precisassem fumar menos maconha e se ligar mais na realidade, afterall…

    • Sniffer
      25 de maio de 2011 às 13:37

      Só pra constar: também fiquei profundamente indignado e revoltado com a ação da polícia, deu um aperto aqui dentro, como se me espremessem o coração e tudo isso estancasse na garganta. Mas não foi essa indignação que usei para comentar, o que usei foi meu cérebro.

    • Natasha
      25 de maio de 2011 às 13:38

      Ah, o problema é dos manifestantes, que deviam saber que a polícia bate mesmo né? É que nem dizer que a moça não devia reclamar de ser estuprada se desmaiou de bêbada na festa ou a pessoa não devia reclamar de ter sido assaltada pq usou um relógio caro em um bairro onde ocorrem assaltos (como fizeram qdo o Luciano Huck foi roubado há uns anos atrás). Realmente, os manifestantes deviam ter é presumido que a polícia, que se compromeute a escoltar a marcha, ia soltar gás venenoso no meio da rua, em cima de quem estava na Marcha e de mais todo mundo que estava na rua. ”É assim que as coisas são”, certo?

      • Marta
        25 de maio de 2011 às 18:44

        Sim Natasha, é assim que as coisas são, só agora vc percebeu? Todo mundo sabe que quem usar relógio caro na quebrada, vai ser roubado, que manifestação leva pau da polícia e que c.. de bebado não tem dono. Os últimos 2 mil anos de história foram assim. Acorde.

        • Natasha
          25 de maio de 2011 às 20:59

          É, pq há 2 mil anos atrás já existiam relógios e quebradas né? Enfim…Vc acha normal viver num mundo onde existem áreas em que vc não pode andar com certos bens, senão vai tê-los tirados de vc, muitas vezes com violência? Vc acha normal o corpo de uma pessoa desmaiada ser ”propriedade pública”? Triste pra vc, teus padrões tão muito baixos. Não é pq é comum que a gente não pode se indignar e tentar mudar. Se vc não vê problemas em viver em uma sociedade assim, vá ser feliz, mas não reclame de quem tenta melhorar as coisas.

          • Marta
            25 de maio de 2011 às 23:50

            Sim, existiam relógios, bens materiais, existiam quebradas, assaltos e violencia.
            A maldade nas pessoas sempre existiu e ainda existe. Se voce der a oportunidade ela aparece.
            Ignorar isso e se comportar como se não existisse não é tentar melhorar.
            Mostrar bens materiais onde tem ladrão, beber até cair num local perigoso é dar oportunidade e ignorar a maldade.

            Assim como pode ter maldade em algum policial ou manifestante que usam violencia. Por isso sempre sai pau, e a parte desarmada leva a pior.

            Se voce quer melhorar as coisas, tem que aceitar que existe a maldade e se precaver disso.

            Pelo jeito seus “altos padrões” não exergam isso. Fingir que não existe e que não vai acontecer não é tentar melhorar nada.

            Se você diz que quer tentar melhorar as coisas, pq vc não se candidata a um cargo político e vai realmente tentar mudar alguma coisa?

            Não é lendo blog e mostrando sua indignação que isso vai mudar. Isso é mesma coisa que nada, então vc tb não faz nada para melhorar.

            • Natasha
              26 de maio de 2011 às 13:41

              É, pq eu passo 24 horas por dia lendo blogs e respondendo posts de gente com dificuldade de interpretação de texto como vc né? Não faço mais nada na minha vida.

              • Marta
                26 de maio de 2011 às 16:44

                Melhor encerrar esse assunto pq isso não vai levar a nada.

    • Renas
      26 de maio de 2011 às 1:08

      Meu caro, como você pode comparar uma realidade com uma legislação em vigor? E ainda criada pelo homem! Então você vive uma “realidade” (leia-se constituição bresileira) criada há mais de duas décadas sem qualquer base científica, ou dados de campo. Algo criado como bode expiatório para esconder um problema muito maior? Digo, um interesse muito maior?

      Ah, quer dizer então que existem muitas outras “realidades” nesse mundo, como a do Uruguai, que já legalizou o plantio e tudo mais? Sem mencionar os países da Europa e os estados dos EUA que legalizaram pelo menos o uso medicinal. Vou é cair nessas “realidades”. E não só pra poder fumar minha erva em paz, mas porque lá a nossa liberdade não é cerceada e invadida pelas autoridades. Aqui nesse país atrasado, a nossa segurança é colocada em risco diariamente por um governo que pretende dizer o que é bom ou não é pra cada indivíduo.
      Portanto, ACORDE! CAIA EM UMA OUTRA REALIDADE! PELO MENOS UMA MAIS JUSTA E DIGNA. Afterall… hipocrisia não!!!

  41. Daniela Martins
    25 de maio de 2011 às 13:27

    Salve!

    Bruno,se eu pudesse, te daria um presente, para poder agradecer por um texto tão primoroso. Participei no domingo aqui em minha cidade,Jundiaí.Sábado estarei lá.
    Grata pela dádiva do texto.

  42. 25 de maio de 2011 às 11:10

    Adorei o texto, tava inspirado!

  43. NAO INTERESSA FATO!
    25 de maio de 2011 às 6:24

    Essa manifestação foi tão boa que só vai ter outra no ano que vem .
    parabéns criançada .
    só que enquanto nego achar que sair pra rua pra fazer passeata pro legalização da maconha vai ajudar estamos fundidos .
    acho que seria bem melhor nego pensar bem antes de sair de casa por sinal muitos saíram de casa só pra ter oq comentar no twitter e no facebook ou pra aparecer hem um videozinho do youtube e mostrar pros seus amigos .
    seria muito bom se a manifestação fosse útil pra essa causa mas não é infelizmente!!
    Bem e outra só contribui com o trafico quem que !! quem é preguiçoso e tem o cu na mão
    Pq nos meus quase 10 anos de uso da erva não só pro consumo do thc mas por uso medicinal e culinário eu fui poucas vezes hem biqueira !!
    PLANTE irmãozinhos !! meu fumo eu que gero junto com a natureza certo
    Sou totalmente a favor da legalização mas de um modo muito mais inteligente!!!
    Afinal isso so queima a classe com a própria população leiga
    Então FODA –SE todos que foram nessa passeata e quando for ascender meu baseado
    Vou lembrar de todos vcs que foram na passeata e rir por meu fumo ser natural e o de vc não!
    A POLICIA O GOVERNO DE SÃO PAULO E ESSES NAZIS AI
    NÃO PASSAO DE VERMES DA TERRA !

  44. Luka
    25 de maio de 2011 às 3:49

    Então, quer beber, fumar cheirar, dar o bumbum, foda-se.

    Agora tah na hora de parar de atrasar a vida dos outros com manifestações em vias importantes da nossa cidade.

    Ae sim eu sou a favor mesmo da policia descer a borracha em qualquer vagabundo.

    Vagabundo sim, pois se estivesse trabalhando, não estaria atrapalhando.

    Se vc quer liberdade de expressão, eu quero liberdade de locomoção.

    E outra, legalizando ou não, meu basiadinho estará sempre aqui comigo.

    • Carlo
      26 de maio de 2011 às 1:14

      Cara como tu é egocêntico e hipócrita! Além de ser compassivo… deve seu um boyzinho… segue algo pra você:

      “Primeiro levaram os negros
      Mas não me importei com isso
      Eu não era negro

      Em seguida levaram alguns operários
      Mas não me importei com isso
      Eu também não era operário

      Depois prenderam os miseráveis
      Mas não me importei com isso
      Porque eu não sou miserável

      Depois agarraram uns desempregados
      Mas como tenho meu emprego
      Também não me importei

      Agora estão me levando
      Mas já é tarde.”

      Bertolt Brecht.

  45. Vander
    25 de maio de 2011 às 3:01

    Não adianta ficar brigando com a polícia. A polícia só obedece o que as autoridades mandam e o que está escrito na lei. Não é nas ruas que se escrevem as leis. Quem quiser mudar alguma coisa tem que votar nos políticos certos no dia da eleição. Isso é muito mais simples. E se alguém achar que não tem opção de políticos para votar, isso é simples de resolver. É só se candidatar e entrar na política, todos tem esse direito (é só ser alfabetizado, brasileiro, etc). Aí sim pode haver mudanças de verdade e sem tomar tiros de gas e borracha.

    • Natasha
      25 de maio de 2011 às 13:59

      Onde é que tá escrito na lei que manifestação pacífica tem que ser reprimida com gás venenoso em cima dos manifestantes e das pessoas inocentes que estão na rua naquele momento?!

      • Vander
        25 de maio de 2011 às 18:22

        Independente de ser pacífica ou não, isso dá margem para polícia usar violência e dizer que foi necessário. Aí não tem como provar o se foi ou não necessário e fica tudo só no debate. Essa conversa já é antiga.
        Se alguém tem mesmo o interesse de mudar, legalizar ou não, tem que fazer isso no lugar onde realmente pode ser mudado.
        Mas não, o povo acha mais fácil e divertido passear na rua e discutir em mesa de bar tomando cerveja.
        Chega no dia da eleição, que é pra onde as coisas podem melhorar, vota errado. O que adianta?

        • Benjamim
          28 de maio de 2011 às 8:20

          Acho que é por aí, também…

  46. 24 de maio de 2011 às 21:37

    Belo texto

  47. Bianca
    24 de maio de 2011 às 20:21

    É revoltante ver o quanto as pessoas são hipócritas! É perfeitamente aceitável, beber até cair! Até onde me consta, o álcool é muito mais prejudicial que a maconha a saúde, para se morrer de overdose de maconha são necessários 800 baseados, enquanto que de álcool todos sabemos que não precisa muito! É ridículo quem pensa que ao se legalizar a maconha seu uso será indiscriminado, afinal quem quer usa com a maior facilidade hoje, o que se faz ao deixar de legalizar é fazer com que o Estado deixe de arrecadar milhões de reais (como arrecada com o álcool e com o cigarro), que gaste outros tantos milhões numa guerra contra o tráfico que poderia ser evitada.
    E quanto nem se poder discutir o fato? Francamente, em que porcaria de estado democrático vivemos em que um manifesto a favor da legalização de algo é amplamente criticado e combatido pelas autoridades? Vão fazer isso em uma passeata a favor da legalização do aborto também? Vão responder com violência aos homossexuais que reivindicarem o casamento gay?
    Acho que o grande problema no Brasil, é as pessoas aceitarem como verdade um fato que lhes foi informado e nunca pararem para pensar sobre ele!!!! Usem seus cérebros humanos!!! É a nossa ampla capacidade de sintetizar idéias que nos distingue dos demais animais!!!!

  48. 24 de maio de 2011 às 19:29

    Apóio a legalização da maconha e brigo pelo direito dos fumantes!

    O ato de excluir o fumante até de ambientes abertos é absurdo, devemos sim exigir áreas abertas destinadas à essa classe, pois pagamos imposto como todos. Lembrando que em áreas abertas o ar não fica viciado e não há nada que prejudique à saúde dos não fumantes.

    Os fumantes já perderam todos os direitos que tinham! Vamos cuidar de problemas mais sérios? Até os não fumantes acham a lei antifumo severa demais! Existem certos direitos individuais que precisam ser preservados. Não fumar em ambientes fechados tudo bem, afinal o ar fica viciado. Agora em ambientes abertos não há justificativa com questão à saúde dos não fumantes portanto: Parem agora com essa perseguição. Isto está beirando o nazismo, ou uma ditadura moral a favor do politicamente correto, por favor: cada ser humano tem a liberdade de fazer o que quiser, de acordo com nossa constituição!

    Segue trechos de nossa constituição apenas para lembrarmos de que já faltou liberdade nesse país, e a desculpa é sempre a do governo querendo nos proteger, pelo jeito precisamos é nos proteger do governo:

    I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;

    IV – não-intervenção;

    VII – solução pacífica dos conflitos;

    VIII – repúdio ao terrorismo e ao racismo;

    VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    XV – é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair com seus bens;

    XLII – a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;

    IV – a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária;

    Em uma época de inclusão social excluir cidadãos do convívio social é que deveria ser considerado crime.

    Observação: Considerei racismo como sinônimo de preconceito contra uma classe.

    Só quero um Brasil livre!

    • Natasha
      25 de maio de 2011 às 14:02

      ”Observação: Considerei racismo como sinônimo de preconceito contra uma classe.”

      Considerou errado, não é isso que a palavra significa. E de que lugares abertos que os fumantes foram excluídos?

  49. Camila
    24 de maio de 2011 às 17:38

    Otimo texto que retrata bem a truculência e a intolerância da PM de SP que MATA MILHARES DE POBRES todos os anos com a permissão do Estado.
    Pois bem, não me estranha o pq desta passeata não ter muitos adeptos. Sou usuária, no meu mundo IDEAL a maconha deveria ser liberada e sou completamente a favor de debates, mas a realidade é OUTRA COISA: não vou sair da minha casa com risco de ficar “cega” como você mesmo citou.
    Acho que essa manifestação é conduzida de forma equivocada. Todo ano acontece a mesma coisa.
    Na minha humilde opinião, enquanto esse tipo de manifestação se limitar a umas centenas de burgueses com consciência política (sem intenção pejorativa) veremos isto. Ao invés de terem gasto 6 horas com este circo armado, pq não foram conscientizar, levar informação para quem é realmente vitima direta da proibição? Falta a CONSCIÊNCIA que você tanto usou, de saber que quem pode fazer alguma coisa é a massa, a classe pobre que é completamente desinformada e que continua sem os tais acessos vigentes.
    Mais um adendo: Duvido que 50% que estavam nessa manifestação, tem consciência do coletivo, da legalização em pról de amenizar mazelas sociais, grande parte estava ali visando o individual, e isto também é outro problema.
    Me solidarizo com os manifestantes, mas o grande ganhador foi o governo que se aproveita da situação para fomentar a continuação da proibição.

    • 24 de maio de 2011 às 18:36

      Desculpe, mas se você acha isso, e tem consciência, deveria estar lá em vez de julgar os que se arriscaram em nome de uma lei mais justa. E teria visto quanta informação estava sendo dsitribuida por ali. A mesma informação que foi recolhida pela polícia, que prendeu os rapazes que a distrubuíam em um jornal.
      Seus argumentos são preconceituosos, lamento. No mundo IDEAL, como você diz, todos deveriam ver antes de julgar.
      Fica o convite para a próxima manifestação, sábado, às 14hs, no MASP. Marcha da Liberdade.
      Um abraço

    • Samuel
      27 de maio de 2011 às 16:00

      Olha, tudo bem você não querer participar com medo de sofrer uma agressão ou sequela, mas daí dizer que a manifestação se limitou a uma centena de burgueses com consciência política…
      Qualquer manifestação (pacífica ou não) que tenha visibilidade contribui para que o assunto seja pauta de discussões.
      Claro, para quebrar o preconceito de vez, seria bem melhor que a rede Globo colocasse os mocinhos das novelas fumando maconha e debatendo em horário nobre por que eles são a favor da legalização. Eles até poderiam sofrer com um personagem que os excluísse e rotulasse. A emissora poderia inclusive fazer chamadas durante o dia, para as pessoas se escandalizarem e assistirem ao episódio. Isso é um mundo ideal.
      Por enquanto, já que a ditadora… emissora número um do Brasil ainda não tem interesse em realizar uma telenovela expondo o assunto, o negócio é se manifestar da forma que der. Se for indo ruas para ganhar visibilidade, também é válido.
      Massa vai ser sempre massa para ser manobrada e, acredito eu com minha arrogância, nunca vai mudar. Se houver gente suficiente nas ruas, tanto melhor, a massa vai participar e quem pode fazer alguma coisa se sentirá pressionado. Mesmo que não se sinta pressionado, pode ser vantajoso satisfazer a massa.

  50. Tatiane Barreira
    24 de maio de 2011 às 16:46

    Obrigada por suas palavras transmitirem o que senti no sábado…
    Cumpro meus deveres e obrigações e acredito no meu direito de expressão…

  51. Daniel
    24 de maio de 2011 às 7:28

    Um fator que fará para do novo paradigma é: se a maconha age sobre a parte psíquica, que é mais delicada e sutil, quem garante que o controle de qualidade será adequado a realidade das pessoas? Quem estará no comando desse controle de qualidade. O estado manipula as pessoas com a legalização do álcool e cigarros. Isso me lembra a cena do Charada no filme do Batman. O controle de qualidade deverá ser baseado numa espécie de DNA da psiquê de cada pessoa. Repito: é um novo paradigma. Vamos tomar a grande massa ignorante, essa mesma massa que acha perda de tempo a marcha. Como sabemos do ser humano, ele pode ser levado a mudar de ideia ao ver outras pessoas tomarem uma direção diferente. Então, vamos supor que os preconceituosos (mente fraca) comecem a fumar depois da legalização. Além disso surgirão pessoas que não tinham coragem de usar, pelo fato de que era proibido. Não é uma questão de quem está ou não está pronto, não desacredito do ser humano, mas observo o quanto as pessoas são influenciadas. Qual será o resultado disso? Isso é uma realidade possível. O que acham? Se eu não consigo conversar com alguém que não respeita o uso da cannabis ou não a respeito, por pior que seja. Estarei cometendo o mesmo erro. Incentivar outros a participar da marcha é importante, mas quem são esses outros?

    • Thiago
      24 de maio de 2011 às 13:48

      Quem garante isso tudo hoje meu amigo??? Vcs falam como se a maconha hoje não existisse, como se quem quer fumar não conseguisse pq é proibida….
      Sendo legal ou não, quem quer experimentar experimenta. Vão ter alguns q vão experimentar só depois q for legal?? Pode ser, mas e daí?? Um % mínimo não convive bem com a maconha, e dentro desse % mínimo, quase ninguém realmente desenvolve algo mais sério, a grande maioria tem uma experiencia ruim e não fuma mais.

      Algumas pessoas tem problemas com alcool também, por essa minoria vamos proibir o alcool?? Outras pessoas tem intolerancia a lactose, vamos tirar o leite de circulação?

      • Daniel
        24 de maio de 2011 às 14:08

        É verdade. Não estou querendo tirar o foco para uma minoria que pode, como você falou, não se envolver com algo mais sério. Só quero mostrar outro ponto de vista. Tipo: se a maconha tem benefícios medicinais, tudo bem que usá-la como tratamento é algo alternativo, mas mesmo tomando remédio ruim, as pessoas não acabam se acostumando a ele? Fumar um baseado desestressa. As pessoas não poderiam pensar: “fulano era bastante estressado, todo dia brigava com a esposa. Agora parece um santo depois que decidiu comprar sua erva na farmácia depois que foi legalizada”. Pela pressão do dia-a-dia, as pessoas não poderiam ceder aos benefícios instantâneos da erva? É lógico que depois de legalizada, não é que todo mundo vai usar, mas quem garante essa estatística? Até hoje temos uma “previsão” do tempo, e o ser humano é de natureza instável. Pense a respeito.

        • Thiago
          24 de maio de 2011 às 16:08

          Entendo também seu ponto, mas até onde é ruim alguém estressado conviver melhor com a família fumando maconha?? A maconha nesse caso estaria fazendo o papel do copo de whisky ou da taça de vinho no fim de expediente…isso é tão ruim assim??? Pior que um Prosac? Não seria um tratamento alternativo válido?? Eu convivo diariamente com muita gente q fuma muita maconha, vc tem essa mesma experiencia?? No meu caso, não vejo ninguém deixar a vida passar por causa da erva, quem se disvirtua vai se disvirtuar de qualquer jeito, sendo proibida ou legalizada, e aí o problema não é a maconha, é da natureza da pessoa exagerar em tudo, esse cara exagera no alcool, na balada, nas drogas, etc, e não é a lei atual que vai impedir ele de experimentar maconha. O problema de proibir é que vc dá o monopólio do comércio de uma substancia com alta demanda pra bandidos que depois compram armas com esse dinheiro, esse é grande mal que a maconha faz hj, esse efeito na sociedade é muito pior q o efeito da maconha mais forte que já plantaram

          • Daniel
            24 de maio de 2011 às 16:24

            Fumei muito já e convivi com gente assim, e elas se deixavam levar sim. Conheci outras que levavam uma vida normal. Me preocupo em contemplar todos os casos, não somente a maioria ou uma minoria. Não é ruim mesmo desestressar. Mas sobre o desvirtuar das pessoas, como já coloquei em outro post: as pessoas são diferentes. Sempre vai existir aquela conduta que a gente mais gosta de fazer. De todas as substâncias que existem, considero a maconha a mais sutil do todas. Sempre observe o comportamento do ser humano. Não é só questão do tráfico ou substituição de uma substância por outra. A maconha em si, não é um bicho de sete cabeças. Mas quando combinamos ela com a personalidade humana, temos uma variedade de efeitos, podemos agrupá-los em categorias. Mas, tipo, é impossível não causar. Quando ela for legalizada, que novo tipo de comportamento social surgirá? É nisso que devemos tentar imaginar. Assim como na natureza pode surgir uma nova característica evolutiva diferente de tudo aquilo que os cientistas previram. Sempre existirá as causas que originaram estas. E estamos causando agora. As pessoas estão mais preocupadas com o efeito: o objetivo é tornar legal o consumo e cultivo da maconha. Mas estão esquecendo de como estão causando.

      • Mariana
        24 de maio de 2011 às 15:27

        agora lactose da onda tbm?!

  52. silvia
    24 de maio de 2011 às 6:43

    poxa, cara, não vai dar pra ir.
    tô ocupadassa com minha marcha cármica.

  53. Daniel
    24 de maio de 2011 às 6:09

    Sou a favor da legalização. Hoje não fumo mais, fiz um tratamento intenso de quase 1 ano. Quando olho para a erva, não vejo somente sua capacidade medicinal, capacidade de neuroatividade ou sobre o desmanche de esquemas sócio-políticos corruptos. Peço, por favor, que não considerem como argumentos somente a substância em si nem suas implicações sociais. Parto do seguinte princípio: todo ser humano possui desejos. Todos têm alguma conduta de que gostam de fazer com mais frequência. Alguns adoram falar alto, outros comem 1 frango inteiro no almoço. Mas, no caso a maconha, é uma questão mais sutil e delicada. Estou aqui para defender uma minoria que não é contemplada nem pelo sistema nem pelos próprios usuários: aqueles que a usam, mas não tem controle sobre a substância porque ainda acreditam que ela é inofensiva (a opinião banal a respeito da sua “neutralidade” e upgrade da capacidade mental, ofusca a realidade de quem não sabe lidar com ela). O que realmente me preocupa é que a maioria das pessoas que estão encabeçando o movimento, não são pessoas dignas de defendê-la. Quando a legalização acontecer, vocês estarão prontos para o novo paradigma? Isso é muito sério. Einstein não sabia que seu conhecimento seria usado pra bomba atômica. Se a maconha for legalizada, os corruptos que ganham dinheiro com o tráfico terão seus esquemas também legalizados? O álcool, o tabaco, são substâncias que trabalham em cima do corpo, mas a maconha trabalha com a mente, que é muito mais instável e sensível às mudanças, e a erva que é consumida hoje não é mesma (antigamente a gente poderia imaginar a cena de um típico fazendeiro oriental que vive da extração e artesanato da cannabis, fumando seu baseado tranquilamente). Hoje, assim como qualquer cultura em que se planta naturalmente, o princípio ativo da erva está bem mais forte, pois isso é evolução na natureza, e, combinando o aumento de sua potência com a cabeça da maioria das pessoas, o resultado é instabilidade mental. São poucas as pessoas que conheço que trabalham e vivem normalmente usando a erva. Mas, até pra essas pessoas, vamos supor que, hoje, o governo brasileiro decide arbitrariamente retirar todas as bebidas, cigarros e a cannabis de circulação. Essas pessoas que dizem que levam a vida numa boa, como elas se sentiriam? Quem não for capaz de ter o controle sobre uma substância e não sofreu por essas questões, não é digno de defender sua legalização. Por favor, amadureçam os argumentos cada vez mais, e vençam o preconceito. Aqui em Natal-RN, a marcha será dia 28. Decidi que não vou. Por que? Porque percebo que existem coisas mais importantes a se resolverem (a problemática ambiental é muito mais séria), e devo trabalhar nelas para que vocês possam fazer as manifestações da melhor maneira possível. Tudo parte no nosso exemplo, não tem outra maneira. Realmente, a cena dos ultra-nacionalistas foi deprimente. Hoje, revendo um cena do filme Déjà vu, o alto do crime se dizia patriota. Pra mim esses skin heads foram os mais corrupos, porque, lá no fundo, eles também são contra esse estado burguês e não existe nada mais repugnante do que aquelas pessoas que se juntam ao lado que está “vencendo” no momento. Hoje, definitivamente, penso: por que não posso obter o mesmo tipo de benefício (neuroatividade), sem que precise dar um trago num baseado? Pensem no ser humano, não somente em maconha ou sistemas sócio-políticos, não generalizem, pensem de todos os ângulos possíveis e agregem a maior quantidade de esferas de pensamento. Esse é o segredo. Boa sorte a todos.

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 6:28

      Daniel, achei o seu comentário meio confuso, mas a questão da minoria que “se dá mal” com o uso deve ser levada em consideração. Não havendo controle da qualidade da produção e dos níveis das substâncias ou ciência dos efeitos “adversos” possíveis. Acho que não dá pra legalizar agora. Não dá pra fingir que o Brasil já pode “suportar” essa medida.

      • 24 de maio de 2011 às 6:54

        Sim. A minoria que “se dá mal” deve muito ser levada em consideração. Mas não esqueça que a minoria se dá ainda pior com a maconha proibida, sem regulação, e sem a informação de qualidade que viria com um mercado legal. E maioria do país, que não fuma, se dá mal também. Com tráfico, violência, e tudo o que proibição traz.
        Essa história de que o Brasil não está pronto para a lealização é uma falácia. Regular é restringir, e garantir um acesso mais racional. Hoje vivemos em um país onde a maconha é proibida em tese, mas liberada na prática: crianças e adolescentes entram em bocas de fumo, milhões fumam uma droga de péssima qualidade, sem informação ou controle. Para isso é que não estamos, nem nunca estaremos, prontos.

        • silvia
          24 de maio de 2011 às 7:29

          cara… isso que o Benjamim disse não é falácia. é análise sensata de informação realista. viaje pelo Brasil, sem se prender as suas teorias nem suas preferências – mas com a cabeça aberta pra enxergar a realidade – que tu vai entender o que o cara tá querendo dizer. “nosso espírito tem a tendência irresistivel de considerar como mais clara a ideia que costuma utilizar com frequencia”. não largamos o osso de defender um ponto de vista. que pode estar muito mais preconceituoso e abusivo do que o já famigerado senso comum.

          • kinho
            24 de maio de 2011 às 17:19

            vocês vão ter filhos. que vão ter gostos. não sei vocês, eu não gostaria de ver meu filho apanhar da policia por gostar de uma erva que ainda não foi discutida. legalizar nem precisa, é só não considerar usuário bandido. se o Brasil fosse rastafari ao invés de católico, fumariamos baseados e fariamos a marcha da cachaça..

            • Daniel
              24 de maio de 2011 às 17:24

              Ótimo ponto de vista. Isso mostra que não é a substância em si, mas o valor que estão colocando nisso.

      • Daniel
        24 de maio de 2011 às 7:31

        Qual a parte que você achou confusa? Quero aprender.

  54. Andréa Carolina
    24 de maio de 2011 às 5:35

    PARABÉNS, acabei de ler o melhor de todos o textos sobre a “maratona” da maconha, minha mãe fuma maconha desde os 14 anos, hoje ela está com 50 e poucos… e tá aí pronta pro nos contar e provar pra quem quiser q maconha não faz mal. Mal é o q fazem dela até chegar nos usuários, a gente não precisa sustentar o tráfico de uma planta de podemos ter no nosso quintal, né não!? rs

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 6:33

      Muita calma nessa hora, Andréa. Você assim acaba de contestar em algumas linhas todos os estudos sobre estatística. Sua mãe é UMA cidadã que fez o uso e “está aí pra provar que maconha não faz mal”. Sem mais.

  55. Guilherme Philomena
    24 de maio de 2011 às 4:50

    Mais um fato. As manifestações no Rio de Janeiro e em Porto Alegre aconteceram sem nenhum absurdo como aconteceu em São Paulo. NENHUM.
    Na Argentina e no Uruguay tambem. NENHUMA VIOLENCIA.

    • 24 de maio de 2011 às 6:03

      Fato. O que torna o governo de SP ainda mais violento…

      • Benjamim
        24 de maio de 2011 às 6:12

        Ou, talvez com razão, mais assustado…

        • 24 de maio de 2011 às 6:46

          Benjamin…”talvez com razão”? Assustados estavam os manifestantes diante das balas e bombas. Você pode discordar da marcha, sem problemas. Mas aliviar a barra da PM não dá nesse caso.

          • Benjamim
            28 de maio de 2011 às 8:17

            É como eu disse, existem outras vias…

  56. Guilherme Philomena
    24 de maio de 2011 às 4:43

    É engraçado que muita gente que veio aqui criticar o movimento, chamar de maconheiro e dizer que maconha faz mal não sabe nada sobre o assunto e provavelmente gostam de tomar uma cerveja ou seu whiskey socialmente. Então vejamos a verdade sobre as drogas (por que sim, alcool é uma droga e faz muito mais mal do que a maconha, não acredita? http://en.wikipedia.org/wiki/File:Rational_scale_to_assess_the_harm_of_drugs_%28mean_physical_harm_and_mean_dependence%29.svg) Aprenda mais sobre o seu mundo. Cannabis existe a seculos e não existe nenhuma morte documentada onde a causa seja o uso da Cannabis. Mas de alcool, tabaco e até mesmo aspirina existem varias. Não quer fumar, não quer se involver com isso, a liberdade é sua. MAS RESPEITE A LIBERDADE DO SER HUMANO AO SEU LADO. Desejo paz, felicidade e humildade a todos. Um grande abraço ao dono do blog. Respeito.

    • Danilo Silveira Rodrigues
      24 de maio de 2011 às 14:57

      Engracado sao os valores impostos a voces, como eh perfeita esta lavagem cerebral que se faz nas cabecas vazias de voces. Colocaram na cabeca de voces que uma droga alucinogena eh fitoterapica e analgesica. Rapaz, liberdade e respeito, eh VOCE FUMAR A SUA MACONHA NO SEU QUARTO DE PORTA FECHADA. Eu nao sou contra voce fumar maconha, sou contra voce fazer isso na frente da minha filha e das outras pessoas que nao gostam e nao apoiam isso! Mesma coisa com o cigarro! Nao se fuma cigarro perto de quem nao gosta! Agora amigao, na sua casa, voce faz o que quiser!!! Pode comer a maconha com farofa se quiser, nao ligo! Mas nao venha com movimento barato e dizer que ter livre acesso a ela!!

      • kinho
        24 de maio de 2011 às 17:26

        Você, Danilo. Cresceu na frente da REDE GLOBO de televisão, que pertence ao pessoal de extrema direita, que é o pessoal que ganha grana com a guerra contra o trafico, ganha grana com o trafico.
        Você não tem ponto de vista próprio. Você bebe cerveja, você tem alguem na familia com cirrose, ou que fica violento quando bebe. Mas na televisão passou Laços de Familia e a sua filha não pode ser igual à Mel.

  57. Piero Chiaretti
    24 de maio de 2011 às 3:16

    Bom pra caralho o texto.

  58. vilela
    24 de maio de 2011 às 2:03

    Olá à todos!
    Usei maconha e outras drogas por mais de 15 anos e graças à um poder superior e um pouco de boa vontade faz quase 10 anos que estou em abstinência total e ininterrupta. Sei oque é ser usuário e sei oque é ser careta. Realmente é a hipocresia e falta de consciência são quase que generalizadas. Acredito que muitas dessas coisas ainda mudarão por causa dessas manifestaçoes, mas é fato: terão que sofrer mesmo, e talves nem verão seus ideais triunfarem antes de suas mortes. Mas é de extrema valia, e pode crer haverá ainda muralhas e mais muralhas de pré conceitos e outros defeitos de caráter na sociedade… E as outras drogas como que ficariam? Ilegais ainda? Se é pra resolver o problema do tráfico tem que legalizar todas! E porque o álcool é liberado? Engraçado a sociedade está mais bem preparada para os gays, pelo menos não dão porrada na Parada, hehehe…
    obrigado

    • Danilo
      24 de maio de 2011 às 2:25

      Vai na parada la semana que vem com eles, quem não volta a fumar a sua maconha, agora legalmente. Se era tão legal e não faz mal, porque então você parou? Acho não parou sinceramente. Se a sua mente ainda pensa assim, você ainda é dependente, só tem um pouquinho mais de força de vontade que os outros. Vocês têm que ir em clínicas de recuperação e passar uma tarde conversando com os pacientes. Aí sim, quando vocês virem a situacao, vao entender o porque esta DROGA é proibida.

      • danilo
        24 de maio de 2011 às 4:47

        parece que você anda usando muita droga de verdade, não consegue sequer escrever um pequeno texto conciso. lamentável…

      • Marianne Lépine
        24 de maio de 2011 às 13:41

        danilo me desculpa mas você não sabe do que está falando, duvido você encontrar um dependente de maconha numa clínica de recuperação. Devem ser viciados em outras drogas. Maconha não causa dependência física.

        Eu não fumo, não gosto e mesmo assim acho que não deveria ser crime. Deveria ser controlado, sim, mas não crime.

        E prinicipalmente defendo o direito das pessoas se manifestarem.

        Então reveja seus argumentos “se você ainda pensa assim, então você ainda é dependente”. Se informe, leia sobre o assunto. Converse com médicos. Sobre MACONHA. porque no seu texto você deve estar falando de crack ou cocaína, que é coisa completamente diferente.

        • Daniel
          24 de maio de 2011 às 13:58

          Oi Marianne. Dê uma olhada no meu post. Fumei maconha por 5 anos, nunca usei outra coisa a não ser bebida e maconha. Fiz um tratamento de quase 1 ano. A questão é que vocês generalizam muito, e só prestam atenção ao efeito da erva em si, e se esquecem da matemática básica: substância + personalidade humana = resultados diferentes. Realmente, maconha não causa dependência física, mas outra dependência mais sutil: a mental. E como corpo e mente é uma coisa só, porque é que quando damos uma tragada sentimos fome ou sono ou vontade de agir, escrever uma boa poesia, compor uma música, outros ficam calados, reflexivos. Varia muito. Você também deve estudar mais a respeito.

        • Danilo Silveira Rodrigues
          24 de maio de 2011 às 14:49

          Informacao nao sou eu que preciso, orientacao nao sou eu que preciso. Eu vivo uma vida saudavel, sem alcool, sem drogas, sem cigarro, isto deveria ser o correto a todos. Agora sair as ruas pedindo a liberacao da MACONHA, vai arranjar o que fazer, coisa de gente sem escrupulos, eu teria vergonha!!! Sair no jornal com a cara cheia, dia seguinte no emprego (se eh que tem algum) todos veem voce e falam, olha ai o maconheiro! Eh isso! Voces vivem uma vida de fantasia. Como eh que podem dizer que na clinica de recuperacao nao tem viciado em maconha, EU JA FUI ATE LA, E EU VI. Agora voces, nao sabem de nada!!! Nao sabem que o uso da maconha leva ao uso de outras substancias…

          Quer saber?? Acho realmente que tinha que legalizado, nao somente, mas tambem INCENTIVADO AOS ATUAIS dependentes a usar mais, o governo poderia distribuir na rua maconha, coca e crack. Para todos voces usarem ate…

          • Daniel
            24 de maio de 2011 às 15:06

            Não cara. Eu não fumo mais e não vou à marcha. E acho que você está generalizando. As pessoas são diferentes, mas compartilham de coisas semelhantes. Mas essa semelhança também varia de pessoa pra pessoa. No geral e só pra explicar, existem 3 caminhos pra quem usa maconha em termos de substância: ou ela decide ficar só com o álcool mesmo ou passa o resto da vida com a erva e/ou álcool ou decide usar outras substâncias. Acho que o que você falou está enquadrado na última possibilidade. É verdade que tem gente que ainda vive uma fantasia como se estivesse revivendo os anos 70. Leia o meu maior post que você vai entender mais. Está se prendendo somente a esse. Pense assim: devo construir um bom argumento a respeito pra que eu possa orientar cada pessoa adequadamente. Estamos vivendo um momento importante.

          • Natasha
            24 de maio de 2011 às 15:10

            Pra alguém que critica os ”neurônios prejudicados” alheios, vc tá com sérias dificuldades em escrever um texto se utilizando do português correto, com a concordância certa, com orações que tenham relação uma com a outra, etc. Os supostos ”maconheiros” aqui da discussão ao menos tem uma desculpa: usaram a ”temível e emburrecedora” erva. E vc, Danilo, que diz não usar nenhuma substância química que afete teu cérebro? O problema foi a escola ruim?

            • Danilo Silveira Rodrigues
              24 de maio de 2011 às 15:37

              Exato!!! Escola ruim!! Isto sim era o que voce deveria exigir nas ruas, fazer passeatas, para isto voces nao querem nem saber. Garanto que a maioria de voces aqui dentro, 90% ou mais, nao lembra nem em quem votou para Deputado na ultima eleicao, e esta saindo nas ruas pedindo democracia. Oras, francamente!

              • Natasha
                25 de maio de 2011 às 14:05

                Vc me faz ter vontade de realmente ir às ruas brigar por uma educação melhor. Estudei em uma escola péssima, e não virei uma analfabeta funcional como você. Se é esse tipo de pessoa que as escolas estão formando, precisamos realmente de mudanças urgentes.

          • FF
            24 de maio de 2011 às 16:37

            Bem limitada sua análise. Fumo maconha desde os 14 anos, sou graduado e mestrando da melhor universidade de engenharia do Brasil , sou referência no meu trabalho (uma grand emultinacional)e nunca tive o interesse em usar cocaína, por exemplo. O problema que você aponta é de educação (formação) e saúde e não de proibição. Não seja narcisista e queira que todos vivam da SUA maneira. As pessoas tem que ter o direito de escolha.

            • Danilo Silveira Rodrigues
              24 de maio de 2011 às 17:35

              Me desculpe, mas voce me dizer que eh mestrando em uma faculdade de engenharia conceituada e ter uma posicao profissional privilegiada nao significa que voce eh referencia para alguma coisa. Tambem trabalho em uma empresa multi-nacional, tambem curso engenharia em uma faculdade renomada e eu me envergonharia de ter tanta informacao sobre assuntos diversos e ser usuario de maconha. Porem, a questao aqui, como ja disse, nao eh VOCE usar maconha, como informei: Se voce quiser usar maconha, comer ela, fazer chazinho… Faca da forma que quiser… Mas dentro da sua casa, do seu quarto, de porta fechada e quietinho! Nao venha fumar essa droga na frente da minha familia que eu vou fazer voce comer! Lei eh lei amigo, enquanto alguem nao mudar, ainda eh proibido esta droga, e eu farei o que for possivel para colocar na cadeia quem desobedecer e quiser incentivar/divulgar esta porcaria. Maconheiro formado e sem dentes, sao todos maconheiros, nao interessa…

    • Natasha Avital
      24 de maio de 2011 às 2:27

      Não é preciso legalizar todas as drogas pra resolver o problema do tráfico. Quando se fala que legalizar a maconha ajudaria a combater o tráfico, é pq uma boa parte dele se alimenta da venda de maconha, por vários fatores, desde o fato de que muita gente só usa ela (ou seja, se fosse legalizada, nenhum dinheiro desses usuários estaria indo pro crime) até o fato de que existe – apesar da ignorância – muito mais tolerância social em relação á maconha do que em relação a outras drogas proibidas.

      Legalizar a maconha acabaria com uma fonte significativa de renda para o tráfico. Ainda que acabasse com 1% que fosse, já seria dinheiro a menos pra financiar o crime organizado, uma idéia á qual acho que ninguém é contrário né?

      E outra: quem fuma não gosta de saber que tá mandando dinheiro pra traficante, quer ter a tranquilidade de poder comprar de pessoas que não estão envolvidas com o crime organizado, quer poder cultivar com os amigos, ou seja, fazer a coisa de forma menos prejudicial á sociedade.

      • Danilo Silveira Rodrigues
        24 de maio de 2011 às 14:52

        ERRADO!!! TOTALMENTE ERRADO!!!! O Trafico iria CONTINUAR VENDENDO A MACONHA! POREM MAIS BARATO! E de quebra iriam colocar outras substancias que causam dependencia na mesma maconha, para que voce nao pare de comprar deles!!!! Usa o que restou dos seus neuronios querida, traficante nao perde nunca! Eles devem estar lendo isto aqui e dando risada de voces! Pensando, olha ai galera, a gente eh fod**, a noiada tah tudo do nosso lado!!!

        • Natasha
          24 de maio de 2011 às 15:04

          ERRADO! TOTALMENTE ERRADO. Eu não fumo maconha, imbecil.

          • Daniel
            24 de maio de 2011 às 15:23

            Natasha, tudo bem? Apesar da ignorância dele, isso pode ser uma realidade possível: sem regras rígidas de controle, podemos estar legalizando a conduta corrupta dos traficantes. Foi como coloquei em outro post: quem vai ficar no controle da distribuição da erva depois da legalização? A porcentagem das pessoas que cultivarão por conta própria será significativa? E as sementes, após o cultivo em larga escala, gerarão que tipo de variação da planta? Quem estiver no controle da distribuição, controlará mentes.

            • Natasha
              24 de maio de 2011 às 16:34

              Não concordo em absoluto que ”quem estiver no controle da distribuição controlará mentes”. Isso não é mais verdade do que é verdade pra a indústria de álcool ou de remédios psicotrópicos. Só pq uma substância causa alterações do estado mental, não quer dizer que transforme quem a usa em um zumbi. Há que se parar com essa mística em torno da maconha como se ela abrisse as portas a um outro nível de percepção ou coisa parecida.

              • Daniel
                24 de maio de 2011 às 16:42

                Mas não disse em absoluto, e como postei agora a pouco pra outra pessoa, a maconha é sutil. É difícil prever, no geral, seu uso a longo prazo.

              • kinho
                24 de maio de 2011 às 17:33

                psicoativos causam mais psicose e loucura em pessoas que não os usaram.
                é só assistir grass: a droga do diabo. e dai a gente acha que os cara tão locão quando vêm dizer que a gente é bandido. foram anos de propaganda e medo e sabe como se deixa uma população inteira com medo? é só desinformar

                • Daniel
                  24 de maio de 2011 às 17:45

                  Justamente, estou mais preocupado com quem nunca usou tambem. Mas jamais pensei que os usuários no geral são criminosos. Fumar maconha não é errado, mas o que faz bem pra mim pode não fazer bem pro outro, e existem certos comportamentos que são comuns a todo ser humano.

          • Danilo Silveira Rodrigues
            24 de maio de 2011 às 15:35

            Nao me lembro disso e nao me referi em nenhum momento a voce, ainda mais com palavras de baixo calao. Imbecil?? Veja o porque voce acaba de perder a razao na sua argumentacao. Me ofendeu diretamente. Eh isso, voce para mim eh mais uma rebelde sem causa achando que esta na decada de 70 lutando por seus direitos quando na verdade nao sabe NEM O QUE QUER.

            • Natasha
              24 de maio de 2011 às 16:30

              ”E de quebra iriam colocar outras substancias que causam dependencia na mesma maconha, para que voce nao pare de comprar deles!!!! Usa o que restou dos seus neuronios querida, traficante nao perde nunca!”

              Não se referiu a mim? E isso foi pra quem? Vc não se lembra do que falou há cerca de duas horas atrás: ou isso é imbecilidade ou é mal de Ahlzeimer. Vai cuidar dos teus neurônios que tão bem piores que o meu.

              • Danilo Silveira Rodrigues
                24 de maio de 2011 às 17:42

                Pois eh, voce ve?! Isso pq eu nem fumo maconha. Criancinha revoltada… Seus amigos iriam adorar entupir voce de maconha, pra deixar voce bem relaxada, nao?

                • Natasha
                  25 de maio de 2011 às 14:09

                  Cara, vc é muito burro.
                  Faz um favor a si mesmo, não use nunca nenhuma droga lícita ou ilícita que possa mexer com teu cérebro: remédio tarja preta, bebida, absolutamente nada. Pq fico surpresa de vc ainda conseguir levar uma vida aparentemente normal com tanta incapacidade de interpretar o mundo ao teu redor. Se teu QI cair um pouquinho que seja, acho que vai ficar difícil conseguir andar e mascar chiclete ao mesmo tempo.

                  • gabriel
                    1 de junho de 2011 às 17:22

                    que caretisse

            • kinho
              24 de maio de 2011 às 17:34

              o que você quer senhor?
              qual a sua causa? emprego, fusion e ar condicionado?

  59. Hélio Vieira
    24 de maio de 2011 às 2:03

    Estou vendo muitos comentários a respeito das manifestações ocorridas por aí e, acho engraçado, se analisarmos o histórico dos países latino-americanos vizinhos do nosso querido brasil, Argentina, Peru… vemos um histórico marcado pela exploração dos recursos locais, bem como dos nativos ameríndios, mas vemos em contrapartida um histórico de luta, de manifestações e de consciencia política muito maior do que aqui, no “gradioso” Brasil, aqui o que vemos são comodismos, conformismo e ignorancia, por este dias vi tantos comentários dizendo que os envolvidos nas manifestações, deveriam ir trabalhar, que deveriam lutar por algo mais importante, então pergunto, chama ae uma manifestação contra a corrupção dos parlamentares, contra os altissimos salários pagos para os mesmo aqui no Brasil que supera e muito o de diversos países, como a exemplo da Argentina, se chamarmos manisfestações afim de temas que estas pessoas julgam importantes, eles iriam??? tenho certeza que nenhuma delas irão, nem 1/3 dessas pessoas que adoram fazer comentários sobre as lutas “alheias” não estariam presentes, então a questão é: se conscientize, busque conhecimento além das fontes, saia da alienação e se identifique com uma causa, não fique aí em seu mundo julgando as pessoas por acreditarem e lutarem por algo, aí sim diga alguma coisa…

    • Leandro Ramos
      24 de maio de 2011 às 3:43

      Isso que eu acho estranho, digam a verdade, que querem fumar sem que ninguém encha o saco! Agora não vem dizer que é para o bem da sociedade, dizer que o tráfico será extinto. Uau…eu acho mais feio! Sds…

      • Natasha
        24 de maio de 2011 às 20:44

        Mals aí, Leandro. Agora que vc me explicou o que é ”a verdade”, vou começar a dizê-la. Vou dizer que eu, que não fumo maconha, sou a favor da legalização pq quero fumar sem ninguém encher o saco. Não faz muito sentido, mas deve estar certo. Afinal, vc sabe melhor do que eu pq eu quero as coisas que quero né?

  60. 24 de maio de 2011 às 1:22

    parabéns pelo texto
    imagina qui bom seria si um dia si não existisse maldade nem brigas nem nada d ruim , pois é nem Deus agrado á tds i foi cruxificado ainda hj temos cigarro , bebidas muitas coisas qui são bem piores + a maconha aqui NU BRASIL é proibida i por causa d um fino si a policia t pega vc ta ferrado como eu ja quase fui preso só por issu i tive qui ouvi us policial fik tirando onda d mim coisa qui nu tinha nada a ve sobre a maconha , tipo perguntava meu nome eu ia responde eles gritava cala bok essas coisa tallz , gente negocio é só Deus pra salva a gente pois Brasil ta cada vez pior policia só vai na base da propina u trabalhador si fode u politico fik rico , i eu vo fuma um beck qui nessa hra eu relaxo fiko d boa sou + feliz i nu stresso com muitas coisas qui leiu tem muita gente idiota essas pessoas qui fazem u mal pessoas qui fuma maconha nu faz mal a ninguem pelo contrario faz u bem abx tds fikem com Deus..

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 1:41

      Ér…

    • 24 de maio de 2011 às 2:56

      Eita

    • Leandro Ramos
      24 de maio de 2011 às 3:45

      Isso me dá medo…mto medo! Aposto que nem na manifestação pra legalizar ele foi!rs E se chamar pra próxima, ele estará com preguiça, ficará em casa fumando e rezando…achando que Deus irá entupir as bombas de gás! Vixi…não podemos com isso!

  61. Benjamim
    24 de maio de 2011 às 0:25

    A legalização e regulamentação é realmente importante e pode trazer diversos benefícios aos cidadãos. A produção e comercialização da droga atualmente é uma coisa desprezível. Deve-se atentar que o conceito de “baseado” é confuso. A composição atual de uma belota é extremamente variável e imprecisa. Os adendos químicos muitas vezes desconhecidos. Fumar maconha hoje acaba sendo uma roleta russa.

    A regulamentação da maconha envolve muitos fatores. Fatores mais facilmente analisados, e não sem motivo, por países desenvolvidos a exemplo da Holanda.

    Aqueles que desejam ver a maconha devidamente produzida e regulamentada, devem procurar atuar nas áreas certas. Ir às ruas reinvidicar a legalização da maconha a um governo despreparado para o ato é meio complicado e dificilmente surtirá efeito.

    Sou a favor da regulamentação da cannabis, mas não simpatizo com a marcha.

    • Leandro Ramos
      24 de maio de 2011 às 0:37

      Concordo plenamente com sua visão!

    • 24 de maio de 2011 às 0:49

      sem mais.

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 0:52

      Gostaria inclusive de saber porque o movimento é tão genérico e pede a legalização da “maconha” ao invés de pesquisar a espécie mais adequada ao consumo e os níveis ideais das subtâncias na composição. Liberar e consentir a venda da “maconha turbinada” com sabe-se lá o que, embrulhada de forma displicente e armazenada sob péssimas condições?

      Esse movimento deveria evoluir em muitos aspectos e optar pelo “realismo” ao invés do “reacionismo”.

      Gostaria de ter respondidas algumas perguntas:

      - Que espécie de maconha é a mais indicada ao consumo?
      - Em que níveis as substâncias encontradas na planta são ideais para o consumo?
      - Quem vai regular a qualidade do produto?
      - Com que idade uma pessoa pode ser considerada apta ao consumo?
      - Em que ambientes as pessoas poderiam fazer o uso?
      - O sistema de saúde está preparado para tratar as pessoas que não se derem bem com a maconha?
      - Uma lei que libera já o uso indefinido e descontrolado da maconha responde às perguntas acima?

      • 24 de maio de 2011 às 1:02

        Obrigado pelas pertinentes perguntas.

        1 – Canabis Indica, ou Sativa, sempre fêmeas. Fuma-se apenas a inflorescência, nunca folha ou galhos. Híbridas também podem ser muito boas, dependendo da função desejada. Para efeitos psicoativos, vasodilatação, falta de apetite, maior concentração de THC é mais adequada. Para efeitos analagésicos e antidepressivos, maiores concentrações de CBD são mais indicadas. Nos EUA, onde em 16 estados a maconha medicinal é permitida, a erva é vendida com tais informações descritas no rótulo.
        2 – Níveis ideais para o consumo é um conceito relativo. Mas maconhas medicinais chegam a fortes 16% de THC sem qualquer consequência grave ao usuário. Uso excessivo pode levar a falhas cognitivas, recuperáveis em 3 meses de interrupção.
        3 – A ANVISA poderia regular a produção por amostragem em cultivos e dispensários diretamente. Plantas para uso pessoal não teriam como ser fiscalizadas.
        4 – 18 anos, como qualquer outra droga legal.
        5 – Em casa, em dispensários autorizados, em locais abertos e reservados, onde não haja crianças de outras famílias. Questão de respeito com quem, eventualmente, condena a maconha. Algo que poderia ser extendido ao cigarro e álcool.
        6 – O sistema de saúde seria muito bem preparado para lidar com eventuais usuários problemáticos se a receita dos impostos (e a economia com repressão) fosse direcionada em parte para isso.
        7 – Ninguém pensa em liberar o uso “descontrolado” da maconha. Legalizar É regular. Ou seja, criar normas, regras, padrões de produção e consumo. Assim como o álcool, cigarro e drogas farmacêuticas.

        • Benjamim
          24 de maio de 2011 às 1:37

          Bem, Bruno, acho que ficou claro que sou a favor da legalização. O meu problema é com o “legalize já”.

          Acredito que ao responder as perguntas você deve ter percebido a relatividade das respostas.

          Todas essas perguntas devem ser respondidas pelo governo tendo como base a nossa realidade.

          A legalização deve acontecer de qualquer forma, mas isso exige tempo e planejamento.

          Um movimento conciso tem um ideal sólido e claro. Creio não ser o caso da marcha e o digo com base no seu relato sobre os que queriam acender um baseado no meio da manifestação. Coisas como essa me fazem de certa forma lembrar o MST.

          As pessoas interessadas na legalização da maconha deveriam se reunir para se organizar e para debater o assunto focando em ações que visem proporcionar a infra-estrutura pro uso.

          • 24 de maio de 2011 às 2:17

            Há muita gente séria reunida, há anos, para discutir esses assuntos. Acadêmicos, médicos, policiais pró-legalização, políticos, ONGs… A marcha é uma forma de manifestar publicamente uma ideia, e dar voz a uma multidão reprimida injustamente, que quer o direito de cultivar e utilizar uma planta que apreciam. É claro que há muito usuário que vai pela festa. Claro que um e outro não entende a seriedade do assunto. Mas, como meu relato também diz, era uma minoria, imediatamente contida pelas manifestantes, não pela polícia.
            Existe muita, muita informação disponivel sobre maconha e muitas propostas razoáveis para uma legalização racional e sadia. Discordo que as respostas devem ser dadas pelo governo. Não há quase ninguém do governo que entenda do assunto. Ele deveria escutar, de ouvidos abertos, argumentos de especialistas, médicos, usuários, psicólogos, sanitaristas… e criar um ambiente político realista para a regulamentação. Mas, cá pra nós, o cultivo pessoal de maconha deveria ser legalizado sem muita discussão. É um direito individual, nada tem a ver com o resto da sociedade.

            • Benjamim
              24 de maio de 2011 às 6:09

              Com certeza acredito que há muita gente séria envolvida na legalização, Bruno. Tens de convir que dificilmente essas fizeram parte da multidão na marcha.

              Acho que as pessoas acabam misturando as bolas.

              O nosso país é democrático e por isso é o governo quem toma a decisão. Quando digo que o governo é que deve responder entenda como o governo precisa dessas respostas. Ele precisa deter as informações importantes para a tomada dessa decisão.

              Acredito, então, no trabalho dessas pessoas sérias que estão estudando e refletindo sobre o assunto e tentando levar o assunto ao governo pelas vias corretas. Isso está acontecendo aos poucos e acredito que assim deve ser para que as mudanças sejam inteligentes.

              Eu moro em Recife e assim como em outros locais citados por outros comentários, aqui também não houve essa repreensão dura como aconteceu em SP.

              Ao ler o seu relato a coisa que mais me passou pela cabeça foi o retrato de um governo inflamado e amedrontado pelas drogas pesadas e também, porque não, a introdução desse tal Oxi no mercado, reagindo erroneamente à questão.

              Bem, Bruno, infelizmente eu vivo envolto em problemas pessoais e fico meio preso, não podendo agir mais efetivamente em relação a isso e também outros assuntos.

              A última coisa que digo é que se eu fosse agir em prol da legalização, escolheria a turma das pessoas sérias que querem mudar as coisas pra melhor de forma consciente e inteligente utilizando-se das vias propostas pela democracia.

              • 24 de maio de 2011 às 7:06

                Manifestações públicas são uma das mais importantes vias democráticas. Aliás, é a base da democracia. Muitas das pessoas mais sérias que estudam o assunto estavam na marcha. Um professor da USP, Henrique Carneiro, pesquisador da história da canabis no Brasil, foi atingido por uma bomba na cabeça.

                Outra: A PM não está assustada com o Óxi. Que aliás, não é droga nova coisa nenhuma. Está aqui há anos, e a única diferença para o crack é a ainda pior qualidade de refino. Saiba que balas de borracha voam aqui nessa cidade em quase qualquer protesto… pelo aumento do ónibus, e, greve de professor.
                É um governo que prefere a ordem à justiça. Anti-democrático e demagogo. Sorte tua que em Recife a polícia cumpriu a constituição dessa vez

              • kinho
                24 de maio de 2011 às 17:39

                todos os anos se gasta mais dinheiro com o combate à maconha do que com estudos para entende-la.
                os governos não estão procurando uma resposta. é lucrativo proibir. quanto custa uma granada de efeito moral? quanto custa uma bala de borracha? quem lucra com isso?

        • Danilo
          24 de maio de 2011 às 2:15

          Olha o tamanho da sua cara de pau!!! Eu corto a minha língua se você realmente estiver interessado em tudo isso. Você parece muito inteligente Bruno, poderia usar os seus neurônios para outra coisa que não torrá-los com baseados. Você não esta interessado na dose certa recomendada, nao liga pra regulamentacao com normas, enfim, voce e TODOS  aqui dentro a favor desta PALHAÇADA só querem poder fumar o de voces na rua pra poderem ficar noiados a hora que quiserem onde quiserem, causando transtorno, incentivando o tráfico. Tampouco querem saber de democraciq, não sabem o que é isso. NUNCA saberão enquanto estiverem fechados neste mundinho de faz de conta que é a paranóia das drogas. Cresçam!!!! Estudem!!!! Leiam!!!! Vida de nóia não leva a nada. Erva medicinal eh chá de camomila!!!

          • 24 de maio de 2011 às 2:38

            Danilo… você não me conhece, não sabe o que faço ou o que penso. Apenas leu um texto meu e destila uma raiva estranha para uma pessoa que se considera tão sóbria.
            Eu não deveria lhe dar satisfações, mas darei. Não por você, mas por outros leitores que, aqui, podem me entender melhor.
            Eu mal fumo maconha hoje, como também disse no texto. Não compro há muito tempo, pois não me sinto bem. O último traficante que conheci era um policial civil. Fiquei deprimido ao saber, e desisti de comprar desde então.
            Há alguns anos estudo drogas. Fiz diversas reportagens sobre o assunto. Me envolvi com cientistas, fundações de pesquisa, autores de estudos e livros. Experimentei quase todas as drogas que tive acesso. Nunca me tornei dependente de nenhuma pois tive o cuidado de me informar muito antes de ingerir qualquer coisa.
            Acho a relação das substâncias com a consciência humana uma das coisas mais lindas e interessantes da natureza.
            Minha vida foi alterada, para muito melhor, por diversas experiências psicodélicas. Me tornei mais calmo, tolerante, mais feliz. Não as recomendo, não as receito para ninguém. Foi uma busca pessoal, sincera, espiritual. Uma busca divida com amigos e parceiros que se tornaram irmãos para mim.
            Não peço que mude de opinião. Só peço, para o seu bem, que reflita um pouco. Que, humildemente, admita que não tem todas as respostas.
            Não recomendo o uso de maconha. Nem de nenhuma outra droga.
            Mas faço apologia aberta da liberdade interior. Da capacidade de transformação do espírito e de nossa relação com os outros. É isso que te receito, com todo o respeito.
            Um abraço, afinal, estamos no mesmo barco.

            • Danilo Silveira Rodrigues
              24 de maio de 2011 às 17:55

              Isto sim foi uma verdadeira viagem psicodelica, voce ja deve estar com uns 3 na cabeca neste momento, nao? Veja as suas palavras:
              “Minha vida foi alterada, para muito melhor, por diversas experiências psicodélicas. Me tornei mais calmo, tolerante, mais feliz. Não as recomendo, não as receito para ninguém. Foi uma busca pessoal, sincera, espiritual” Se foi tao bom assim, porque voce parou? Soh por causa do policial que era traficante?! Eh esse o problema de criancas que acham que conseguem ter liberdade, nem ter consciencia de causa voce consegue ter.
              Verdadeiro papo de maconheiro! Faz um favor pra gente: continua estudando a interacao das substancias com a mente humana. Que eu vou pesquisar sobre como incentivar a opressao contra maconheiros nas ruas. A gente se ve por ai… Um abraco a todos, desejo a voces sorte na busca da legalizacao, sinceramente, depois voltamos e discutimos os resultados.

          • Natasha Avital
            24 de maio de 2011 às 2:38

            Danilo, me responde umas perguntas?

            1 – Vc acha que eu fiz certo em não voltar pra pós?

            2 – Vc acha que minha mãe tem razão naquela história da costureira? Eu devo dar o braço a torcer, ou sou eu que estou certa?

            3 – Qual vc acha que deve ser o próximo concurso que eu devo prestar?

            Digo isso pois vc demonstrou uma clarividência impressionante
            ao ler a mente de todas as pessoas participantes desta discussão, mostrando inclusive que sabe mais do que elas mesmas o que é que elas pensam, o que elas querem e pelo que elas se interessam.

            P.S: Eu não fumo maconha, mas agora que sua clarividência me revelou que só to interessada em ”fumar o meu”, começo amanhã mesmo a cumprir meu verdadeiro propósito, conforme revelado por Danilo, o Onisciente.

            P.S 2: Como alguém ”incentivaria o tráfico” fumando uma erva legal?

            • Danilo Silveira Rodrigues
              24 de maio de 2011 às 18:08

              Respondo sim, claro!

              1 – Vc acha que eu fiz certo em não voltar pra pós?
              R: Acho que a melhor de lidar com a fome eh comendo alguma coisa.

              2 – Vc acha que minha mãe tem razão naquela história da costureira? Eu devo dar o braço a torcer, ou sou eu que estou certa?
              R: Entao, a inflacao subiu bastante nesses ultimos meses, porque nao estudar uma forma de desaceleracao da economia e incentivar mais o mercado de exportacoes, talvez desaceleracao nao, mas sim contencao do crescimento. Afinal nao temos estrutura para um crescimento de mais 7% anual.

              3 – Qual vc acha que deve ser o próximo concurso que eu devo prestar?
              R: Acho que voce poderia pensar nao somente nisso, mas tambem em como obter maior sustentabilidade utilizando uma politica mais controlada para os derivados da cana de acucar, um grande causador de inflacao da economia quando nao regulado. Ah, tambem poderia checar com a sua mae e o seu pai, onde eles guardam as camisinhas no quarto deles…

              P.S: Eu não fumo maconha, mas agora que sua clarividência me revelou que só to interessada em ”fumar o meu”, começo amanhã mesmo a cumprir meu verdadeiro propósito, conforme revelado por Danilo, o Onisciente.
              Entao, aparece na marcha la, eu vou estar la nesta semana, a gente bate um papo cabeca, sobreos, ok?

              P.S 2: Como alguém ”incentivaria o tráfico” fumando uma erva legal?
              R: Falando serio agora? Tem muito mais coisa acontecendo fora do seu mundinho das drogas do que voce imagina, corre atras de alguma coisa mais produtiva e que agregue mais valor a nossa sociedade que ja eh tao pobre de valores. Posso te dar uma lista consideravel de ONG’s para se filiar e lutar por uma causa realmente nobre. Sinceras melhoras…
              Este foi o ultimo…

              • Natasha
                25 de maio de 2011 às 14:13

                Sua burrice me comove, Danilo. Vc me lembra um número de um comediante de stand-up que diz que pessoas da tua laia deveriam andar com plaquinhas que dizem ”Eu sou idiota” que é pra todo mundo já ficar avisado de antemão.

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 0:58

      Meu problema não é com a legalização e sim com os que acreditam no “legalize já”.

      • 24 de maio de 2011 às 1:14

        Não precisa ser JÁ! Até o fim do ano está bom…

        • Benjamim
          24 de maio de 2011 às 1:40

          Hehehe. Inviável.

        • Benjamim
          24 de maio de 2011 às 1:48

          Sabes me dizer quanto tempo durou o processo de legalização em outros países? Na Holanda, por exemplo, como se deu e em quanto tempo?

  62. Leandro Ramos
    23 de maio de 2011 às 23:11

    Eu acho que vocês poderiam também organizar manifestações para a melhoria da saúde pública, contra o miséria em São Paulo, contra as nossas licitações feitas de qualquer jeito, para beneficiar empresas de políticos que não tem caráter, e mais um monte de coisas, que nem dá pra listar vivendo nesse país indecente. Creio que a manifestação foi feita, infelizmente, para defender interesses pessoais.
    Imaginem como seria bom, uma vez por mês, durante um ano, na Av. Paulista, uma manifestação exigindo esclarecimentos das licitações da cidade de São Paulo, ou manifestações para exigir que a Prefeitura invista mais, muito mais, nas crianças das comunidades (quem sabe elas não se desinteressariam pelo tráfico, e aí a legalização poderia ficar para depois, se for esse realmente o interesse da manifestação). Infelizmente, não consigo imaginar que o problema do tráfico acabaria com a legalizacão da maconha. Como as crianças que não tem acesso à educação nas escolas entenderiam isso? Sei lá…acho que para todos que estavam na manifestação, a maconha é a única droga consumida (eu espero), mais e para essas crianças que citei? Que infelizmente são esquecidas pelo Poder Público, como elas ficariam tendo acesso a uma droga “nova” e legalizada? Que assim como o álcool, será mais uma porta de entrada para alguns. Tenho minhas dúvidas. Mais quando forem fazer manifestações contra essas coisas que acho mais importante, me avisem! Abraços!

    • Natasha Avital
      23 de maio de 2011 às 23:24

      Pq vc não começa a organizar manifestações contra as coisas que vc acha mais importantes, em lugar de colocar em dúvida as intenções de outras pessoas simplesmente pq não concorda com elas?

      • Leandro Ramos
        24 de maio de 2011 às 0:07

        Eu acho que concordo, sim! Ainda tenho minhas dúvidas com a legalização. Enfim, não estou colocando em dúvida a intenção de voçês, pois como disse, eu acho a intenção foi por um interesse pessoal. Acho isso meio estranho, pois acho que uma manifestação pode ser feita para tentar mudar alguma coisa (pra melhor, é claro rs) para a maioria das pessoas, por isso acho que existem outras assuntos que poderíamos lutar antes. E só falei que vocês poderiam organizar essas outras, pois como tiveram tempo para organizar essa, né?! Mas, se você for organizar e precisar de ajuda, pode contar comigo! Com certeza! Aí sim, valerá a pena tomar muitas balas de borracha!!! Abraços!

        • Natasha Avital
          24 de maio de 2011 às 0:38

          Leandro, eu não participei da Marcha. Pra ser bem sincera com vc, eu sequer sabia que ela aconteceria. Sabe como é,
          não é o tipo de coisa que a grande mídia tem muito interesse em divulgar.

          Mas basta vc ler o texto do Bruno pra perceber que a luta pela legalização vai muito além do interesse pessoal em fumar sem ser preso. Até pq quem, por exemplo, planta sua erva em casa, não está sujeito á pena de prisão, já que o cultivo e o consumo para uso exclusivamente pessoal não são punidos com cadeia. O texto fala da situação dos aviõezinhos, da probição fomentando o tráfico, o crime organizado, a corrupção policial. E isso afeta todo mundo.

          Eu nunca fumei maconha e não tenho a menor curiosidade de provar, já tive a chance mas não me interessei. Mas sou plenamente a favor da legalização. Em primeiro lugar, pois eu ou qualquer ente querido meu pode ser vitimado pela indústria do tráfico ilegal que se alimenta em muito do comércio de maconha. Em segundo, pois tenho um primo que, aos 18 anos, foi preso por tráfico pq estava levando maconha pra casa de um amigo. Não é consumo pessoal: ”transportar” droga pra outra pessoa é tráfico, crime equiparado a hediondo. Sou a favor da legalização pois não quero ver outros jovens, que nada fizeram de errado a não ser usar uma substância arbitrariamente definida como ilegal (que, se for fazer mal, vai ser apenas pra eles mesmos) ser jogados na cadeia com assassinos, estupradores, sequestradores, etc. Até pq lá muitos aprendem a ser bandidos de verdade…e vão colocar a mim e a toda a sociedade em risco.

          Defender a legalização vai muito além de um ”interesse pessoal.” Pode ter certeza que quem luta por ela a sério, em geral, o faz por acreditar que ela levaria a uma sociedade menos violenta, menos corrupta, mais segura para todas as pessoas. (Eu não luto ativamente pela legalização, mas sei que tem gente participando desse movimento que nem fuma maconha).

          • 24 de maio de 2011 às 0:50

            Falou e disse, Natasha. É exatamente esse o ponto. Legalizar a maconha poderia ser uma causa de todos… e, no fundo, beneficiaria mais quem não fuma do que os prórpios usuários.
            Obrigado.

            • Leandro Ramos
              24 de maio de 2011 às 3:35

              Quanto as colocações do Bruno, não sei, prefiro pessoas que dizem a verdade, por mais que não eu não concorde! Sei lá, digam que querem a legalização por não aguentar mais essa repressão por uma droga que causa tão pouco efeito, comparada a outras já legalizadas. Agora distorcer a realidade, dizendo que a população ganhará mais com a legalização do que as pessoas que consomem a maconha, acho demais! A população ganhará quando nós, jovens, estivermos com uma puta vontade de mudar as coisas que realmente influenciam na vida de todos, até mesmo na vida daqueles que achamos que a legalização da maconha trará vários benefícios, o que não acredito, pois o tráfico não acabará! Abraços!

          • Leandro Ramos
            24 de maio de 2011 às 3:24

            Vamos lá…quem planta e consome vai preso sim, depende só da quantidade. A proibição fomenta o tráfico, com certeza, mas hoje em dia a maconha não é mais a única droga e está longe de ser a mantenedora do tráfico, sabemos disso! Legalizando ou não, o tráfico, as crianças e seres humanos que perdem suas vidas continuarão do mesmo jeito. Digo isso com muita certeza, infelizmente! Quanto a um ente querido nosso ser penalizado por consumo ou transporte de drogas, digamos à eles que transportem pouca quantidade, assim não terão problemas, e que se seus amigos quiserem, eles que busquem. Será que os “amigos” do seu primo não deixaram eles buscar, pois era muita quantidade? Agora com relação à sociedade menos violenta, volto a falar, a legalização não fará nada com o tráfico. Se quisermos mudar realmente e estivermos preocupados com essa parte da população que sofre demais com o tráfico, prefiro as manifestações que citei acima! :)

            • Natasha
              25 de maio de 2011 às 14:16

              Vai ler a lei. ”Transportar” droga é crime. Pode ser apenas um baseado. Ninguém é preso pq tinha droga ”em muita quantidade” pra consumo, o que acontece é que muitas vezes a pessoa diz que era pra consumo, mas basta observar a quantidade pra ver que, a não ser que a pessoa compre droga pra fazer estoque em casa, aquilo era pra venda, portanto tráfico.

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 5:14

      Se você acredita na liberdade de expressão e no poder das manifestações de comunicar, então não seja contra uma manifestação que acontece. Seja contra a não manifestação. Sejamos a favor de nós mesmos. Somos muitos e temos voz. O inimigo não é o maconheiro. O inimigo causa a miséria de São Paulo, faz licitações em benefício próprio. Se você não estiver do lado de quem grita e ergue a bandeira, independente da causa. Estará do lado dos que se calam. Organize a marcha da saúde pública, e chame os maconheiros, eles irão!

  63. paulo
    23 de maio de 2011 às 22:57

    Na historia da humanidade ainda nao existiu um tempo em que nao se consumiu drogas.
    Proibir é dar força ao crime.
    Tem muita gente no poder que tem interesse pra que a coisa continue assim.
    Temos que aprender a votar direito pra esse pais mudar.

  64. Leticia
    23 de maio de 2011 às 22:39

    Texto preconceituoso e tendencioso, o primeiro que deveria estar aberto a um debate deveria ser você mesmo,você se contradiz!

    Com esse tipo de atitude como quer ver uma mudança no mundo?

    • Natasha Avital
      23 de maio de 2011 às 22:45

      Vc vai ter que explicar melhor isso. Como exatamente o texto foi preconceituoso e tendencioso?

    • 24 de maio de 2011 às 1:17

      Estou super aberto ao debate. É tudo, aliás, o que peço: debater. Qual contradição e preconceito você percebeu no meu texto?

  65. 23 de maio de 2011 às 22:22

    A policia é educada para torturar caso receba ordens. Uma marcha CONTRA a legalização é liberada, e uma a favor não é? Todos tem o DIREITO previsto pela constituição de se manifestar. vivemos em uma democracia, não é mesmo? não é mesmo? não, não é mesmo! que porra de democracia é essa que não dá voz ao povo. Independente da idéia que você carrega na sua mente, você TEM TODO O DIREITO DE FALAR! E sabe do que mais senhoras autoridades, a proibição favorece UNICA E EXCLUSIVAMENTE O TRAFICO DE DROGAS que a cada dia tem tido sem poder aumentado em escalas monstruosas. Só um governo burro e alienado como esse não percebe os beneficios que a legalização traria!

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 5:42

      Os caras que vendem armamento pra policia são os mesmos caras que enriquecem com a construção de cadeias. Quanto mais detentos mais lucro, quanto mais policia pra combater o trafico mais lucro. São donos do jornal que você lê, do canal de TV que você assiste. Esses caras compram voto no senado pra decidir qual lei entra e qual não entra. Eles dobram as leis em favor de suas empresas, são os donos do poder – (Raymundo Faoro). Proibiram a cannabis pois produziam algodão e não queriam uma fibra forte como a do cânhamo no mercado, concorrendo. A legalização acontecerá quando isto representar lucro para estes senhores. E então compraremos a planta diretamente de uma de suas farmácias.

  66. 23 de maio de 2011 às 22:08

    criei um evento no FB pra ajudar na divulgação da próxima marcha. todos temos o dever de ir!
    http://www.facebook.com/event.php?eid=121407784608555

  67. Julio
    23 de maio de 2011 às 21:46

    A democracia sugere a livre expressão de idéias e opiniões. Então algumas pessoas pensem “A” sobre determinado assunto e outras pensam “B”.
    Seu texto é bem construído, mas pra mim você se equipara ao policial tosco ao dizer que quem é contra a legalização é neo facista, nazista. Por que só a opinião de vocês é justa?
    Gente que não sabe o que é democracia merece tomar porrada da polícia mesmo :)

    • 23 de maio de 2011 às 23:27

      Caro Julio.
      Jamais sugeri que quem é contra a legalização é facista ou nazista.
      Acho apenas que quem acha que gente se manifestando pacificamente merece apanhar é facista.
      um abraço

  68. felipe
    23 de maio de 2011 às 21:45

    São Paulo , ja virou uma babilonia desequilibrada e incontrolavel , com muita desigualdade tanto de informação qnto de idéias ,a babilonia doente de extremos, talvez seja o lugar q mais precise da cannabis pra conscientizar e apaziguar a seus moradores , mas o lugar menos receptivo pra uma discussão onde se precise de equiliibrio e calma para chegarmos a um lugar plausivel , quando pessoas conscientes se encontram com fantoches do sistema e pessoas submergidas na falta de informação , eh isso q acontece… ainda bem q nos outros lugares onde ocorreu( Recife , Porto Alegre , Brasília , Rio etc…) a babilonia ainda não chegou a esse extremo q vimos .

  69. sandra
    23 de maio de 2011 às 21:23

    Depois de ler tantas besteiras, vejo que os jovens de hoje são tão desinformados, vão estudar um pouco sobre as drogas e seus efeitos colaterais e até medicinais e depois leiam as bobagens que escreveram.
    daqui há pouco vão achar que devem liberar pedofilia, que homosexualismo é totalmente normal porque foi criado agora a união do mesmo sexo porque é legal, o DNA está mutante, que político deve roubar e está certo, isso tudo que está acontecendo no nosso país é a falta de vergonha na cara, pois ninguém quer saber de nada, ninguém quer sair na luta para tirar os corruptos, continuam votando nos mesmos que nada fazem. ISSO É FALTA DE AMOR EM SI MESMO E EM DEUS, VAMOS AMAR MAIS, VAMOS TER MAIS AMOR NO CORAÇÃO E PENSAR EM QUEM ESTÁ DO SEU LADO.

    • 23 de maio de 2011 às 23:30

      Eu acho que homosexualidade é totalmente normal. Você não? E todo DNA é mutante, daí o processo de evolução biológica do qual fazemos parte. Você não?

    • Natasha Avital
      24 de maio de 2011 às 0:45

      Vamos ter amor no coração e pensar em quem está do nosso lado…a não ser que quem está do nosso lado ame pessoas do mesmo sexo, aí é uma pessoa ”anormal”. E viva a hipocrisia!

  70. Ohanna Correa
    23 de maio de 2011 às 20:56

    Va trabalhar e aprender o hino, drogado do caralho! =****

  71. 23 de maio de 2011 às 20:52

    Gente, alguém contra a discussão pode me explicar QUE MEDO É ESSE?

    • Ramalho
      27 de maio de 2011 às 18:24

      Também gostaria de entender isso melhor.
      Algum psicólogo, antropólogo, sociólogo ou curioso arrisca uma resposta?
      Às vezes acho que o medo dessas pessoas é o medo de encarar a si mesmas… Acho que isso seria duro demais.

  72. Henrique Cardoni
    23 de maio de 2011 às 20:37

    A questão não é apenas os prós e contras da maconha, mas sim os prós e contras da proibição dela.

    Inacreditável são essas marionetes da burocracia atirando em gente pacífica!

    Triste que a Cannabis seja ilegal, pior que seja imoral, inaceitável que seja indiscutível.

    Um filme válido:

  73. Tiago Santos Soares
    23 de maio de 2011 às 20:22

    O exercício do direito constitucional de manifestação( no caso passeata) vem sendo constantemente reprimido de forma violenta pela polícia fascista de SP, qualquer que seja a reivindicação. A tendência lógica é o endurecimento da estratégia de resistência dos manifestantes, que logo menos vão começar a utilizar coquetel molotov e outros métodos mais radicais, objetivo este essencial para a mídia corrupta- governamental – corporativa passar a minimizar e marginalizar os movimentos sociais. Daí os “arrotos” de matérias compradas serão facilmente digeridos pela ignorância sectária dos leitores superficiais e reacionários. SIM AO DEBATE!

  74. carolina
    23 de maio de 2011 às 19:42

    Se acontecesse de um marqueteiro/empresário influente chegar com cálculos de lucros que mostrassem que a venda de maconha industrializada em forma de cigarros geraria muito, mas muito dinheiro a todos os envolvidos nesta comercialização, independentemente de qualquer dano à saúde, o poder público seria pressionado (ou comprado) pela iniciativa privada e logo começariam a aparecer divulgadas pesquisas mostrando que fumar maconha nem é tão ruim assim, que veja bem, você pode ser uma pessoa mais criativa fumando maconha, que foram ouvidos relatos de pessoas que passaram a ter melhor desempenho sexual e existem evidências de que ela pode evitar o desenvolvimento de câncer (!). O William Bonner iria fazer uma reportagem especial sobre como na Holanda o uso livre da maconha é um sinal de desenvolvimento, afinal de contas na Europa é tudo diferente, deveríamos ser civilizados e seguirmos o mesmo exemplo, uma pena que no Brasil nada funciona e tem tanto vagabundo marginal por aí sendo morto por conta de algo que é tão… natural. Artistas começariam a defender o uso e transformar isso numa coisa cult. No prazo de alguns anos seria possível ver por aí propagandas onde garotas semi-nuas numa praia paradisíaca estariam fumando um baseado ao invés de estarem tomando uma cerveja gelada (nas linhas miúdas apareceria: fume com moderação, se fumar não dirija).

    Para proteger o mercado, seriam divulgados relatórios mostrando que a plantação caseira deve ser evitada por serem as plantas de qualidade inferior; porque o produto final não passa por análises de qualidade e porque os cigarros não têm filtros. A Monsanto seria detentora das sementes e de todos os insumos necessários para produção.

    Afinal minha gente, pagando bem, que mal tem? Se der lucro, cria-se uma grande ilusão coletiva e em alguns anos ninguém mais vai nem PENSAR em questionar se faz bem, se faz mal, a memória curta vai apagar discussões como a deste texto e quem ainda conseguir lembrar de alguma coisa vai contar pros netos que é da época em que se precisava fumar um escondido pq esse cigarrinho que vc meu filho compra hoje na padaria na minha época dava cadeia…
    Então, no dia em que ficar demostrado aos interessados que eles podem ganhar mais dinheiro com a comercialização aberta da maconha do que embolsando a grana pública destinada ao combate ao tráfico, às invasão de favelas, à compra de armas; no dia em que o policial puder ter uma fonte de renda que não seja a propina do traficante; no dia em que um governador de Estado, sendo médico, admitir que o poder público tem mais gastos tratando de problemas causados pelo consumo de álcool (sendo lesões causadas por crimes e acidentes ou seja doenças desenvolvidas) do que gastos médicos relacionados ao uso de maconha; neste dia será possível comprar um beck no mercadinho da esquina.

    Até o dia em que alguém inventar outra forma de lucro pra continuar sacaneando o cidadão de bem, sendo ele a favor de um fino, seja ele adepto da breja do final do expediente, seja ele consumidor ávido de café, ou de pílulas para dormir, ou de remédios para emagrecer…

    Sem opinião própria somos apenas fantoches das opiniões alheias. Sem informação somos apenas cabeças prontas para serem manipuladas. Antes de emitir uma opinião, informe-se e tenha respeito, acima de tudo.

    Em tempo: este filme é interessante para entender um pouco como é fácil, no período de alguns anos, transformar a opinião pública. Trata-se de Grass: Uma história da Maconha, que pode ser encontrado em DVD mas está disponível neste link na íntegra. Mesmo que você seja contra o uso por qualquer motivo, é um instrumento de informação que pode deixá-lo mais esperto quando alguém vir lhe falar qualquer história, seja ela sobre maconha ou sobre os benefícios de comer iogurte diariamente.

    (as legendas em português aparecem clicando no botão “CC” na direita abaixo do vídeo)

  75. Marina
    23 de maio de 2011 às 19:40

    Muito bom o texto. Dá pra sentir o que aconteceu com quem esteve por lá.
    infelizmente o ser humano é um bicho com muito ódio – vide alguns comentários.
    E os mais intolerantes, bom, elegemos eles, são eles que estão no comando.

    Sugiro a todos que se sentiram revoltados com a situação a pensar melhor seu voto. São Paulo virou um estado medíocre. Há 16 anos (mais) nada muda nem sai do lugar.

  76. Natasha
    23 de maio de 2011 às 19:37

    Ops, falei besteira. Estou acompanhando as discussões aqui e no blog do Sakamato, a princípio achei que esse comentário tinha sido postado lá.

  77. elton bergamo
    23 de maio de 2011 às 19:33

    que policia e essa que deixa livremente o uso de crack por adultos , jovens e crianças aqui no centro livremente dia e noite, que vivem como zumbis pelas ruas e a policia nåo faz nada!!!! alegam que e um problema de saude publica, nåo se esqueça que o crack e uma droga ilicita tambem!!!!
    ou legalizaram o crack e nåo to sabendo!
    que policia e essa que trata uma manifestaçåo pacifica dessa forma!
    que pais e esse que vc trabalha paga seus impostos e ainda e tratado assim pelos seus governantes e policiais sem direito de se manifestar!
    mas se vc e crackeiro sinta se avontade!!!

  78. Marco Labão
    23 de maio de 2011 às 19:19

    Seu texto foi excelente e deve mesmo servir de exemplo para qualquer que seja a próxima “marcha”. Não sou usuário da maconha, nem de nenhuma outra “droga”, mas experimentei várias vezes e estaria nessa manifestação ao lado de meus Amigos usuários. O meu não uso é só porque não me agrada o gosto e nem vejo um efeito que possa me agradar, no entanto bebo regularmente cerveja, vinhos e outras bebidas que considero mais maléficas que a Canabis. O uso da maconha é perfeitamente tolerado no sistema prisional pelo simples fato de manter os internos mais calmos, e isso é ruim? Também desconheço crimes brutais cometidos por usuários de maconha. Cocaína, crack e agora o oxi sim devem ser banidos e combatidos com mão de ferro por já terem atestado de sua influência sobre o cérebro, todo o resto é hipocrisia. Mas o fato é que se impediu uma manifestação pacífica em local público, isso um crime contra a democracia, contra a livre expressão. Os neo qualquer coisa são os mesmos que combatem o GLSBT’s e nem por isso foram hostilizados dessa vez, que país é esse?

  79. Natasha
    23 de maio de 2011 às 19:04

    P.S: Sabia que denunciar alguém qdo não existem indícios mínimos da prática da infração é crime? Se vc ainda não mandou seu esperneio pras autoridades, pense bem antes de ser indiciado por denunciação caluniosa.

  80. Natasha
    23 de maio de 2011 às 19:03

    Parabéns, Danilo. Sua denúncia inútil e sem fundamentos vai gerar um inquérito policial que vai precisar ser autuado, passar pelo Ministério Público e pela Justiça até ir para seu devido lugar: o arquivo (o ideal seria o lixo, mas infelizmente não se pode simplesmente mandar esperneios como o seu para a lixeira) O tempo e os recursos que a polícia e o Judiciário nem tem direito vão ser gastos pq vc foi incapaz de ler a lei que citou, e entender que o Sakamoto não cometeu crime nenhum…ou leu, e não teve neurônios suficientes pra entender que o que ele fez não é crime.
    Palmas pra vc, Danilo. Menos tempo e recursos na investigação de homicídios, roubos, estupros, e até do tráfico de drogas, por causa do teu esperneio.

  81. Fui
    23 de maio de 2011 às 18:21

    Parabéns pelo texto, é um belo relato de uma triste história mesclado com reflexões ancoradas no bom senso e não em preconceitos idiotas. Liberdade de expressão e livre arbítrio já. Quem brada contra a erva, contra a união homossexual e etc está fazendo hora extra no mundo. Se não usa, se não é, respeite. Respeito é a chave.

  82. 23 de maio de 2011 às 18:08

    Ótimo embate entre intelectual esclarecida com conhecimento de causa X jornalista mal informada preconceituosa (da Globo? óóó…):

  83. jrg
    23 de maio de 2011 às 17:58

    A educação e a cultura do brasileiro não é igual a do europeu. Aqui o bandido se droga cometer crime, já pensou se libera a maconha? Vai ser uma baderna mais do que já é. Esse papo de liberar a maconha é coisa de maconheiro sem vergonha que quer desfilar nas ruas fumando, sem que a policia lhe abode. Ai uns babacas vem com os papos “temos que conviver com as diferenças”, então se minha diferença é passar a mão na bunda das meninas, elas terão que conviver com esse mue vício?…É a mesma coisa.

    • 23 de maio de 2011 às 18:06

      vc já ouviu falar de alguém que fumou maconha e cometeu um crime? vc já se interessou em ler sobre os efeitos da maconha antes de vomitar suas palavras?
      isso é falta de informação, jrg.

      • jrg
        23 de maio de 2011 às 18:25

        Espero que vc não é uma maconheira que participou da passeata, né. A maconha tem sim propriedades medicinais, principalmente como analgésico, que são indicados para pessoas que realmente precisam em alguns paises e não para pessoas que querem fumar para fugir da realidade e ficar falando merda. Legalizar para uso medicinal, sim. Mas aqui no Brasil difilmente daria certo. Aqui não se tem fiscalização de nada. Agora, Danielle, se informe acessando os boletins de ocorrencia da Policia Militar do Estado de São Paulo onde 82% dos latrocínios os criminosos estavam DROGADOS (também com maconha) para ter mais coragem. Se liga, sai dessa…enquanto é tempo.bjs

        • 23 de maio de 2011 às 19:39

          Eu respeito sua opinião, mas posso te garantir que uma pessoa que SÓ fuma maconha não tende a ser agressiva e a cometer crimes. Eu não sou dona da verdade (nem quero ser), mas acho que vc tá enganado com essa pré concepção.

          (Você acha que as pessoas não devem fumar pra fugir da realidade e ficar falando merda. por acaso vc consome bebida alcoolica? se vc disser que não, meu respeito por ti subirá)

        • Paulo
          23 de maio de 2011 às 21:26

          Defina ‘realidade’.

        • Piero Chiaretti
          24 de maio de 2011 às 2:11

          Ah, tá, entendi. Não ia dar certo, então por isso é melhor nem pensar no assunto.

          Por causa desse tipo de mentalidade fomos o último país do mundo a abolir a escravidão. Tivemos uma ditadura militar de mais de 20 anos. É justamente gente como você, que desconhece o poder que tem a livre organização de ideias e iniciativas, que acha que ‘não vai dar certo’. Reunimos quase mil pessoas MESMO DEPOIS da ordem judicial, e mesmo sob as ameaças constantes de violência por parte da polícia.

          A legalização da maconha não é um ‘libera geral’. Libera geral é a situação que temos hoje, onde um moleque de 15 anos com um mínimo de esperteza consegue descolar um baseado em qualquer lugar da cidade com uns trocados. Sabe por que vai funcionar? Porque vai dar dinheiro. Muito dinheiro. E quando alguma coisa dá dinheiro, o capital faz com que funcione.

        • kinho
          24 de maio de 2011 às 17:47

          a policia militar foi criada para reprimir a população. e na hora de procurar informação sobre drogas você vai direto no orgão repressor?

          pergunte a Hitler o que foi o nazismo, porra!

    • Paulo
      23 de maio de 2011 às 21:23

      Faz um favor pra gente, então, vai morar na europa.

  84. Arthur
    23 de maio de 2011 às 17:55

    Fala Torturra, voltou a ter um blog! Muito bacana, lembro do seu antigo blog, Fudeus, sempre tinha alguns textos bem legais.

    Abraços

  85. Caroline Cezar
    23 de maio de 2011 às 17:43

    Ô DEOS! Mas né! Se dêem o trabalho de ler um pouquinho, aqui nos comentários tem bastante informação gente, dá pra parar de falar besteira? Papagaiada.

  86. Luiz Claudio
    23 de maio de 2011 às 17:38

    Não sou a favor nem contra a legalização da Maconha, ainda não tenho uma opinião formada sobre este assunto pois acredito que existam temas muito mais importantes do que esse à serem tratados. Na minha opinião uma pessoa que investe seu tempo p/ ir numa manifestação que visa a legalização da maconha é uma pessoa que realmente não tem muito o que fazer, ou acha que a maconha é um item vital na vida e que vale a pena lutar por ela. Tanta gente passando fome, a saúde no país é uma vergonha, mas esses que participaram da tal “marcha da maconha” tenho certeza que não se mobilizariam p/ defender quem depende da saúde pública por exemplo. Acho lamentável jovens que teriam tudo p/ servirem ao país de uma forma mais relevante, se sujeitarem a ir as ruas e lutar pela legalização da maconha. Liberdade de expressão é um item que faz parte da democracia, mas acho que essa manifestação nada teve a ver com isso.

    • Caio
      23 de maio de 2011 às 17:44

      Não, era com certeza pra poder usar livremente na rua, poder fumar no parque, na praia… Com tantos problemas que acontecem no brasil que se juntássemos essa vontade que tiveram contra a marcha da maconha… É como o amigo disse, vamos juntar essa vontade com coisas um pouco mais relevantes… a maconha a gente pode deixar pra depois… quem gosta vai continuar usando!
      Com impostos altos, gasolina exorbitante, telefonia celular mais cara do mundo, volkswagen,GM,FIAT que faturam 300% em cima de um carro novo… porra …presta atenção

      • Paulo
        23 de maio de 2011 às 21:33

        Caio tem muita razão o seu argumento. Agora, pense uma coisa: se uma manifestação sobre um assunto de menor importância pode ser reprimida com tamanha violência, o que vai acontecer no dia em que resolvermos nos manifestar pelas questões mais profundas? Dá medo só de pensar…

      • Piero Chiaretti
        24 de maio de 2011 às 2:15

        Engraçado este argumento de “não é importante o suficiente”.

        Lembremos o seguinte: A marcha era ‘da maconha’ até que a ordem judicial proibiu isto. Daí passou a ser uma marcha pelo direito de dizer que algo que é ilegal deveria deixar de sê-lo. Se você discorda disso, sugiro tecer críticas ao poeta Castro Alves, só pra começo de conversa, que foi um dos pioneiros desta história de pedir q

        • Piero Chiaretti
          24 de maio de 2011 às 2:19

          …desta história de pedir publicamente que uma determinada lei mude.

          Em segundo lugar, uma coisa que impressionou na marcha é o número de pessoas que já se conheciam de diversos protestos que têm acontecido recentemente. Quando o protesto é pela legalização da maconha, dizem que a causa é ‘pouco importante’. Quando é pela melhoria do transporte público dizem que ‘quem protesta é filhinho de papai e nem usa ônibus’. Quando é pela educação, dizem que ‘estes maconheiros filhos da puta têm mais é que estudar’. Querem saber? O problema não é quem vai protestar, é quem reclama do protesto dos outros. Vide os fascistas acima.

    • Caroline Cezar
      23 de maio de 2011 às 17:48

      “Tanta gente passando fome, a saúde no país é uma vergonha, mas esses que participaram da tal “marcha da maconha” tenho certeza que não se mobilizariam p/ defender quem depende da saúde pública por exemplo.”

      TRÁFICO
      SAÚDE PÚBLICA
      FOME

      Tamo falando da mesma coisa!

      • Caio
        23 de maio de 2011 às 17:52

        Eu acho que a liberação da maconha não tem nada a ver com isso não… mas enfim cada um acha q entende o que quer… e cada um acha q faz oq quer tbm…
        Vamo que vamo !

        • Caroline Cezar
          23 de maio de 2011 às 17:56

          tráfico/ fome/ exploração de crianças – só acontece devido à ilegalidade;

          se fosse legal era produto, rendia impostos, tinha controle de qualidade e distribuição. consumo podia ser em lugares determinados, como é na Holanda.

          saúde pública – impurezas nas drogas; criminalização do usuário (se o cara pedir ajuda corre o risco de ir preso);
          e por aí vai.

          • Caio
            23 de maio de 2011 às 18:05

            Ahh pq com certeza se legalizar a maconha a saúde vai ficar melhor, o trafico va melhorar ( magina que não vão substituir com uma coisa nova, é o caso do Óxi).

            Eu só acho que ver a situação por cima, não vai levar a nada..

            Vcs souberam oq aconteceu com a Holanda quando liberaram o uso da maconha em uma determinada zona em Amsterdam? Procurem saber os primeiros anos como foi, e depois de mta politica em cima e conscientização hoje é oque é, um exemplo !

            • Caio
              23 de maio de 2011 às 18:08

              Hoje a maconha é liberada na Holanda inteira e não em determinadas zonas(coffeshop). Porém a educação de lá quanto a isso é diferente. Existe lugares onde vc pode usar ou não, assim como cigarro aqui. Se vc encontra um policial na rua ele pode no minimo pedir que vc apague. Fim!

              • Piero Chiaretti
                24 de maio de 2011 às 2:24

                É claro que a ‘educação de lá é diferente’. Foi dado ao povo daquele país a chance de decidir sobre uma questão (uso de drogas pela sociedade) de forma adulta, ou seja, avaliando os prós e os contras como seres humanos, indivíduos (não é o que prega o nosso sistema? Que somos indivíduos?).

                Quando o sistema age para impedir uma violência, por exemplo, um estupro, ele preserva o direito de uma pessoa (a vítima) diante do crime de outra (o estuprador).

                Quando o sistema age para impedir que eu me drogue, ele está preservando que direito? Quem é a vítima? A sociedade que sofre com o tráfico? O tráfico só existe por causa da proibição. Minha família? Veja bem, como você mesmo disse, na Holanda as coisas são diferentes. Lá, é muito incomum encontrar maconheiros convictos, como tantos que há por aqui. Por que? Porque a maconha lá é um fato da vida, uma coisa que a sociedade não tem medo de admitir que existe, com a qual a sociedade não tem medo de lidar. Agora, não venha achar que tal ‘educação’ vá surgir do dia para a noite. Acredito que o Brasil, como qualquer país, tem condição para dar aos seus cidadãos o poder de decidirem sobre os próprios corpos sozinhos. E você?

          • VITORIA
            23 de maio de 2011 às 18:13

            ENTAO VAMOS LEGALIZAR O TRAFICO DE CRIANÇA, QTA GENTE IGNORANTE NESSE PAIS DE MERDA! ONDE NAO HA ORDEM NEM PROGRESSO A NAO SER NESSA BANDEIRA Q BRASILEIRO ACHA LINDO ORGULHAR. TENHO VERGONHA DESSE PAIS

            • Caroline Cezar
              23 de maio de 2011 às 18:21

              Ô IMBECILIDADE sem tamanho, por causa do tráfico de DROGAS acontece a exploração de crianças, trabalho infantil, avião, já ouviu falar?

              ai, desisto viu.

              • Luiz Claudio
                23 de maio de 2011 às 21:24

                Caroline, você esta colocando o tráfico de drogas como o centro de todos os problemas e não é bem assim, não é legalizando as drogas que a maioria dos problemas iram se acabar. Acredito que o problema mais grave que temos atualmente é a educação (nela esta incluida a conscientização) e se tivessemos uma educação exemplar, todos nós teríamos direito de fazer o que quisessemos, sem nenhuama restrição da lei, agora vá dizer isso aos não tem acesso nenhum a educação, pessoas que não entendem as consequencias e mesmo assim consomem drogas, pessoas que se destroem sem saber o maleficio que aquilo esta causando à elas e a sociedade. Eu sei que Maconha é uma droga tida como leve, mais leve até que o próprio alcool na minha opinião, porém temos problemas muito maiores à serem resolvidos antes da começarmos a pensar na liberação das drogas, se isso um dia for acontecer mesmo, teríamos que preparar o país p/ isso e não tentar empurrar goela a baixo.

            • Piero Chiaretti
              24 de maio de 2011 às 2:26

              Aprenda a ler com calma e cuidado antes de criticar a opinião alheia e já alardear a sua ‘vergonha do país’. Impulsividade e falta de paciência como essas são a vergonha da raça humana.

            • danilo
              24 de maio de 2011 às 4:32

              vai embora então!

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 17:52

      Eu acredito em qualquer manifestação que junte pessoas em prol de uma causa comum. E não concordo que as pessoas que participaram da marcha não se mobilizariam em prol de outras causas. É facil condenar os que se movimentaram tomando uma coca-cola sentado no sofá.

  87. Diógenes
    23 de maio de 2011 às 17:36

    Bando de maconheiro de classe mérdia!
    Por que não se mobilizam por algo melhor?
    Isso é a farta de conhecimento cultural – bando de boçais!

  88. Pedro
    23 de maio de 2011 às 17:27

    Parabéns pelo texto.
    Fico feliz que podemos transmitir a real defesa do movimento, com os argumentos adequados a aqueles que olham com preconceito, e não conseguem sair da superficialidade do assunto.
    O triste é ver a manifestação e o argumento contrário. Os aplausos dos neo qualquer coisa diz tudo, assim como alguns comentários por aqui.
    Qual sociedade queremos? Com esses trogloditas ignorantes ou uma que tolere as diferenças? Infelizmente estamos partindo pra 2 extremos, e infelizmente, São Paulo parece que está dentre os mais conservadores. Pois quem nos governa foi eleito pela maioria, sem nem segundo turno.

  89. Caio
    23 de maio de 2011 às 17:26

    Não defendo nenhum lado, vou deixar claro que uso e gosto da maconha.

    Não acho certo um bando de maconheiro se reunir querendo a legalização da maconha por somente pensar em seu uso próprio, e o cultivo. Aposto que metade dessa galera que estava reunida nas ruas só estavam querendo a liberação para o seu proprio egoismo.
    Eu já acho que o debate com certeza deveria acontecer, o uso da violência não explica nada e não faz a situação andar para frente.

    Eu defendo com um outro proposito..eu acho que precisa de um estudo… não adianta simplesmente legalizar e deixar a deus dara… esse pessoal não pensa nas conseqüências que traria a liberação nos primeiros anos… tem que ter uma politica de prevenção.. “Ensinar” que usar a maconha na sociedade, assim como álcool.

    Enfim… a policia exagerou com certeza, agora os manifestantes não foram flor que se cheira… ninguém ali é bobinho….

    • Paulo
      23 de maio de 2011 às 21:51

      Pois é, Caio. E, conhecendo o Brasil de hoje, por enquanto, talvez o melhor seja deixar a coisa como está, mesmo! Fica menos pior… Imagina, fazer um estudo sério e imparcial pra legalização de uma droga!! Aqui no Brasil! Aqui, na nossa casa, onde nem estudo pra linha de metrô se consegue fazer direito, ainda! Vamos nos esforçar pra educar as próximas gerações! Disseminar a informação de qualidade! Quem sabe daqui a algumas gerações, nossos filhos e netos estarão discutindo essa e outras questões, como adultos, e não no nível que estamos vemos por aí hoje em dia.

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 17:57

      velho, imagine você se esconder pra beber cerveja! seu pai, no final de semana ser zuado pela policia por portar um velho barreiro e limões. egoísmo é assistir à repressão mudo. você vai ter filhos, e quem sabe eles terão vontade própria e gostos próprios. a maconha não é melhor nem pior que o alcool. só não foi aceita, e te deixaram assustado quanto a ela para que você se recuse a discuti-la

  90. 23 de maio de 2011 às 16:41

    parabéns Bruno pela coragem e pelo trabalho admirável que você tem feito pelo aumento dessa consciência. Sim, quanto mais a gente tenta se libertar, mais as forças do atraso recrudescem, mas esta é uma guerra perdida para eles. 1984 nunca chegará, porque nosso cérebro coletivo quer se libertar. É assustador essa cena da meia dúzia de neonazi aplaudindo a PM, mas eles são insignficantes, covardes. Sábado passado não fui, deveria ter ido, mas neste sábado estarei lá!

  91. 23 de maio de 2011 às 16:22

    Legalize a democracia e a liberdade de expressão! Depois poderemos discutir outros assuntos com o respeito merecido.
    Bruno, agradeço pela oportunidade que vc dá para aqueles mais alienados tentarem entender essa causa e respeitarem as diferenças, explicando que o problema maior é esse fascismo existente na nossa sociedade, onde as pessoas aplaudem a covardia da polícia. Lamentável.

    • Danilo Silveira Rodrigues
      23 de maio de 2011 às 17:01

      Democracia e liberdade de expressao nao tem nada a ver com VALORES. Quando voce descobrir a diferenca entre os dois, ai sim iremos discutir a democracia e a liberdade de expressao.

      • Paulo
        23 de maio de 2011 às 21:54

        Não? Tem a ver com o quê, então? Qual é a instituição humana que não é baseada em valores? Pode falar qualquer instituição que você quiser, que eu te falo os valores por trás dela. Se esses valores condizem ou não com os seus, já é outra coisa, né.

      • Paulo
        23 de maio de 2011 às 22:04

        Liberdade de expressão é um valor, garantido por qualquer constituição democrática que se preze. Entre outras liberdades, que não são nada além de valores; conceitos que julgamos mais nobres ou virtuosos do que outros e por isso nos esforçamos por garanti-los através das nossas instituições. Talvez te fizesse bem ficar um pouco mais amigo das palavras. Ler um pouco mais, sabe? Pra vc poder expressar melhor sua opinião, que eu respeitarei independente de qual seja. Só não consegui saber qual é, ainda, entende? Tá tudo meio confuso, aí nesse seu comentário.

      • kinho
        24 de maio de 2011 às 18:04

        deixa eu adivinhar. o seu valor é a não maconha. democracia quer dizer que a minha opinião vale tanto quanto a sua. e liberdade de expressão quer dizer que eu tenho o direito de pensar e dizer as coisas em que acredito.
        você, Danilo, está apaixonado pela proibição, você cresceu nela, quer morrer nela. não há discussão produtiva com indivíduos apaixonados. o apaixonado não quer ouvir, já sabe tudo o que precisa saber.

  92. Danilo Silveira Rodrigues
    23 de maio de 2011 às 16:18

    Foi pouco!! Que que eh?? Noia quer ter direitos na constituicao tambem?? Foi pouca a repressao, tinha que ser mais forte, tinha que prender meia duzia, tirar foto da carinha deles com olhos todos vermelhos, chapados dando risada, para mostrar pra sociedade que valores se adquirem com educacao, e educacao, para muitos significa repressao, pois nao tiveram em casa, e agora a sociedade que paga o pato. A democracia esta sendo confundida com rebeldia, com falta de principios e com aceitacao de problemas, sob a justificativa de sermos todos iguais, todos liberais.

    Na minha opiniao, quer fumar maconha?? Fuma na sua casa, de porta e janela fechada, ninguem precisa ver que voce eh diferente, e voce tambem nao precisa mostrar, certo? Afinal, voce vai acabar em uma clinica de dependentes quimicos mesmo, serao todos iguais por fim.

    • Pedro
      23 de maio de 2011 às 17:13

      Eu nem deveria perder tempo como esse tipo de babaca, mas democracia confundida com rebeldia? Porque nao te calas? Sabe o que significa democracia seu ignorante?
      Realmente, esse comentário mostra boa parte da sociedade paulistana, conservadora como a sua representação estadual e municipal.
      E ainda se esconde pra falar asneira.

    • 23 de maio de 2011 às 17:59

      Clínica de dependente pra maconha? AHAHAHAHAHA

      vc é engraçado, Danilo! agora senta lá e vai ler um livro!

    • Paulo
      23 de maio de 2011 às 21:41

      Cada um de nós é diferente, Danilo, ninguém nasce igual a ninguém nesse mundo; será que você já reparou nisso? Medíocres são os que se esforçam pra não se destacarem, sufocam a sua individualidade por medo, necessidade de se enquadrar em um padrão pré-estabelecido, ou alguns, por simples idiotice, mesmo.

  93. 23 de maio de 2011 às 16:15

    Não se trata mais de marcha pela maconha, não é mesmo? Trata-se ainda de uma marcha, de passos retos e sincronizados?

  94. Gulega
    23 de maio de 2011 às 16:09

    Todas as sociedades em q ocorreu a descriminalização o consumo aumentou. Enquanto q nos países onde ocorre repressão junto com o tratamento o consumo é sempre menor q a média. Falta bom senso para implantar uma política de drogas decente. Querem colocar a culpa na lei, menos nos usuários q devem ser combatidos. O sucesso da Lei Seca no Brasil prova q com controle e repressão os acidentes diminuíram . O mesmo ocorre com as drogas, seria pior se legalizassem. Total falta de proporção comparar alcool e cigarro com maconha. Em menos tempo a maconha causa mais danos.

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 18:08

      alcool mata gente, brother!

  95. Gulega
    23 de maio de 2011 às 15:57

    Quem fuma maconha esta defendendo e sendo conivente com o tráfico.

    • xpto
      23 de maio de 2011 às 16:14

      Corrigindo: quem é a favor de continuar com a criminalização da maconha está defendendo e sendo conivente com o tráfico.

      • Ales
        23 de maio de 2011 às 16:52

        E quem usa a maconha ainda quando ela é proibida, alimenta muito mais o tráfico, violência e mortes. Se liga!
        E além do mais, maconha gera males a saúde sim. Não sejam cegos!

        • Thiago
          23 de maio de 2011 às 17:13

          A vontade de pessoas como vc de controlar o que eu posso fazer ou deixar de fazer com meu corpo é que gera o tráfico. Pq vc acha que tem direito de me proibir de fumar o que quero sendo que sou adulto e sei os riscos que estou correndo??? Quer dizer que eu tenho que deixar de usar algo que gosto simplesmente pq vc acha que tem o direito de cuidar da MINHA VIDA???
          Vai sonhando com uma sociedade sem drogas…enquanto isso a bala perdida continua matando mesmo quem não fuma. Entenda q regulamentar é a melhor solução pois o único prejudicado é aquele que fuma, e não toda sociedade

    • Pedro
      23 de maio de 2011 às 17:20

      Cara você fala dados absurdamente falsos. De onde tirou essas informações? Que o consumo aumentou onde ocorreu discriminalização e que onde há repressão o consumo diminuiu? Onde há repressão o crime organizado mata milhões por ano. Os usuários devem ser combatidos? Em que mundo você vive? Os “usuários” devem produzir mais da metade do que você ouve de música, ou assiste de filmes, ou até lê em jornais conservadores mesmo.
      Você não leu qual é a pauta da manifestação?
      Leia a matéria inteira e tente entender, pois ela acaba com qualquer tentativa de argumento que você esboçou nesse comentário mais raso que um pires.

    • kinho
      24 de maio de 2011 às 18:09

      quem quer a legalização cansou de participar do tráfico

  96. Luiz Paulo
    23 de maio de 2011 às 15:35

    Olha, sou totalmente contra a legalização da maconha, a não ser que seja para usos medicinais, com recomendações médicas. Lutar pelo direito da democracia, sou totalmente a favor! Porém, devemos deixar a hipocrisia de lado, o tumulto gerado, sabemos muito bem que não foi ocasionado meramente por que policiais chegaram com truculencia, toda ação pede uma reação. Manifestantes começaram a incitar a confusão, gritos e canções provocativos foram proferidos contra as tropas da polícia e como sabemos, o policial foi tirado da sociedade, ele é um ser humano que vive sobre pressões de todos os lados e ainda é mal remunerado, não uma máquina, como muitos pensam, obrigado a ficar ouvindo provocações de um grupo de pessoas. Não adianta dizer que os manifestantes não fizeram provocações, pois estará mentindo! Vamos reconher nossos erros gente, não só ficar apontando e querer se passar por vitima! Seja realista, faça a sua manisfestação de forma organizada e respeitadora, te garanto que os conflitos serão minimizados em grande escala. Já fui policial militar em outro estado, hj em dia estudante de medicina, te digo, se todos tivessem a oportunidade de de estar em frente a criminosos motivados pelo vício. Infelizmente, nem todos são burgueses, com dinheiro dele ou do pai para comprar a erva. A realidade dentro dos aglomerados é outra. Como eu disse, na experiencia como policial, tive contato direto com jovens, adolescentes e CRIANÇAS viciadas, que vendiam o corpo, assaltavam lojas e transeuntes para conseguir um trocado e então ir comprar seu baseado. Gente, a realidade nas comunidades carentes é outra! A maioria dos usuários sabem que a lei trata de forma diferente o usuário do traficante, quando o delegado resolve agir, no máximo o usuario pagará com serviços sociais e cursos para conscientização dos males advindos da substância. Apesar de ser contra a legalização, acho que têm todo o direito de irem as ruas fazer manifestação, mas como eu já disse, com respeito àqueles que estão apenas trabalhando e cumprindo ordens. Ir pra rua com cartazes e promover bagunça(não generalizo, mas existe uma galera q adora aproveitar pra fazer baderna e são esses que promovem a confusão)só irá “queimar o filme” do “maconheiro”! Sei que meu post tá imenso, mas pra finalizar eu vou contar um casinho verídico: “Um homem, cidadão de bem, trabalhador, sem passagem pela polcícia, enfim, um cidadão exemplar, o unico problema era ser viciado em drogas. Certo dia ele se drogou pra valer, ficou “doidão” e ao chegar em casa viu uma cobra rastejando na porta da sala, ele logo correu, pegou uma barra de ferro e bateu no aminal até ele parar de se mexer. como ele estava muito ruim, deitou-se no sofá pra relaxar, quando foi voltando a si, sua esposa estava desesperada, batendo nele, e outras pessoas na casa, ele então sem saber o que havia ocorrido chegou perto da porta e viu o corpinho sem vida e ensanguentado do seu filhinho com pouco menos de 1 ano, estendido no chão. Como a capacidade de raciocínio já havia voltado, ele pode compreender que a cobra que vira, ela uma alucinação provocada pelo efeito da droga.” Se você usa drogas, não está trazendo riscos apenas pra vc, mas também para as pessoas a sua volta!
    Abração.

    • 23 de maio de 2011 às 15:40

      Eu poderia contestar quase tudo o que você disse, mas vou me restringir a apenas um de seus frágeis argumentos: eu estava na Marcha, desde o começo, e vi a PM quebrar o pacto feito com os manifestantes e começar a provocação com balas e bombas. Só depois disso alguns manifestantes, compreesívelmente, voltaram suas palavras contra a polícia.
      Em tempo: chamar de “bagunça” um protesto legítimo e urgente é puro preconceito.

    • Danilo Silveira Rodrigues
      23 de maio de 2011 às 16:28

      Seu post tem todo o sentido, as pessoas nao sabem. Pior, sabem e querem se enganar dizendo que a droga nao causa mal, infelizmente, internet ainda nao tem legislacao eficiente neste pais. Vai la na China dizer que voce quer fumar maconha na rua, vai no Afeganistao e diz que voce quer beijar na boca de outro homem e casar com ele… O Brasil vai pagar caro pela desordem que esta causando, a liberdade de expressao deve ser dada a quem sabe usa-la sabiamente, para aqueles como estes que usam deste direito para promover a desordem, a bagunca por assuntos que nao tem embasamento, devem ser repreendidos! E nao me venham com a palavra PRECONCEITO, a ordem somente pode ser estabelecida se alguem a impor, se nao, nao ha ordem. Maconheiros, no seu quartinho, de portinha fechada, e janela tambem hein, se eu sentir cheiro de maconha perto da minha filha voces vao ter que aprender como soltar fumaca por baixo!

      • Thiago
        23 de maio de 2011 às 17:16

        Legal são seus exemplos de sociedade..China e Afeganistão…muito bons. Eu prefiro que o Brasil se alinhe com Portugal, Espanha, Holanda, EUA, Suiça, etc…países q me parecem bemmmmm melhores q os q vc citou e onde a maconha já é amplamente tolerada pela sociedade. Mude pro Afeganistão amigo, leve sua filha, ela vai ficar contente com uma Burca

      • Paulo
        23 de maio de 2011 às 22:14

        Vai você pro Afeganistão, então, Danilo, já que parece gostar tanto de lá. Se lá eles têm as mesmas opiniões que você, não vai correr o risco de sentir cheiro de maconha e ficar curioso! Ou então, de ver dois homens se beijando e ficar com nojinho, ou pior, inveja!

      • kinho
        24 de maio de 2011 às 18:11

        realmente, o Brasil tem mais é que ser como a China e o Afeganistão. Estamos muito atrasados. Excelente argumento, claudia

    • Henrique Cardoni
      23 de maio de 2011 às 16:30

      Que exemplo infeliz você usou para descrever o efeito da maconha. É IMPOSSÍVEL você espancar seu filho até a morte, achando que ele é uma cobra, só porque você fumou um baseado. Além disse, maconha não causa dependência, desta forma, não existe vender o corpo pra comprar maconha, tu ta falando de crack. Ninguém aqui defende o crack ou a cocaina, estas são drogas pesadas, causadoras de pesada dependencia. Maconha não.

  97. Marcelo
    23 de maio de 2011 às 15:22

    Vocês lutam pelo direito de ficar chapados? Que falta do que fazer, que falta de princípios, falta de algo real para lutar.

    • Natasha
      23 de maio de 2011 às 16:32

      Não, eles não lutam pelo direito de ficar chapados. Volta lá, lê o texto direito, faz um esforcinho e vê se entende. Se não sacar, acho que ninguém vai se dar ao trabalho de te explicar o óbvio, é muito chato ficar batendo palma pra louco dançar, e explicar o sentido de textos simples pra analfabeto funcional.

  98. Henrique Cardoni
    23 de maio de 2011 às 15:02

    Eu poderia escrever páginas sobre como a maconha é menos prejudicial que o álcool e o tabaco, uma dissertação sobre como a doutrina católica (proveniente do judaísmo) glorifica o alcool e, por isso, ele é legalizado, sobre como a maconha foi proibida não pelos seus efeitos, mas pelos seus usuários (os mexicanos do começo do século XX, EUA), eu poderia escrever sobre a necessidade comprovada da maconha medicinal, sobre a não comprovação científica das sequelas causadas pela erva. Eu poderia escrever sobre tudo isso, mas sei que tem gente aqui que não ia acreditar de qualquer forma. A simples menção da “DROGA!SOCORRO!DROGA” já aterroriza os conservadores de plantão a tal ponto, que os põe numa defensiva na qual negam até mesmo o exercício máximo da democracia: o diálogo.

    A questão não é apenas os prós e contras da maconha, mas sim os prós e contras da proibição dela.

    Inacreditável são essas marionetes da burocracia atirando em gente pacífica! Triste que a Cannabis seja ilegal, pior que seja imoral, inaceitável que seja indiscutível.

    • nalin
      23 de maio de 2011 às 15:52

      Muito bom! A pior droga de todas é o preconceito, e a desinformação! Não se pode comparar maconha com crack, como se fosse a mesma coisa! Se o alcool e tabaco são liberado, maconha tambem devia! Álias, alcool é muito mais prejudicial do que maconha! Todos os argumentos contra a legalização passam pela desinformação, medo, e preconceito.

    • 23 de maio de 2011 às 16:38

      INCACEITAVEL!!

  99. 23 de maio de 2011 às 14:28

    ola bruno parabens pelo texto e pelas fotos.. fiquei triste ao ver alguns comentarios aqui, esta muito em evidencia o quanto a midia controla a sociedade hje em dia.. tenho aulas de filosofia na faculdade (estudo em uma faculdade particular) e o professor estava debatendo dizendo que o sistema eh assim, diz como a gente tem que ser e a gente segue.. E TODOS CONCORDAVAM -a professor, entao o sistema quer nos deixar bestas so para consumir cada vez mais? sim aluno isso ai parabens!!
    sou do interior de minas gerais e vim para sp so para estudar, minha facultade eh perfeita, mas estou odiando esse lugar, a maioria dos paulistas se acham superiores ao resto do brasil, essa msma maioria aceita claramente serem manipulados pela necessidade de compra, essa msma maioria anda com roupas iguais e se numa rodinha alguem fala uma coisinha diferente, essa maioria olha um pro outro e dao as costas para a pessoa que pensa diferente!! que merda eh essa?? essa grande maioria sonha com a europa , mas mal sabem eles que la os ricos nao pensam como os ricos daqui , eles respiram cultura, eles sao apaixonados por musica boa , por arte, que sao produzidas por usuarios de hash.. e eles valorizam isso!!
    enfim , que bom que fizeram as pazes.

  100. 23 de maio de 2011 às 14:20

    Meu velho! Felizmente, a coisa aqui no Recife foi diferente. Segue um relato meu http://migre.me/4C8Oa

  101. Fabricio Pizzato
    23 de maio de 2011 às 13:05

    Esta de parabens! Temos todo o direito de nos expressarmos. E maconha quem quiser fumar vai fumar, sendo proibida ou não. Ninguém é obrigado a fumar, mesmo se vier a ser legalizada.

  102. 23 de maio de 2011 às 12:55

    Silvia, entendo o que vc quer dizer, mas me desculpe, isso é uma burrice. Legalizar a maconha não é incentivar o uso, é somente tirar o véu da hipocrisia que favorece quem lucra com isso (que não é o simples usuário). Você com essa opinião, está FAVORECENDO essa prática de tráfico e propina, por exemplo. LEGALIZAR não é para incentivar, é para REGULARIZAR, FISCALIZAR, CONTROLAR. As drogas têm que ser tratadas como tal, nem mais nem menos. Elas existem, as pessoas consomem (de todos os tipos e para todos os fins), se é ruim pra saúde tem que deixar menos ruim, ter um controle de qualidade e oferecer tratamentos e apoio para quem acha que necessita. Preconceito só dificulta. Ou você acha que ninguém usa?

  103. Sílvia
    23 de maio de 2011 às 12:11

    Eu não consigo entender como uma pessoa que aparenta ser um grande formador de opinião, sabe argumentar,parece ter um bom poder de persuasão defende uma causa como essa?Se vc quer defender a democracia, o direito pela liberdade de expressão,ÓTIMO, mas procure outra tema para defender tal direito. Legalização da maconha? Olha onde fomos parar. vc pode dizer que sou medíocre, ou me ofender com qualquer outra palavra, mas eu tenho orgulho de dizer que não sou uma viciada, não preciso da maconha para nada, enfrento os problemas, sei me divertir sem precisar da maconha, acho que quem a utiliza p qualquer fim q seja é um insano, que a partir do momento que a defende, perde todo direito. Não sei o que sentir diante do que li, de quem escreveu e da massa que o apóia. É uma pena pensar que pessoas como vcs atrapalharam a vida de tanta gente por uma causa tão RIDÍCULA! Como disseram em um comentário, se fosse boa n seria chamada de droga e vc que escreveu esse texto não venha com a defesa que de compramos remédio na drogaria, vc sabe muito bem que remédios devem ser tomados com todo cuidado pq tem inúmeros efeitos colaterais e que o mesmo so deve ser tomado se prescrito por um médico. Seus argumentos realmente foram muito infelizes, se vc não tem nada acrescentar a humanidade que encontra-se cada vez mais “perdida” não piore a situação, pq sempre terão pessoas alienadas que irão concordar com pessoas como vc. LEGALIZAR A MACONHA? Não to acreditando!

    • Thiago
      23 de maio de 2011 às 12:58

      O que vc não percebe é que a maconha já é legalizada, e o monopólio da venda foi dado para bandidos armados. Quer conseguir maconha, garanto que qualquer um consegue, em qualquer cidade do Brasil, num grande centro como São Paulo até uma cidade minuscula no interior da Bahia, a maconha está presente, sendo vendida e consumida.
      A questão é simples, um mundo sem drogas, sem maconha é utopia infantil, guerra perdida, milhoes de Reais jogados no ralo, sem contar o fato de tirar o policial de sua real função para ir prender alguém que está consumindo uma droga, ou seja, fazendo mal só a si mesmo.
      O governo tem a obrigação de informar os males que a Maconha trás, mas se um adulto com toda essa informação na mão resolve usar a droga, o problema é todo dele, pq proibir isso?? Quem seria prejudicado a não ser ele mesmo?? Do jeito que a coisa está hj a sociedade toda é prejudicada, pois o dinheiro desse cidadão vai pra mão do bandido. Descriminalizando a droga, a pessoa compra legalmente, o vendedor paga imposto e o ÚNICO prejudicado é quem usa a droga. Não faz muito mais sentido??

      Fica um desafio, me fale um governo que conseguiu acabar com as drogas. EUA investem bilhoes nessa guerra, tente comprar droga em Miami, NY e Los Angeles, se não conseguir é pq não sabe falar ingles

    • Tatiana Nascimento
      23 de maio de 2011 às 13:03

      Silvia, nem todos partilham da mesma opinião que você. Não é porque você não fuma maconha e não precisa disse que o resto da humanidade também será assim. Temos que respeitar a conviver com as diferenças.
      Eu não bebo, minha mãe é alcoolatra e eu sou totalmente contra drogas PARA MIM (e para mim, alcool é a pior delas), MAS há pessoas que bebem, que fumam maconha e vivem muito bem, não é pq eu tenho uma experiência pessoal ruim que o resto das pessoas também terá.
      Eu sou a favor da legalização, pq não hpa diferença em alguém que bebe para relaxar e alguém que fuma para relaxar.

    • Rafael
      23 de maio de 2011 às 14:31

      Sílvia, estude história. Veja a ORIGEM da palavra droga. A palavra droga vem do holandês e se incorporou ao português durante as navegações mercantilistas. Os bens transportados eram divididos entre “secos” (temperos, ervas, especiarias) e “molhados” (bebidas). “droga” vem de druk, que é SECO e não tem nenhum sentido ruim como tu acreditas.

      Leia também sobre a proibição do álcool nos anos 30 nos Estados Unidos. Só serviu para criar um crime organizado e o tráfico. O TRÁFICO SÓ EXISTE POR CAUSA DA PROIBIÇÃO DAS DROGAS.

      Se você defende a proibição estará defendendo e sendo conivente com o tráfico e a consequente violência.

      Você não conhece o assunto sobre o que você está falando. Isso se chama preconceito. A humanidade parece perdida mesmo quando vejo pessoas não respeitando as diferenças como você.

    • Gil
      23 de maio de 2011 às 15:42

      Silvia, que grande equivoco esse seu… O ponto é que a maconha já é utilizada medicinalmente em
      muitos paises, exatamente por seus efeitos colaterais serem muito menores do que similares quimicos. O problema da canabis não é da substancia em si, mas do estigma moral que ela carrega.
      E antes do lobby contra, era vendida sim em farmacias. E claro que qualquer proibição cria um comercio paralelo, esse sim pernicioso, já que carece de regulamentação, deixa de recolher impostos, e de criar empregos outros que os ilegais, e isso sim fortalece o banditismo. Só lembrar da lei seca nos Estados Unidos, além de não diminuir o consumo de alcool, fortaleceu o crime organizado, e a situação só foi revertida quando a lei caiu. E lembre-se desde que o mundo é mundo, as substancias alteradoras de consciencia acompanham a humanidade…

    • daniel
      23 de maio de 2011 às 17:32

      Silvia, vc bebe? mesmo q socialmente?

    • Piero Chiaretti
      24 de maio de 2011 às 2:56

      Um ponto de vista louvável. Se fosse possível um mundo sem drogas, de nenhuma natureza.

      lol

  104. Gulega
    23 de maio de 2011 às 11:38

    N sou integralista feito playboy que toma leite com pêra, n cresce, n pensa, n evolui na vida e para se distrair fuma maconha, derrete o cérebro por falta de coisa melhor pra fazer e fica rotulando qquer um q seja contra o fumo de conservador. Sou de esquerda, mas esquerda de verdade q n faz apologia da degradação, sou contra o hedonismo dos riquinhos q n tem nada na cabeça e por isso se drogam, sou contra o individualismo desses mesmos conservadores q vão para os bairros mais ricos fazer manifestação fútil. Já disse q liberdade de expressão é para quem quer agregar valor à coletividade e n para quem quer se degenerar e fazer apologia da degeneração. Penso na sociedade como um todo, essa é uma visão verdadeiramente anticonservadora, em q um indivíduo n vive para ele mesmo, q tudo o q se faz influencia todos à volta, principalmente quem tem cabeça fraca e se deixa levar pela conversinha mole de um cara metido a pacifista mas que agride si mesmo e ao coletivo fumando maconha, pq é a sociedade que depois tem q aturar gente caduca, inútil, improdutiva e financiar incapaz q na juventude lutou pelo “nobre” direito de se tornar um demente antes do tempo. De pacifistas os maconheiros n tem nada! As drogas continuarão existindo mas n é por causa disso que os drogados devam ter o direito de ferirem a integridade social, a paz e a liberdade das pessoas q prezam pela saúde e preferem manter um ambiente social íntegro, saudável para conviver, se relacionar, trabalhar e estudar.

    • Rafael
      23 de maio de 2011 às 14:39

      Não és integralista, mas discurssas usando os mesmos argumentos. Acho ingênuo acreditar em uma sociedade que não se drogue. O ser humano se droga desde que existe. Animais selvagens – felinos, coalas… – também se drogam recreativamente. Uma bebida alcolica é o sangue de jesus. Cachaça é usada em cerimônias de religiões de origem afro no brasil. Acho hipocrisia essa nação alcoolatra que tem publicidade de álcool na TV defender a proibição de uma planta.

      O tráfico só existe por causa da proibição. Veja para que serviu a Lei Seca dos EUA nos anos 30: para disseminar um crime organizado. Quem defende a proibição estará, por consequência, defendendo e sendo conivente com o tráfico.

    • Pedro
      23 de maio de 2011 às 17:37

      Cara você é de esquerda em que mundo? Seus argumentos são totalmente de direitas, extrema direita. É socialista só se for como o nacional-socialista alemão de Hitler.
      Integridade social? Chamando que fuma de demente? Improdutivo? São argumentos realmente baseados em preconceito e sem nenhum aprofundamento na questão!
      Movimento dos “riquinhos”? Sem nada na cabeça? Liberdade de expressão é pra determinadas pessoas?
      Argumentos tão infantis, conservadores, e o pior, o cara diz isso sem saber o que ta falando ou defendendo. Precisa estudar mais amigo para saber de onde vem os argumentos que defendes.

  105. 23 de maio de 2011 às 9:58

    O que é a liberdade de expressão? Onde esta o democracia?
    Se não podemos ir às ruas e fizer uma simples manifestação!
    Ato de manifestar(se): manifestação do pensamento.
    Movimento popular, ajuntamento de pessoas destinado a exprimir publicamente um sentimento, uma opinião política.
    Homenagem coletiva a uma pessoa eminente.
    Desde quando isso virou um crime? Somos agora criminosos por querer expressar o que sentimos, para que todos saibam que algo deve mudar, deve ser isso para o uso de gás toxico e balas de borracha, só podemos ter virado criminosos.
    Não devemos levar em conta que a legalização seria uma prejuízo para os políticos ?
    Muito difícil, imagina um politico que já ganha milhões estar envolvido no trafico de drogas, para que iam querer tanto dinheiro, certo.
    Não importa quanto tempo demore, esse luta é da paz e vamos vencer
    Isso vai mudar quanto mais gente ir às ruas, quanto mais gente expressar o que sentimos, vai mudar, não podemos recuar isso é tudo o que eles querem.
    Isso não é uma questão de você gostar de usar uma plantinha ou não, de você é contra a legalização ou a favor, isso é uma questão de respeito, de liberdade.

  106. 23 de maio de 2011 às 9:06

    GENTE, não cabe discutir se fumar maconha é bom ou não, se gosta ou não gosta, se é delícia ou não delícia (totalmente desproposital a musiquinha dos manifestantes, parece provocação boba). Enquanto isso estiver estereotipado vai continuar parecendo um movimento segmentado, que só diz respeito a quem usa (que quer tirar o seu das costas pra “curtir um barato”).

    Não deu ainda pra entender que isso do jeito que tá é um problema social que tá nas costas de todo mundo, olho baixo e olho não-baixo? Quem repete discurso conservador e hipócrita tá servindo de marionete pro ESQUEMÃO que rola com essa proibição, ESSES SIM TÃO AJUDANDO A FINANCIAR O TRÁFICO. ACORDA!

    Estendo aqui:
    http://www.pagina3.com.br/coluna/expressinha/2375-eu-quero-o-gosto-e-o-sumo-de-uma-discussao

    • Benjamim
      24 de maio de 2011 às 1:02

      Boa!

  107. Pedro
    23 de maio de 2011 às 7:03

    olá Bruno, gostei muito do seu texto, mostra que ainda só políticos podem discutir sobre leis, e infelizmente quando tentamos exercer a democracia somos tratados a base da violência.

  108. DeL
    23 de maio de 2011 às 6:08

    Parabens pelo seu texto cara,tomara que as pessoas entendam lendo um texto escrito com tanta sinceridade.acho que nesse caso, nao se trata mais da legalização ou nao se trata de manifestar suas opinioes
    “Eu posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las”
    Voltaire, pseudónimo de François-Marie Arouet.

  109. Xps
  110. Raphael
    23 de maio de 2011 às 4:16

    Acho engraçado o argumento de que a proibição é um ato em favor da família quando, na realidade, a proibição é um atestado de que a família é incapaz de orientar sua próle adequadamente. Infelizmente, as pessoas que seriam mais favorecidas pela legalização, são as mais suceptíveis ä cultura do medo e preconceito e ao pseudo jornalismo que nos bombardeia diariamente na figura do Excelentíssimo Senhor José Luiz Datena, ente outros. É necessária muita cautela para debater o assunto já que qualquer deslize pode trazer argumentos para aqueles que não querem a legalização. Abs.

  111. Zé G
    23 de maio de 2011 às 4:09

    A polícia brasileira é fascista!

  112. 23 de maio de 2011 às 3:57

    Bruno, paraabéns pelo texto, está realmente ótimo.
    Porém lamentável, não só o que aconteceu na marcha, mas o que aconteceu com os comentários desde post. Fico indignada com tamanha ignorancia do brasileiro, ou melhor, do ser humano. A massa se deixa influênciar pela grande midía, essa mídia porca que faz a cabeça de todos. Me desculpem meus caros, já fumei meus baseadinhos e afirmo pra todos, não sou viciada, tolo é aquele que se dexar levar por tudo que vê/ouve. Vão ler ao invés de se deixar levar pelas reportagens mirabolantes da grande rede globo.

    Mais informação, por favor.

    P.S: Sou estudante de jornalismo e me sinto no pleno direito de criticar a massa e a midía. Também sou formadora de opinião.

  113. Adriana
    23 de maio de 2011 às 3:57

    Ai q merda!!! Não acredito q li isso! E o pior, não acredito q tem gente besta assim no mundo! Com certeza o mundo pode mesmo acabar em 2012, seria um FAVOR!

  114. Luciana
    23 de maio de 2011 às 3:49

    nunca fumei maconha e ainda assim apoio totalmente a legalização. nunca fumei porque não tive vontade ou curiosidade. também não vou fumar se for legalizada ou porque houve um protesto, ou porque o Bruno escreveu este texto fantástico. a consciência está (deveria estar) dentro de cada pessoa. enquanto a maconha não é legalizada, alguém está lucrando com isso. não é muito óbvio que a polícia lucra com o tráfico e por isso não aceita se fim? vocês, cidadãos influenciáveis pela mídia que não entenderam o propósito da marcha e louvam Tropa de Elite como se seus personagens fossem heróis: acham mesmo que é tudo ficção? que na vida real não tem nenhum morro sendo explorado pela polícia? por favor, não deixem essas verdades absolutas se infiltrarem em suas cabeças por preguiça de ver além.
    o consumo de drogas não vai acabar. e enquanto a maconha não for vendida legalmente ou permitida, será vendida pelo tráfico. fato.
    essas cenas de jovens desarmados sendo abatidos pela polícia são chocantes e injustificáveis. só provam que os direitos existem até a hora que incomodam quem está no poder. ‘aceito e respeito sua opinião, desde que seja a mesma que a minha’.
    ensinem nas escolas o efeito das drogas, falem com seus filhos. confiem nas suas palavras e na relação que têm com suas crianças. todo o diálogo que tive com a minha família me fez não ter nem curiosidade pelo efeito da droga. e espero que ensinem também a não aceitar esse tipo de atitude daqueles que são formados e pagos para nos proteger, não para agredir.
    Parabéns pelo texto, Bruno. e que seja entendido.

  115. Gulega
    23 de maio de 2011 às 3:37

    É bom viver como vivo, n subo morro, n me misturo com mau elemento, n vou na rua tomar bala de borracha nem levar bomba de gás contrariando a lei por fazer apologia de drogas e vivendo a vida qse como um marginal. N vou ficar gagá antes do tempo dando trabalho para meus familiares e amigos, nem distorço a realidade para disfarçar vícios. Tudo pq n fumo maconha e sou muito feliz assim, irei viver mais tempo do que muito maconheiro , meu pulmão é limpo e meu cérebro íntegro. N acho q as pessoas tem direito de se degradarem, muito menos de fazerem apologia da degradação! N sei quem tem financiado a publicação de falácias q dizem q a maconha n faz tão mal assim sendo q dá inclusive crise de abstinência. Muito papo de maconheiro dizer q essa droga é leve e n vicia. Como quem usa drogas fica sem noção da realidade e esse texto é mais que uma prova disso, compreendo os usuários q vem com esse papinho de n sou viciado mas vou tomar tiro na rua p legalizar. Só rindo!

    • 23 de maio de 2011 às 3:50

      Seu cérebro é íntegro? Tá mais pra integralista…
      Faz assim: esquece meu texto. Volta pra sua vida feliz.

    • DeL
      23 de maio de 2011 às 6:07

      Parabens pelo seu texto cara,tomara que as pessoas entendam lendo um texto escrito com tanta sinceridade.acho que nesse caso, nao se trata mais da legalização ou nao se trata de manifestar suas opinioes
      “Eu posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las”
      Voltaire, pseudónimo de François-Marie Arouet.

  116. Filipe
    23 de maio de 2011 às 3:06

    A quem escreveu o artigo e todos os usuários de maconha:
    é citado no texto o seguinte trecho: “Peço, humildemente, que antes de enrolar o próximo baseado dêem uma olhada na sua erva. Tente imaginar por quais mãos ela passou. Para quem esse dinheiro foi. Pense em quantas pessoas morrem todo dia por conta desse mercado criminoso que a lei criou. E pense também nas duas mil (?) pessoas que foram às ruas por você. Para que sua maconha seja limpa, em carma e substância. E não se culpe pela ausência de hoje, digo isso com sinceridade. Apenas acenda o baseado, fume, e prometa a si mesmo que na próxima marcha você vai. E que vai levar gente consigo. E que vai fazer o impossível para aparecer sábado que vem, no MASP, às 14hs, para protestar na rua contra a violência do Estado de São Paulo. Eu vou.”
    É muita controvérsia afirmar que o mercado de drogas ilegais é totalmente criminoso e que mata muita gente, e, ao mesmo tempo, continuar fazendo uso de drogas ainda quando estas são proibidas e matam muita gente.
    Não seja hipócrita, individualista e nao tenha uma mente/consciência (?) direcionada para os seus interesses. Ou seja, pense no todo, não faça uso das drogas enquanto ela mata e destrói a sociedade com essa violência inaceitável que você mesmo diz ser contra. Você é mais um financiador. Não se orgulhe disso!

    Finalizando, analise bem que as drogas não são chamadas de drogas à toa. Isso te faz mal sim! Não tente negar isso por puro comodismo!
    Inclusive, você – escritor do texto -, diz-se chapado após o uso da maconha. Ora, se se sente chapado é porque perde nível de controle sobre seus atos. Não às drogas! Esse é o grito que um país pra frente deve dar!

  117. Filipe
    23 de maio de 2011 às 3:03

    A quem escreveu o artigo e todos os usuários de maconha:

    é citado no texto o seguinte trecho: “Peço, humildemente, que antes de enrolar o próximo baseado dêem uma olhada na sua erva. Tente imaginar por quais mãos ela passou. Para quem esse dinheiro foi. Pense em quantas pessoas morrem todo dia por conta desse mercado criminoso que a lei criou. E pense também nas duas mil (?) pessoas que foram às ruas por você. Para que sua maconha seja limpa, em carma e substância. E não se culpe pela ausência de hoje, digo isso com sinceridade. Apenas acenda o baseado, fume, e prometa a si mesmo que na próxima marcha você vai. E que vai levar gente consigo. E que vai fazer o impossível para aparecer sábado que vem, no MASP, às 14hs, para protestar na rua contra a violência do Estado de São Paulo. Eu vou.”

    É muita controvérsia afirmar que o mercado de drogas ilegais é totalmente criminoso e que mata muita gente, e, ao mesmo tempo, continuar fazendo uso de drogas ainda quando estas são proibidas e matam muita gente.
    Não seja hipócrita, individualista e nao tenha uma mente/consciência (?) direcionada para os seus interesses. Ou seja, pense no todo, não faça uso das drogas enquanto ela mata e destrói a sociedade com essa violência inaceitável que você mesmo diz ser contra. Você é mais um financiador. Não se orgulhe disso!

    • 23 de maio de 2011 às 3:12

      Caro Filipe.
      Teu argumento é importante, e todos na Marcha concordam que o tráfico é um mal enorme. Por isso a regulamentação da maconha é tão fundamental.
      A lei criou os cartéis e a corrupção da polícia o enorme arsenal dos bandidos. É a lei que que deve ser mudada e a polícia disciplinada. Maconha é uma planta muito segura para quem gosta e sabe utilizar. Queremos o direito de plantá-la em casa.
      Cuidado ao chamar os outros de hipócrita sem uma boa olhada no espelho.
      com todo o respeito
      um abraço

  118. Gulega
    23 de maio de 2011 às 2:56

    O maconheiro agride a sociedade mas n quer ser agredido, engraçado isso! Tomou bala de borracha e gás?! Bem feito! Depois é a sociedade q paga com pseudocidadão retardado q fica gagá antes do tempo, importunando a vida de todo mundo q está em volta. Quem dá força para o tráfico é o maconheiro, n é a proibição da droga. Viciado distorce tudo p disfarçar os próprios erros e n encarar a realidade. Existem tantas coisas melhores p se fazer ao inves de ficar de bundeagem na rua fazendo apologia de vício. Liberdade de expressão e direito à passeata tem quem lidera causas que agregam valor e n quem quer legalizar uma droga q deixa as pessoas doentes.

    • 23 de maio de 2011 às 3:01

      Doente? Viciado? Bem feito pelas balas?
      Eu lamento por você e te desejo paz.
      Deve ser horrível viver com uma mentalidade assim.
      um abraço

    • Natasha
      23 de maio de 2011 às 14:35

      ”Depois é a sociedade q paga com pseudocidadão retardado q fica gagá antes do tempo, importunando a vida de todo mundo q está em volta.”

      Aceito seu argumento na hora em que vc defender que toda pessoa que fuma nicotina, que bebe álcool, que passa sinal vermelho, que se alimenta mal, que faz sexo sem proteção, que anda sem cinto de segurança, que pratica esportes radicais, etc, etc, tb seja tratada que nem um animal pela polícia pq tem gdes chances de ficar doente/se acidentar e ”importunar a vida de todo mundo que está em volta.”

    • xpto
      23 de maio de 2011 às 17:27

      Seus dois comentários revelam um pensamento muito estreito.
      Primeiro: Liberdade de expressão não é liberdade de expressão se existem tópicos que podem ou não ser discutidos: percebe o contrasenso do que você propõe? Se algum assunto de repente, é proibido de ser DISCUTIDO ou MANIFESTADO, você, como integrante da sociedade, deveria se importar e muito, porque isso significa CENSURA, algo que esse país conheceu muito bem durante a ditadura. Dar razão e espaço para censura de discussão e manifestação é dar espaço para que todos (incluindo você, mesmo que não compartilhe de um pensamento) percam o direito de se manifestar.
      “Eu posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o direito de dizê-las”
      Voltaire.
      Segundo, se você teve paciência de ler até aqui: Você deveria aproveitar o momento para estudar um pouco sobre “as drogas”, primeiro para discernir entre cada tipo de droga, depois para descobrir que o álcool e o tabaco, que podem ser comprados em diversos estabelecimentos, também são drogas, e que o uso desses dois produtos tão populares, também já foi ilegal. E enfim, que o tráfico existe por uma necessidade política e económica, e por estas questões que a maconha não é legalizada, e também foi por estas questões que o álcool foi legalizado. É preciso conhecer sobre o que se fala, tanto para argumentar contra quanto para argumentar a favor.
      É muita ingenuidade sua achar que a repressão desta manifestação tem a ver com uma apologia às drogas. Se você não ficasse no seu mundo particular muito satisfeito consigo mesmo, saberia o que se passa ao seu redor, e o que se passa ao seu redor é uma rede de poder político e económico que inclusive depende de pessoas ingênuas, prepotentes e individualistas para existir. Que essa repressão tem a ver com uma série de vantagens que existe, num estado corrupto como o nosso, em manter o tráfico.
      Você, defendendo a repressão defende sim: a censura, o tráfico, e todos os crimes que são cometidos em nome desse tráfico, e acima de tudo coloca em questão o seu direito, e o direito de todas outras pessoas, de poderem se expressar.
      Terceiro: Bem-feito é frase de criança sendo malcriada. E acredito que você já passou da idade para recorrer a esse tipo de expressão. Espero que possamos discutir os assuntos sem maiores grosserias desnecessárias.

    • Piero Chiaretti
      24 de maio de 2011 às 2:34

      A sociedade proíbe. A demanda existe; surge um mercado ilegal para supri-la. Esta não é uma ‘causa menor’, e como sabem aqueles que se dão o trabalho de pesquisar por um segundo sequer, está intimamente ligada a questões fundamentais da nossa sociedade – a mais importante delas é a de que o Estado Brasileiro parece querer decidir uma série de coisas pelos seus cidadãos, ao mesmo tempo que rege a situação de maneira que é cada um por si. Então para pagar minhas dívidas eu sou responsável, para pagar meus impostos e tributos eu devo ser responsável, para seguir determinadas leis cujo valor para a vida em comunidade é obvio eu devo ser responsável, mas para decidir aquilo que entra no meu próprio corpo, eu não sou responsável o suficiente? Preste atenção nas suas próprias palavras. Se amanhã fossem proibidos todos os alimentos que a ciência diz que têm algum efeito prejudicial sobre o corpo, morreríamos todos de fome, provavelmente. Tudo ‘faz mal’. O gás que a polícia lançou sobre os manifestantes faz mal.

      Acima de tudo, vejo esta marcha como uma manifestação pelo direito de decidir como indivíduo questões que tangem ao indivíduo.

      Por sinal, você sabia que em tempos passados, nos grupos escolares, escrever da forma como você fez (fugindo da norma culta) era motivo de castigos, inclusive físicos? As coisas mudam, e aquilo que hoje existe na mente de quem não pesquisa sobre porra nenhuma antes de falar o que pensa deixa de ser distorção e passa a ser ‘socialmente aceito’.

  119. 23 de maio de 2011 às 2:51

    Seu artigo está sensacional e eu venho dizer que compartilhei pelo meu facebook e twitter para que rode e todos possam ler e ter acesso a isso! Parabéns!!!

  120. 23 de maio de 2011 às 2:46

    Texto incrível! Parabéns.

  121. Gulega
    23 de maio de 2011 às 2:26

    Pára de fumar a porcaria da maconha q vc n vai mais passar por nada disso. Vai render melhor na vida e deixar de ser um sem noção revoltadinho com a lei.

  122. Thaís
    23 de maio de 2011 às 2:17

    Isso se chama individualismo, uma coisa que é tão grande nesse pais.. Pro “carnafacul” eles fecham ruas, e o transito que se dane, mas quando é uma manifestação, num pode, é contra lei, é abusiva, é apologia as drogas, como se ninguém tivesse cerebro pra fazer suas próprias escolhas…

  123. Maira
    23 de maio de 2011 às 1:35

    Excelente seu texto, Bruno. Concordo absolutamente contigo. Não fui na marcha de sábado porque estava protestando a favor do movimento Democracia Real Já (que começou na Espanha e está se espalhando pelo mundo).

    E é engraçado como os dois temas se entrelaçam. Sábado que vem estarei lá.

    Bjs

    • 23 de maio de 2011 às 3:27

      Passei o dia pensando na Espanha… O movimento está no Brasil? Apareça sim no sábado. A causa é uma só: democracia real.

  124. Deny Watanabe
    23 de maio de 2011 às 1:30

    Os motoristas e pedestres desavisados não tinham realmente culpa alguma e muito menos mereciam ser alvo de balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio. MAS mereciam ter seus compromissos inevitavelmente atrasados por causa de uma manifestação que não tiveram sequer o direito de decidir se apoiavam ou não? Acho manifestações que atrapalham a vida dos cidadãos e aleijam seu direito de ir e vir uma violência absurda, uma falta de respeito sem tamanho e qualquer que seja a causa, ganham minha antipatia instantaneamente. Será que quem quer se manifestar é tão acéfalo que não consegue imaginar uma forma de chamar a atenção sem atrapalhar a vida de quem não tem nada a ver com isso? Se não tem inteligência nem pra isso, com que moral advoga sua causa a outros? Não concordo nem nunca concordarei com truculência policial, repressão nem censura de qualquer espécie, mas também não compactuo com falta de respeito e burrice.

    • 23 de maio de 2011 às 2:58

      Triste seu comentário. Não acho que meus argumentos vão mudar sua opinião. Sua incapacidade de entender o que é democracia, e de como ir às ruas protestar é um dos nossos mais precisos direitos, me deprimiu.
      Peço, com todo respeito, que você estude sobre todas as lutas por mais direitos civis.

    • Sérgio
      23 de maio de 2011 às 3:00

      Que comentário ridículo. Os manifestantes também tem direito de tomar as ruas para serem ouvidos. As pessoas não tiveram seu direito de ir e vir cassado pela manifestação. Ninguém prendeu elas. Elas são livres para irem onde quiserem. Se ficaram trancadas é porque não podiam deixar seus carros. Como acontece todo dia nos congestionamentos.

    • Cecília
      23 de maio de 2011 às 14:00

      Comentário típico de quem gosta de seguir sua vidinha pacata e alienada e não ser incomodado com nenhuma provocação que possa gerar alguma reflexão. Pensar dói, meu caro, é compreensível que você se incomode…

    • 23 de maio de 2011 às 17:25

      Como é desinformado. Quem desvio o transito foi a POLICIA. A paulista estava vazia por 10 minutos antes das pessoas começarem a marchar. Inclusive, todas as motos que estavam bloqueando a entrada da manifestação na paulista foram retiradas, deixando o caminho livre para nós. Voces acham que maconheiro é tao foda assim que iam parar o transito na marra?

    • Piero Chiaretti
      24 de maio de 2011 às 2:39

      Lembrando que São Paulo, espertamente projetada para ser uma cidade inimiga das manifestações, não deixa opção nenhuma pra quem quer se manifestar sem ‘atrapalhar o trânsito’. Acorde, e perceberá que os responsáveis pelo trânsito, a violência da polícia e tantos outros problemas que existem, somos todos nós – e que a manifestação, da forma que for, é a única maneira de lidar com estes problemas através do fomento de uma consciência crítica a seu respeito. Se a vida complacente que a maioria leva não for minimamente alterada por uma manifestação, esta não cumpre o seu papel de MANIFESTAR alguma coisa.

      Me desculpe se eu atrapalhei o seu dia, talvez devesse ter perguntado se você concorda com o meu comentário antes de postá-lo.

  125. 22 de maio de 2011 às 23:47

    não tenho palavras pra descrever o quanto esse texto me marcou…

  126. Caroline Cezar
    22 de maio de 2011 às 23:31

    Li você aqui no blog hoje de manhã, (ao mesmo tempo que li a imbecilidade de uma vejice) e desde então fiquei pensando.

    Acho isso:
    http://www.pagina3.com.br/coluna/expressinha/2375-eu-quero-o-gosto-e-o-sumo-de-uma-discussao

    Beijo.

  127. Mara
    22 de maio de 2011 às 22:46

    Parabéns,texto muito bem escrito, faz pensar…minha relação com a maconha tb mudou muito nos últimos anos….quase não fumo, tb me dá bode…rs. De qq forma acho que esta coisa toda foi ridícula, estarei na próxima.

  128. GF
    22 de maio de 2011 às 22:18

    Amigo Bruno, lei muito sobre maconha mas não costumo comentar sobre nada. No entanto o seu texto merece ser parabenizado, seja pela sua atitude ou pela qualidade da sua redação. Parabéns, e continue com o bom trabalho.

  129. RSantana
    22 de maio de 2011 às 21:34

    Desculpe, achei a conexão para o facebook e já compartilhei!!! Continue com esse jornalismo sem amarras que é o que interessa.

  130. RSantana
    22 de maio de 2011 às 21:30

    coloque uma conexão automatica para o facebook, se possivel.
    Truculencia é sempre prejudicial, se não temos condições de argumentar, não temos condições de governar.

  131. 22 de maio de 2011 às 21:16

    q bom q exitem pessoas como vc conectando as ideias e sempre espalhando boas sementas de liberdade e evolução da humanidade… esse macaco na maquina de escrever está no topo da cadeia alimentar!

  132. Cintia
    22 de maio de 2011 às 21:11

    Provavelmente você não sabe os efeitos da maconha sobre o cérebro humano. Texto deveras ingênuo, meu caro. Poderia discorrer aqui sobre isso, mas adiantaria? Prefiro me reservar a educar meus filhos com lucidez e informação, a fim de que não tropecem nesse tipo de julgamento. Espero que você não tenha os problemas de saúde gravíssimos que minha mãe teve e que qualquer usuário, sim, de maconha, também pode vir a desenvolver desde o primeiro uso. Procure esclarecer-se.

    • Edu
      22 de maio de 2011 às 21:19

      Então estude vc, todos estes estudos foram fraudados.

    • Alex
      22 de maio de 2011 às 21:23

      escreve aí, cabeça pequena a tua de manter toda essa tua “sapiência” só pra ti. Fala aí sobre os efeitos.

    • Pedro
      22 de maio de 2011 às 23:36

      sim, assim como o glúten causa vários problemas para quem tem doença celíaca ou o leite para quem tem intolerância à lactose. Uma pequena parcela da população. E a maconha tb, para 99% das pessoas que usam não traz mal algum agora o 1% restante pode até ter problemas psicológicos ou pulmonares e por isso proibe-se a planta? Então vamos proibir tudo que tem glúten e leite e seus derivados?

      Argumento furadíssimo e ingênuo, esse sim. O texto não é nem um pouco ingênuo e sim muito lúcido.

    • sueli
      23 de maio de 2011 às 0:55

      Cintia,sinto realmente muito sobre sua mãe e o que vc deve ter passado com ela,mas o que se discuti aqui não é a obrigação de uso da maconha por quem não deseja utiliza-la ,mas o direito de se discutir o assunto e ter a noção real e até cientifica .Democracia em que as pessoas não podem se manifestar que são agredidos como bandidos,não é nada democratico.Você não acha?

    • 23 de maio de 2011 às 2:51

      Recomendo mais leitura a você. Existem inúmeras fontes de informação sobre os efeitos da maconha no cérebro humano. Recomendo especialmente os escritos do meurologista Sidarta Ribeiro e as pesquisas conduzidas pela fundação Beckley em Oxford em parceiria com o Harborside de Oakland. Sobre efeitos terapêuticos, inclusive no combate ao câncer e problemas pulmonares, existem ótimos trabalhos publicados melo MAPS, da California.
      Espero que você também não tenha nenhum problema gravíssimo de saúde.
      Desejo o melhor a você e à educação dos seus filhos.
      um abraço

  133. 22 de maio de 2011 às 20:55

    Parabens pelo texto, sem duvida o melhor que li sobre o tema.
    Uma triste situação, realmente revoltante, não da para acreditar, que hoje em dia estamos vivendo uma situação destas. Na proxima estarei sem falta!

  134. Gabriel
    22 de maio de 2011 às 20:29

    Parabéns, ótimo texto. Talvez um dos melhores que li sobre a marcha.

  135. 22 de maio de 2011 às 20:19

    Parabéns pelo post!

    Bom, eu não fumo maconha e msm se fosse liberado tmb não fumaria.
    Já experimentei e tenho vários amigos, conhecidos e até familiares que fumam, para mim é algo tão natural quanto beber.

    Sou a favor de plantar a sua erva em casa e não de ir até o traficante buscar. Isso é sustentar o tráfico, como todos sabem. A realidade é que nosso país não está preparado para legalizar, é necessário educação e infraestrutura e esse processo é longo.

    De qqr forma, o problema não é a legalização, mas sim o cala boca anti-democrático que houve. Ouvir ontem sobre o que aconteceu aqui em SP me deixou com vontade de fazer as malas e ir embora. O que é isso? em pleno 2011 estamos vivendo uma censura nos moldes da década de 60. Que tristeza!

    Mesmo não fumando, semana que vem farei o possível para estar no MASP às 14h. :)

  136. 22 de maio de 2011 às 19:51

    Polícia para quem precisa?

    Política para quem precisa de política!

    O dia em que a política corrupta, a justiça míope e polícia ignorante deram as mãos e estapearam a democracia.

  137. Marcos
    22 de maio de 2011 às 18:45

    Texto realmente fantastico!!!!!
    Parabens!
    Eu tambem parei de usar maconha por esse motivo, o fumo prensado sempre me deu onda ruim!!
    Como nao posso plantar larguei!
    Raras as vezes que uns cultivadores me dao umas flores soltas! Ai sim! outra coisa!!

  138. 22 de maio de 2011 às 18:24

    “Legalize o debate”

    perfeito.

  139. jo oliveira
    22 de maio de 2011 às 17:27

    sou a favor da paz sempre!..entre os cidadãos e as forças de segurança paga por nós mesmos para nos assegurar contra a violência gratuíta…. mas o cidadão que usa drogas, que se deixa alienar por as sensações exteriores de prazeres fugazes e é privado de sua consiciência pessoal para ser mais um em uma facção, conduz ou é conduzido?..
    Porque não fazer logo marcha para liberar a OXI?…queima-se etapas, tempo e o próprio cérebro já destituído de razão..rs…

    • Bruno Reis
      22 de maio de 2011 às 18:51

      É isso aí. Façamos portanto uma marcha para proibir o álcool. Temos aí o precedente dos americanos com a sua Lei Seca, tão bem-sucedida. Quanto ao sucesso das nossas próprias proibições vigentes, basta olhar à nossa volta pra constatá-lo.

    • Pedro
      22 de maio de 2011 às 23:45

      Talvez vc se surpreenda se buscar ter o mínimo de contato com pessoas que usam drogas. Geralmente são o EXTREMO oposto do que vc está falando. Suas palavras são de um cunho moralista incrível. Então a pessoa buscar um prazer momentâneo de alteração da sua consciência faz dela uma criminosa, um membro de facção? Que argumentação furada!

      Comparar maconha ao ÓXI é típico de quem não tem absolutamente nenhum contato com o assunto que deseja discutir (é bom se informar melhor antes de sair falando absurdos por aí).

    • 23 de maio de 2011 às 2:55

      Gostaria de lembrar que o Óxi é quimicamente muito mais semelhante aos compostos derivados de benzina contidos no gás lacrimogênio que a PM jogou na população. Os componentes da maconha são mais semelhantes a alguns encontrados naturalmente no cérebro humano.

      • Benjamim
        24 de maio de 2011 às 1:06

        Não precisa de ficar fazendo essa alusão ao gás lacrimogênio. Quanto a “maconha”, muitos dos componentes dela atualmente são indistintos. =/

  140. Brenda
    22 de maio de 2011 às 16:56

    infelizmente a sociedade e burra.

  141. 22 de maio de 2011 às 16:34

    Muito bom seu texto! Parabéns!!!

    Eu não fumo, não gosto de maconha, mas sou totalmente a favor da sua legalização com base em diversos fundamentos que você citou!!!

    Mais uma vez, parabéns!

  142. Fernando Lopes
    22 de maio de 2011 às 16:15

    Ótimo texto, e realmente constrangedora a atitude do Estado!!
    Só pra correção: “Non ducor duco” está escrito na bandeira da cidade, na do Estado são apenas faixas e o desenho do estado.

    • 22 de maio de 2011 às 16:43

      Opa! Corrigido. Valeu!

      • Piero Chiaretti
        24 de maio de 2011 às 3:15

        Na do estado, tá escrito, “Pro Brasilia, Fiant Eximia” que quer dizer em tradução livre, pelo Brasil, faça-se o melhor (grandes coisas).

        Como por exemplo cantar a borracha na cabeça de quem protesta pacificamente.

        • Piero Chiaretti
          24 de maio de 2011 às 3:16

          Err, no brasão do estado tá escrito isso. Na bandeira, como o Fernando já disse, só as faixas, o desenho do Brasil (não do estado) e umas estrelinhas amarelas e tals.

  143. Leandro
    22 de maio de 2011 às 16:08

    Esse seria um post digno pra ressucitar o fudeus!

  144. 22 de maio de 2011 às 15:36

    Está na hora de realmente tomarmos as rédeas democráticas dos ultrapassados e calejados, tradicionalistas que fazem a manutenção do poder! Estou de coração nessa marcha! O Brasil pode! !Vida Vai!

  145. Cleiton
    22 de maio de 2011 às 15:12

    Parabéns pelo texto. Infelizmente a ignorância impera e impede o debate. Obrigado!

  146. Poka Nascimento
    22 de maio de 2011 às 14:52

    Bruno, excelente relato! Vi a cobertura parcial da TV e fiquei chocada, com a violência e com a apatia com que ela foi tratada pela imprensa.
    Eu acho que não só os usuários que não foram deveriam ir no sábado que vem, mas todos que, como eu, não aceitam essa tipo de repressão fascista. Eu não fumo maconha, nunca fumei, mas eu sempre vou defender a liberdade de expressão, e por isso estarei lá no próximo sábado. Lamento demais pelas pessoas que não se comovem com causas que não são suas.

  147. 22 de maio de 2011 às 12:06

    excelente texto, torturra!

    e para além dos nazi fascistas inacreditáveis*, fico com essa reflexão grudada na cabeça “me lembro das pessoas não envolvidas com a marcha que viram a brutalidade da polícia, respiraram um gás trocentas vezes mais tóxico do que a mais vil das maconhas de bocada, e não se indignaram com a PM. Mas conosco, os maconheiros, os vagabundos que financiam o tráfico de drogas.(…)Não tiveram a chance, a boa-vontade (ou a inteligência?) de pensar um pouco além do que lhes oferece o mais ignóbil jornalismo televisivo. Ainda assim, fazem parte do mesmo cérebro em que pia meu twitter.”

    o processo de conscientizar é lento…

    *essa história aqui é massa http://www.facebook.com/notes/jota-bosco/apenas-que-leiam/1884199196440

  148. Ana
    22 de maio de 2011 às 10:01

    Tenho muitos poréns com a legalização. Mas o debate deve ser feito sim! Diante de tantos avanços no Brasil vemos esse retrocesso quando se trata do diálogo. Que reação desproporcional é essa? Só tenham cuidado para não perder a razão. Têm meu apoio!

  149. 22 de maio de 2011 às 9:45

    Parabéns pelo relato da experiência, infelizmente o brasileiro ainda é acuado quando propõe o debate, coibido e até tratado como bandido, como que se o assunto fosse uma bruxaria obscura que a sociedade tem que esconder. Que siga o blog, parabéns. Não sei o quanto permissiva com isso é a Trip ou onde vc trabalha e tomara que o arrependimento do “com frequência me arrependo” não esteja relacionado a esse texto também, pois amanhã quero ler novamente sóbrio. Pelos mesmos motivos que vc contou porque não fuma mais são os meus, a companheira eventual da adolescência saiu da minha vida sem pressão externa, sem mágoa, só estava me fazendo mal, uma ansiedade, o sono ruim, quando fumava ficava arredio até com os amigos, louco para ir para casa, conversava mal, receio, até medo. Gosto, fumaria numa praia tranquila, mas desde o meu mestrado não tenho mais tempo, não de fumar, mas principalmente tempo com o contato com a violência na função de ir buscar, ter que lidar com traficante, essas coisas. Legal o texto, um dia evoluiremos, quando a gente pensa que nossa democracia é sólida, vemos que ela está ainda engatinhando.

  150. Natasha Avital
    23 de maio de 2011 às 23:18

    A 11.343/06 agora tá punindo manifestações a favor da liberdade de expressão, é? Denuncia mesmo o Paulo, pra ele te processar por denunciação caluniosa, e tu ir se entender com a polícia.

  1. 28 de fevereiro de 2012 às 17:56
  2. 8 de novembro de 2011 às 15:18
  3. 6 de junho de 2011 às 16:41
  4. 25 de maio de 2011 às 4:44
  5. 24 de maio de 2011 às 2:01
  6. 23 de maio de 2011 às 15:56
  7. 22 de maio de 2011 às 20:24
  8. 22 de maio de 2011 às 18:37

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: